Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

River Plate uruguaio “lança” a Sul-americana em Montevidéu

Abre-se mais uma edição da Taça Sul-Americana para os times uruguaios, Defensor Sporting e River Plate, só que o alvi-vermelho do bairro Prado de Montevidéu tem o privilégio de fazer o lançamento nesta terça 29 de Julho ás 21:15 h no Estádio Centenario.

Fora os casos das partidas internacionais que jogam-se no Estádio Centenario e fazem parte os dois grandões uruguaios fica quase impossível tirar uma foto das arquibancadas lotadas seja qual for o rival pois o Nacional e o Peñarol juntos completam o 90% dos torcedores uruguaios ficando apenas um dez por cento para o resto dos times. Nas últimas edições das Taças Libertadores e Su-Americanas e inseridos nesta realidade, o Defensor Sporting tem procurado resolver o assunto oferecendo um ambiente “aconchegante” para os seus jogadores marcando o preço dos ingressos muito econômicos.

River Plate percebendo que trata-se da única forma de “vestir” o Centenario para o primeiro espetáculo internacional do decênio vai habilitar apenas duas arquibancadas (a Olímpica, que contem a Torre das Homenagens, na frente da camarinha da tevê e a América – preferencial – aonde ficam os vestiários e imprensa).

Por enquanto, a Diretoria riverplatense, vai colocar á venda uns 28 mil ingressos tendo preço único de $ 50 (pesos uruguaios – 1,65 Euro cada) com preço especial para os sócios dos clubes da Associação Uruguaia de Futebol, que vão “investir” a metade.

É mesmo um investimento ficar 90 minutos de olho no estilo de jogo deste “novo” treinador uruguaio, responsável do time. Agora continua conosco pois vai conferir o porquê trata-se de um investimento.

O River Plate vai ter sua segunda participação em um evento internacional pois já teve sua oportunidade na antiga Conmebol em 1998 jogando duas partidas perante os “canalhas” argentinos de Rosario Central. Acabou perdendo o primeiro jogo de 4 x 1 no Estádio de Arroyito, “montado” para a Taça do Mundo – Argentina ´78 e conseguindo um empate sem furar as redes em Montevidéu, porém não continuando na frente.

Mais dez anos passaram para que o River Plate voltasse participar de um evento internacional oficial, organizado pela Conmebol mas agora o rival vai vir desde o Chile.

Logo ter visitado o River Plate, a Universidad Católica chilena vai receber os uruguaios dia 7 de agosto na terrinha trás-andina.

Quanto tem a ver com o River, é bom lembrar mínimo o desenho e as cores da camisa pois é claro que a grande maioria dos amadores do futebol fora os uruguaios não vão reconhecê-la na telinha nem nas fotos dos jornais da quarta.

Bem mais simples que dar muitas dicas tentando fazer imaginar a camisa deste “caçulo” uruguaio é dá-lhes um exemplo. A camisa é bem semelhante quanto as cores e desenho a da seleção paraguaia (hoje primeira na tabela da Classificatória Sul-Americana de olho na África do Sul 2010) só que trocando a cor azul do calção e meias pela cinza escuro (rato). Agora deu meu amigo leitor?

O River acabou dando um mergulho no torneio, logo ter ficado no quarto degrau do Tornéio “Liguilla” que definiram as “cinco” vagas uruguaias para Libertadores e Sul-Americana.

Sem dúvida que o time do Prado montevideano, joga com estilo “estranho” e diferente quanto ao padrão uruguaio, pois o treinador também é diferente ao resto e trata-se de um cara “carrasco” que carimbou seu estilo primoroso como “tique-tique”.

Bem mais conhecido como Jota Erre, do lado da linha lateral do gramado mudou tudo quanto tinha feito na época de jogador. Foi um jogador que dentro da quadra ajudava ao árbitro para tirar o cartão amarelo do bolso pois reclamava bastante. Agora ele pede para os seus jogadores não reclamar. Tratava-se de um jogador no qual o esquema corporativo do time ficava fora da cabeça dele e cada bola que segurava com as traves das chuteiras ficavam cochilando embaixo da sola; agora ele manda no gramado um jogador e caso dar uma de “Carrasco jogador”, aos poucos o tadinho vindo da reserva fica no vestiário tomando banho.

Muitas vezes o transcorrer da vida faz a gente refletir e o Jota Erre sem dúvida fez o balanço percebendo que o estilo de jogo que ele “divulga” como apropriado hoje é melhor que aquele que ele treinava no passado. Faz pouco tempo ele mudou sua cabeça até indo refletir com um psicologista que conseguiu tirar o melhor Jota Erre do interior, jogando no lixo aquele Carrasco “carrasco”.

No 2008, um século depois do primeiro caneco uruguaio conquistado pelo River Plate Football Club que teve seu berço na Cidade Velha de Montevidéu (pai deste Club Atlético River Plate) o time de Jota Erre acabou conseguindo um dos alvos mas caros do ano, alcançar um torneio sul-americano com uma turma com muitos mocinhos com espinhos na cara. Jota Erre é um treinador que pelo estilo de jogo e pelos resultados obtidos acaba sendo muito econômico para o time que assine contrato com ele com apenas dois ou três jogadores vendidos para a Europa conseguem pagar e tanto o salário do ano todo.

É tempo de mudanças, é tempo do Carrasco mais famoso (bem mais do que Aeroporto Internacional da capital uruguaia) é tempo desta turma que vai representar com orgulho este novo estilo do futebol uruguaio. Sorte para o time do Presidente Juan José Tudurí, do pesquisador histórico do clube, Vicente Tramaglia e da melhor secretária dos times do futebol uruguaio, a Andrea Soto que foi extremamente importante na montagem desta matéria.

Eis aqui a listagem do River Plate para a Sul-Americana.

1) Álvaro García (guardião), 2) Pablo Tiscornia, 3) Andrée “varilla” González (seleção venezuelana), 4) Mauricio Prieto, 6) Juan Ramón Curbelo (irmão do ex artilheiro uruguaio Daniel Fonseca quem conquistou o gol uruguaio naquela partida no Centenário Uruguai 1 x Brasil 1 nas Classificatória para França 1998), 7) Bruno Montelongo, 8) Nathaniel Revetria (filho do Hebert Revetria, Campeão Sul-Americano Júnior 1975 junto com o Jota Erre e artilheiro no Brasil), 9) Fabricio Núñez, 10) Jorge Zambrana, 11) Henry Giménez, 12) Ernesto Hernández (guardião), 13) Jorge Rodríguez, 14) Diego Sosa, 15) Jonathan Sandoval, 16) Darío Flores, 17) Sergio Souza, 18) Diego Silva, 19) Eduardo Mendoza, 20) Luis Torrecilla, 21) Federico Puppo.

2)

Treinador: Juan Ramón Carrasco, Treinador e no plantão, Juan Carlos Carrasco (filho do Jota Erre).

Artilheiros como o Fermando Morena (Campeão de América e do Mundo com o Peñarol 1982 e vestindo a camisa “celeste”, Sul-Americano 1983 e centro-avante na Alemanha 1974), Waldemar Victorino (Campeão de América perante o Inter de POA e do Mundo com o Nacional de Montevidéu 1980 além da Copa de Ouro 1980) e o Carlos “Pato” Aguilera (o baixinho que deu aquela cabeçada perante o olhar do Leão no Estádio Fonte Nova da Bahia conseguindo o Sul-Americano com a camisa “celeste” perante o Brasil e membro da turma uruguaia em México 1986 e na Itália 1990) são sem dúvida os maiores destaques internacionais que foram reconhecidos no mundo inteiro após ter estourado no River de Montevidéu.

Conheça tudo quanto precisa saber do River Plate uruguaio clicando no site do time:

WWW.cariverplate.com.uy

Correspondente PRAVDA.ru

Gustavo Espiñeira

Montevidéu – Uruguai