Author`s name Acácio Banja

Fome na América Latina. PAM adverte todo o continente está em movimento

Um número cada vez maior de pessoas vulneráveis está a arriscar as suas vidas em perigosas rotas migratórias na América Latina, forçadas a deslocar-se devido à crise global de segurança alimentar que se agravou com a espiral de inflação ligada à guerra na Ucrânia, disse na terça-feira o Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU.

Inflação alimentar a 26%

"Estamos a ter países como o Haiti com uma inflação alimentar de 26% e temos outros países que estão realmente fora das tabelas mesmo com a inflação alimentar", disse Lola Castro, Directora Regional do PAM na América Latina e Caraíbas (ALC).

Tendência negativa

Os dados mais recentes indicam que 9,7 milhões de pessoas nos 13 países da ALC onde o PAM trabalha já são extremamente inseguras em termos alimentares, contra 8,3 milhões no final de 2021.  "Estamos a olhar para cerca de 14 milhões de pessoas como previsto se a crise continuar", disse a Sra. Castro.

"Isto não é bom e estamos a voltar quase aos níveis elevados que tivemos durante a COVID-19", quando 17,2 milhões de pessoas estavam gravemente inseguras em termos alimentares, no pico da pandemia.

Os preços dos combustíveis e da energia foram também "uma questão enorme" para os menos capazes de se alimentarem, disse a Sra. Castro aos jornalistas em Genebra. "Vimos como nos últimos dois anos o custo da mudança de uma tonelada de alimentos na nossa região é sete vezes mais caro".

Migrantes desesperados

A dramática deterioração da vida quotidiana das pessoas deu-lhes poucas opções senão abandonar as suas comunidades e rumar para norte, mesmo que isso signifique arriscar as suas vidas, explicou o funcionário do PAM.

As comunidades que suscitam particular preocupação incluem migrantes haitianos que viajaram durante a pandemia da COVID-19 em busca de trabalho e abrigo no Brasil e no Chile. 

"Todos vós estais a ver caravanas, caravanas de migrantes em movimento, e antes falávamos de migração vinda do norte da América Central, mas agora, infelizmente, falamos de migração ser hemisférica. Temos o continente inteiro em movimento".

Darien Gap perigo


Um dos sinais mais claros do desespero das pessoas é o facto de estarem dispostas a arriscar as suas vidas atravessando o Darien Gap, uma rota florestal particularmente árdua e perigosa na América Central que permite o acesso a partir do sul do continente para o norte.

"Em 2020, 5.000 pessoas passaram pelo Darien Gap, migrando da América do Sul para a América Central, e sabem o que, em 2021, passaram 151.000 pessoas, e isto é 10 dias a caminhar por uma floresta, 10 dias por rios, atravessando montanhas e pessoas morrem porque esta é uma das selvas mais perigosas do mundo". 

Para estes migrantes, a razão porque estão em movimento é simples, explicou o funcionário do PAM: "Eles estão a deixar comunidades onde perderam tudo para a crise climática, não têm segurança alimentar, não têm capacidade de alimentar o seu povo e as suas famílias".

Os dados da ONU indicam que das 69 economias que actualmente sofrem choques alimentares, energéticos e financeiros, 19 encontram-se na América Latina e na região das Caraíbas.

Isto significou que os governos que já estavam a fazer o seu melhor para sustentar as redes de segurança social durante a pandemia do coronavírus, estão agora a lutar para manter este nível de apoio às populações.

Fonte: ONU

Tradução por Acácio Banja

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter