Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Marina, PT e Senado fazem Lula se destacar enquanto símbolo

A saída da Marina não foi por causa da crise do Senado nem de uma postura moralista, alega ela divergências de projeto para o país, e aí dá ênfase na questão sócio-ambiental. Trata-se de uma entre milhares de militantes que confiaram num Partido dos Trabalhadores transformador e ético e em Lula sua liderança. Muitos sairam antes de Marina, ela demorou muito. Por que?

Ficou neutralizada na época do Mensalão; fez coisas inaceitáveis, talvez constrangida e achando que seria a última vez ou que poderia relativizar os danos, como na questão dos transgênicos. No governo mudou e apoiou a transposição do São Francisco de forma clara. Tenho livro organizado pela Marina Silva desancando a transposição em termos de denúncia moral grave aos seus propositores. Depois aceitou o desmembramento do Ibama com a finalidade de reduzir a força dos biólogos e ambientalistas em favor da burocracia admjnistrativa nomeada. Não se manifestou em relação aos projetos das canalizações sistemáticas dos córregos e ribeirões urbanos, aprovados pelo PAC às empreiteiras irresponsáveis, e que irão produzir enchentes urbanas em todo o Brasil.


Estas canalizações aparentemente inocentes perenizam a destruição dos rios com altos custos ambientais e de manutenção , como mostra o modelo implantado em São Paulo. Fazem isto como se fosse necessário para obras de saneamento. Mas a realidade é que visam construir avenidas “sanitárias” e atender à especulação imobiliária. Todas as margens dos rios e ribeirões poderiam ser parques naturais com modificações paisagísticas para o lazer urbano. Marina teve uma visão da questão ambiental muito amazônica, foi usada como escudo de proteção do governo e para efeitos internacionais. Mas trata-se de uma grande pessoa, com currículo de superação. É uma companheira respeitável, apesar dos erros cometidos.


Mas na política partidária e na administração dos negócios de Estado Maquiavel foi perspicaz. Há uma diferença entre ética e eticismo. Apesar de não aceitar certas atitudes do Lula e não praticá-las em minha vida privada, ainda que com incremento de minhas dificuldades pessoais e familiares de sobrevivência, não posso ser tão duro a ponto de acusá-lo de desonesto, muito menos de corrupção. Numa conversa pessoal poderia dizer-lhe que tem uma pequena multidão de pessoas, sobretudo dentro do PT, se aproveitando da situação, sem nenhum compromisso histórico com a população. Mas é claro que ele sabe disso, então falar o quê mais? Os assuntos acabaram ! Resta saber se esta opção foi imperativa ou aleatória.


Considero ética a liderança do Lula. O que entende-se por ética? Acompanhei sempre sua trajetória, trabalhador incansável da mobilização social, falas contraditórias com a realidade atual do seu governo, as inevitáveis cabeçadas. Para comparar, acho o respeitabilíssimo Eduardo Suplicy eticista. Assisti esses dias o Suplicy ao lado do senador Agripino Maia, sendo entrevistado na Globo News pela raposa do jornalismo Alexandre Garcia sobre a acareação da Dilma no Senado com a funcionária da Receita Federal. O Agripino emocionado falava e rolava de ética, elogiando o Suplicy como "homem de bem” e o Suplicy orgulhoso, dizendo: “sem dizer a verdade não há justiça! Quero a acareação”!


Se o Suplicy não fosse eticista, mas ético competente diria: “agradeço a menção a meu comportamento pois sempre fui coerente; mas vocês, Agripino, não têm história para falar de ética.” Embora o PT já não comporte mais este discurso imagino que o senador cumpre conscientemente um papel. O Suplicy se comporta como um quixote eticista. Ninguém duvida de sua honestidade. E sabe que está convivendo entre pessoas de alta periculosidade. Mas não conseguiria governar estando na presidência do país.


Precisa ficar claro que a ética não é monopólio dos santos. Os bandidos são altamente éticos: quem não paga a droga morre; quem estupra morre! Nem o discurso ético garante a ética. Pinochet derrubou Allende fazendo o discurso da defesa da democracia e da ética no Chile. Aqui, em 1964, os generais fizeram este discurso da ética, com a UDN à frente. Muitos dos atuais éticos estavam no poder com a ditadura, quando na surdina a corrupção mais cresceu no Brasil. Era a época da ARENA e mais tarde do PDS, sob a batuta do senhor Sarney ! Querem mais ético, no sentido assumido por este termo, que o PT na oposição em seus primeiros anos? Fazia o mesmo discurso da Heloisa Helena!


Até a eleição do Lula só a elite tradicional mandava e desmandava, praticando todo tipo de crime contra o povo. Tirando o período do Getúlio cujo trabalhismo promoveu uma nova “elite” de descamisados morenos somente com o Lula este processo retomou o fôlego, com a promoção de sindicalistas e líderes de base às esferas governamentais. Hoje está tudo mais democratizado, situação natural numa sociedade onde o reino fisiológico da necessidade dificulta demasiadamente a transcendência da sociedade para o mundo da consciência filosófica e de si, no reino da construção culta. A barriga soa mais alto nas decisões, é questão de estágio evolutivo!


A base de apoio ao governo federal e o PT, têm pouca preocupação ou nenhuma com serem rigorosos com o dinheiro público e atitudes dignas. Não têm aqueles “pruridos “ dessa honestidade caseira na qual muitos de nós cresceu e que servia paradoxalmente para proteger as elites no poder! Este papel era bem feito pela catequese religiosa tradicional, rompida parcialmente pela chamada teologia da “libertação”. A velha elite com raízes na Colônia, na Escravatura, nas Bandeiras e no Café, que sobreviveram na República, está agora mamando menos, estão “indignados”. Bom exemplo de luta de classes à foiçada! A política de Estado é a continuação da guerra por outros meios e a guerra continuação da política. Teria sido afirmação de Clausewitz, autor de Sur la Guerre?


Para manter a elite dividida e o equilíbrio político no Congresso, que dá governabilidade, o Lula precisou fazer alianças espúrias com o PMDB de Sarney, Renan e Jader Barbalho, com a turma do Maluf e até do Collor, ou seja, com os considerados cachorros mortos ou em vias históricas de o serem, mas com dentes ainda afiadíssimos. Este pessoal achava o Lula o Diabo, agora o tratam como um Santo! Vejam como as coisas da vida são sutis. E Lula tem total controle sobre o PT pelas mesmas razões, que Darwin tão bem entendeu. Aí que está o segredo da alma humana e da sua relação com o ID de Freud, idéia que transitou na Vontade de Schopenhauer e na Coisa em Si de Kant. A lei natural do processo de sobrevivência pela adaptação e seleção dos mais aptos, no caso os mais espertos, não distingue entre petistas, pemedebistas, tucanos ou demos! Esta Vontade ainda o fazem cumprir papéis sociais importantes nesta compostagem.


Neste sentido Lula é um artista genial. Sua transigência moral no governo poderá engrandecê-lo ao romper com a moral ensinada aos humildes cuja honestidade serviu para perpetuar no poder as elites corruptas. Estas elites sempre monopolizaram este eficaz comportamento transgressor das lições éticas e morais ensinadas pelas religiões no processo da dominação política que exercem. E ainda eram “abençoados por Deus” como legítimos representantes. No Salmos e Hinos da Igreja Presbiteriana a canção 200 cantada pelos fiéis era nada mais nada menos que o Hino Nacional Inglês Imperial. Eu o sei cantar de memória e olhando para o Céu!


Certamente a gestão petista irá criar escola no país. Terão sido rompidos os limites morais que se imaginava existirem na vida pública, fenômeno já tão comum na vida privada. Terá surgido uma nova visão proletária da ética e da moral, rompendo o monopólio da burguesia em tecnologias de dominação?


Não se explicaria assim o apoio ostensivo e declarado do governo comunista chinês ao golpe militar de Pinochet em 1973 e da União Soviética à ditadura militar argentina, neste mesmo período, por razões comerciais similares em meio à disputa sino-soviética?


A verdade é que o desempenho do PT nesse campo está humilhando seus velhos adversários hoje transformados em aprendizes apoiadores e dependentes nas horas difíceis. Estão tendo um enterro de primeira! O PT deve ter sido convencido de que para derrotar a burguesia precisaria aprender a usar essas armas, infalíveis eleitoralmente e na manutenção do poder institucional. Para essa gente que tanto nos combateu o único crime eleitoral era perder uma eleição! Como diziam meus familiares, aprender as coisas más é mais fácil que trilhar o estreitinho caminho das virtudes.


Com esta compreensão de que os fins justificam os meios, visão aceita pela a população, o PT demonstra competência política maquiavélica. A linha de José Dirceu triunfa sobre o sentimento ingênuo fundador do PT, de que a luta dos oprimidos pelo exercício do poder de Estado seria uma vitória “ética” de um São Jorge esmagando o Dragão da Maldade. Esta representação ainda está presente, ela é ideologicamente necessária ao PT, pois é preciso ter a Moral do nosso lado! Daí a importância dos éticos do PT na representação! "shakespeariana” dos papéis. O Brasil está ajudando o mundo a conhecer melhor a alma humana. Mais uma contribuição histórica do PT: agora entendo melhor a afirmação que ouvia nos tempos de minha militância : os movimentos não têm coração !


O Lula e o PT precisaram atravessar o Rubicão e foram além do suportável pela maioria dos militantes de esquerda com preocupações morais. Para cada coisa tem um talentoso. Por isto existem os Berzoines, os Delúbios, e outros. É o papel de cada um no teatro da vida. Ainda assim, nesta abordagem da política de Estado, onde é necessário dividir para governar e onde os discursos todos estão no campo da falsidade, o que interessa é o poder nas mãos, ainda que negando os projetos “infanto-juvenis” do programa original do PT, o nosso antigo catecismo. As velhas elites nos diziam e nos educaram dizendo: “este PT seus é ingênuo, vocês são idealistas! O Lula está usando vocês, tem até mansão no Morumbi. Vocês irão ver”! E nos ridicularizavam. Só não esperavam ser tão surpreendidos pelos ingênuos de duas décadas atrás. Neste sentido acho que o Lula é ético e comete ou engole coisas que exige um super estômago, em defesa do que acredita ser o melhor para o povo. É muito inteligente para querer ser corrupto no sentido vulgar do termo. Só se fosse um depravado, o que não se adequa à sua história de superação. Enquanto pessoa e líder não precisa disto, goza de prestígio, terá sempre aposentadoria e segurança pessoal, sempre será a estrela enquanto ex-presidente com notável biografia.


Inteligentíssimo, o Lula é um estadista, não é da tralha dos seus “aliados” vorazes ou mesmo da maioria dos seus atuais companheiros de legenda, como pensa a direita. Para eles não interessa a ética abstrata suplicyana, interessa os resultados. E o povo que sustenta o governo se interessa por ganhos reais como como bolsa família, aumento do salário mínimo, mais empregos, cotas nas universidades! e aumento de vagas, sem entrar aqui no mérito destes ganhos que podem ter outras interpretações e consequencias. A maioria do povo continua sendo manipulado por pão e circo. Por isso a prioridade não foi a escola pública de qualidade e universal, sim o Bolsa Família. Maquiavel poderia dizer se aqui estivesse: nada melhor para a governabilidade que ser pai dos pobres e mãe dos ricos!


Esta fórmula possibilitou a Lula desenvolver a abertura da política e do comércio externo e tirar a discussão do embate esquerda versus direita. Muito parecido com Getúlio. Mas mais bem sucedido. Conseguiu se safar dos golpes militares que as elites tradicionais sempre praticaram como a ética do poder. O Lula não tem vocação para mártir nem é masoquista, como a direita teria preferido e era a tradição romântica da esquerda. A direita odeia Fidel Castro pois ele também usou as armas tradicionais dos opressores e se manteve à frente do seu povo sem cumprir com o que os norte-americanos queriam. O processo o fez mudar. Como diria o Joaozinho Trinta: o Lula gosta é de coisa boa, de luxo, de poder. Por esta a direita não esperava. Encontrou uma esquerda à sua altura.


Para o povo, esta situação que o beneficia neste momento é ética também. O povo aceita políticas anti-ambientais como a do Blairo Maggi em Mato Grosso, aceita desmatar a Amazônia, aceita acordos com o agro-negócio, proteção a banqueiros, escândalos e aceita que o Lula faz isto para segurar o trem nos trilhos, senão ele cai. O povo vê a corrupção como natural, quer o Lula firme no Planalto, deverá eleger seu sucessor, pois está dando conta de alimentá-lo. Esperou somente 500 anos para ter Getúlio e depois o Lula. Veja como não se abalou com as denúncias do Mensalão e reelegeu o Lula, independente do lacerdismo de Arnaldo Jabor. E o povo não é bôbo: sabe que o Lula sabia de tudo e até ri da esperteza dele entre uma pinga e outra. Os moralistas não entendem o povo. O povo está acostumado com todo tipo de sacanagem e não acredita que os políticos irão acabar com ela. O povo precisa ser fisiológico para viver, a não ser que troque eternamente esta vida pela promessa incerta da outra no Além. Luto para que um dia este povo sacrificado para produzir dinheiro para os ricos irá ascender ao reino das idéias e frequentar universidades, restaurantes, hotéis, praias. Poderá até ser cremado!


Filosoficamente, o povo é cínico e o Lula também, no sentido de não terem as ilusões “pequeno burguesas” de honestidade nem acreditar nesses discursos éticos que só se sustentam na oposição. Como ensinou o filósofo escocês David Hume nos anos 1700, aqui interpretado nas minhas palavras: “a moral é utilitária; moral é o que é bom para nós!” As opções éticas das pessoas e dos partidos são pragmáticas e o comportamento moral é complacente como talvez certos hímens. O código moral perfeito e eterno só existe na cabeça da indústria da fé que não raciocina historicamente. Os partidos e os governos só querem o poder do Estado, eles miram-se nos resultados para a continuidade; agora só pensam na vitória em 2010 e nas alianças para isto. O resto é o resto. Todos estão mentindo e se mimetizando dentro dos oratórios. O Lula tem coragem e raça de enfiar a cara nesta coisa que nos choca tanto. É cabra porreta. Foi criado na rua, sem mimos, é todo calejado, dá aula a muitos doutores avoados.


O risco de Lula ter uma imagem histórica negativa por causa disto é muito pequeno. Imagine agora o DEMO vencendo em 2010 coligado com o PMDB, ou o PSDB do senador Arthur Virgilio e em nome da ética? É disto que o povo tem pavor: repetir FHC, repetir Carlos Lacerda, que Canudos volte a acontecer. Um velho fazendeiro salinense, que conheci menino, desiludido com a política local disse que às vezes é preferível deixar a cachorrada gorda continuar mais um pouco no poder que trocá-la pela cachorrada magra, e o povo ter que trabalhar dobrado para engordá-la. Isto tem acontecido sucessivamente na chamada “rotatividade democrática”, de eleições cada vez mais venais e um povo desinformado pela mídia de negócios.


Eu estou há mais de uma década longe de qualquer vínculo partidário, pois não consigo ser ético no sentido que descrevi aqui. Sempre que cometi algum deslize fui impiedosamente castigado por minha consciência. Tenho capacidade para ver e compreender a vida como ela se se quiser ser bem sucedido nesta vida! Mas não consigo praticar meus conhecimentos. Tenho um defeito congênito que me amarra ao eticismo, ao amadorismo, posso até ser simplório, portanto impróprio para partidos e eleições. Vou velejando só pelos meus mares tentando ser fiel à educação que recebi em casa e sem força e querer para ser diferente. Mesmo não crendo mais no Céu lá no Alto! Na esperança de recompensas futuras! Gosto muito de ler Cervantes. Sou político até a medula mas não sou propício a ser peça partidária, nem a líder deste Reino, e muito menos a ser cabo eleitoral. Foi uma pena não ter nascido daqui uns mil anos. Acredito que teria mais chances de concordar com mais coisas.


Quanto à Marina que se cuide no PV. O PV não é programático nem respeitado. Pelo que vejo e escuto não passa de um partido de programa, com todo respeito às mocinhas e rapazes das esquinas e das noites. Ela não vai resolver os problemas que tinha no PT. A Marina precisa se reciclar de suas idéias juvenis e se ajuntar àqueles que buscam compreender a verdadeira dimensão da política prática. Ela tem mais um espírito missionário. Precisamos meditar juntos para encontrar a inspiração e uma proposta de ação coerente com a realidade aqui descrita.


Será que não há uma alternativa nova, extra partidária, inteligente e com arte e transformação, e na paz? Fiquei muito esperançoso com a eleição do Obama e continuo com boa expectativa. Vamos ver. É preciso ter atitudes individuais. No Brasil há liberdade, faltam atitudes. É muito cômodo ficar de vítima e chorando. Será que um dia a gente vai poder viver melhor, ser transparente e com solidariedade? Será possível ocupar um cargo de direção política sem transgredir os “dez mandamentos” ? Eu espero que um dia, com a população se libertando do Reino da Necessidade, nós teremos uma sociedade onde se possa viver socialmente de forma decente. Sem medo. Estamos numa “pré-história”.


Apolo Heringer Lisboa,
Belo Horizonte, Agosto 2009

http://crerpensar.blogspot.com/2009/08/marina-pt-e-senado-fazem-lula-se.html