Author`s name Bento Moreira

A cara humana da crise climatérica

A experiência humana nesta crise, exemplificada por histórias de Moçambique. Não é um evento longínquo, está aqui hoje e afeta pessoas

À medida que os países ricos continuam a emitir gases de efeito estufa em seus níveis de concentração mais elevados, as condições climáticas extremas estão dizimando cada vez mais partes do mundo.

O tempo está se esgotando para milhões de pessoas que já estão perdendo suas vidas, suas casas e seus meios de subsistência devido às mudanças climáticas. Essas pessoas foram as que menos contribuíram para a emergência climática global, embora sejam as mais atingidas.

Os danos relacionados ao clima estão acontecendo em uma escala que a comunidade humanitária e as pessoas na linha de frente não conseguem controlar.

Precisamos pressionar os líderes mundiais a tomar medidas climáticas significativas para aqueles que mais precisam. Eles devem se comprometer a colocar as pessoas vulneráveis ​​no centro da cúpula do clima da ONU (COP26) em novembro.

Por meio do Acordo de Paris, os países ricos se comprometeram a fornecer US $ 100 bilhões por ano para ajudar os países mais pobres a enfrentar as mudanças climáticas por meio de ações de mitigação e adaptação. Mas os países ricos estão ficando para trás em seus compromissos. A solidariedade diante da crise climática começa com os países desenvolvidos cumprindo sua promessa de ajudar as comunidades mais vulneráveis ​​a se adaptar e mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Aqui estão histórias de pessoas diretamente afetadas pelas mudanças climáticas, da África à Ásia e América Central.

"A emergência climática é uma corrida que estamos perdendo, mas é uma corrida que podemos vencer", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres.

E na corrida contra a crise climática, não podemos deixar ninguém para trás.

Experiências de Moçambique

Marta Domingo, 26

Marta Domingo, de 26 anos, deu à luz no centro de acolhimento de Muada, nos arredores da Beira, duas semanas antes de esta foto ser tirada.

"Cheguei ao acampamento no dia do ciclone. A casa inteira desabou. Eu caí enquanto estava correndo e estava vendo todas as casas desabando."

Marta entrou em trabalho de parto duas semanas depois de chegar ao acampamento. Ela deu à luz gêmeos, um menino e uma menina, mas o menino morreu no dia seguinte. Marta acha que ele se feriu ao cair enquanto corria para um lugar seguro. Ela agora dedica toda a sua energia para manter seu bebê remanescente, Malina Seba, vivo e saudável.

"Meu menino, ele não tem nome; ainda não dei nome a ele. Estou me recuperando, mas às vezes sinto dor, fico triste. Malina está bem. Às vezes ela não amamenta. Acho que não ela sabe que perdeu o irmão."

Lourenço Custódio, 14

Em março de 2019, as enchentes provocadas pelo Ciclone Idai destruíram a casa onde Lourenço Custódio, de 14 anos, vivia com os avós e a tia. Depois de fugir, embarcou num helicóptero com um amigo para evacuação para a escola Samora Machel na Beira.

Durante uma avaliação, uma assistente social do Governo de Moçambique percebeu que Lourenço estava sozinho, sem familiares. Foi transferido para o Centro Infantario, onde residiu por um mês. Com o apoio da UNICEF, Save the Children, Centro Infantario e da Direcção Provincial de Bem-Estar Social da Beira, acabou por regressar a casa são e salvo e voltou a reunir-se com a sua família no Buzi.

Em 15 de março de 2019, o ciclone Idai atingiu o centro de Moçambique. As inundações varreram as comunidades, destruindo tudo em seu caminho. Milhares de famílias, muitas com crianças pequenas, buscaram segurança no topo das árvores e prédios altos esperando para serem resgatados.

 

Tradução para Pravda.Ru

Olga Selyanina

Fonte: ONU

Tópicos