Author`s name Pravda.Ru Jornal

Moçambique e Angola registam retrocesso grande em vacinação infantil

Os dois países lusófonos estão na lista da OMS dos países com maior retrocesso no programa de vacinação infantil causado pela pandemia de Covid-19

A pandemia de COVID-19 leva a um grande retrocesso nas vacinações infantis, mostram novos dados da OMS e da UNICEF

23 milhões perdem vacinas básicas

23 milhões de crianças perderam as vacinas básicas através dos serviços de vacinação de rotina em 2020 - 3,7 milhões a mais do que em 2019 - de acordo com dados oficiais publicados recentemente pela OMS e UNICEF. Este último conjunto de números abrangentes de imunização infantil em todo o mundo, os primeiros números oficiais a refletir interrupções do serviço global devido ao COVID-19, mostram que a maioria dos países no ano passado experimentou quedas nas taxas de vacinação infantil.

De forma preocupante, a maioria dessas - até 17 milhões de crianças - provavelmente não recebeu uma única vacina durante o ano, ampliando as já imensas iniquidades no acesso à vacina. A maioria dessas crianças vive em comunidades afetadas por conflitos, em locais remotos mal servidos ou em ambientes informais ou favelados, onde enfrentam várias privações, incluindo acesso limitado a serviços básicos de saúde e sociais.

“Enquanto os países clamam para colocar as mãos nas vacinas COVID-19, retrocedemos com outras vacinações, deixando as crianças em risco de doenças devastadoras, mas evitáveis, como sarampo, poliomielite ou meningite”, disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS. “Vários surtos de doenças seriam catastróficos para as comunidades e sistemas de saúde que já lutam contra a COVID-19, tornando mais urgente do que nunca investir na vacinação infantil e garantir que todas as crianças sejam alcançadas.”

Retrocesso em todas as regiões

Em todas as regiões, um número crescente de crianças perdem as primeiras doses vitais da vacina em 2020; outros milhões perdem as vacinas posteriores

Tabela 1: Países com o maior aumento de crianças que não receberam a primeira dose da vacina combinada difteria-tétano-coqueluche (DTP-1)

 

              2019          2020

Índia 1.403.000      3.0038.000

Paquistão 567.000  968.000

Indonésia 472.000  797.000

Filipinas 450.000    557.000

México 348000       454.000

Moçambique 97.000 186.000

Angola 399.000        482.000

República Unida da Tanzânia 183.000 249.000

Argentina 97.000          156.000

Venezuela (República Bolivariana da) 75.000 134.000

Mali 136.000              193.000

Os dados mostram que os países de renda média agora respondem por uma parcela cada vez maior de crianças desprotegidas - isto é, crianças que estão perdendo pelo menos algumas doses da vacina. A Índia está experimentando uma queda particularmente grande, com a cobertura de DTP-3 caindo de 91% para 85%.

Alimentado por déficits de financiamento, desinformação de vacinas, instabilidade e outros fatores, um quadro preocupante também está surgindo na Região das Américas da OMS, onde a cobertura de vacinação continua caindo. Apenas 82% das crianças estão totalmente vacinadas com DTP, contra 91% em 2016.

Fonte: ONU

Tradução exclusiva para Pravda.Ru

Bento Moreira

Pravda.Ru

Contacto: jornalpravda@gmail.com

Tópicos