Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Brasil: O Senado hoje, um novo Clube da Lanterna?

Por Sidnei Liberal

Em resumo, podemos falar de dois Getúlios. O da Revolução de 30, candidato derrotado a Presidência da República, atraído pelo “laço” dos revolucionários civis e dos “tenentes”. Desentranhado dos escombros da cessante República Velha, a quem serviu como Ministro da Fazenda, com rara competência.

Fora lançado candidato contra o fechado sistema oligárquico, ao qual pertencia, por capricho e manobra do matreiro político mineiro (redundância?) Antonio Carlos, destacado líder da mesma oligarquia. Caudilho de origem, Getúlio foi ungido em nome da Democracia e, dispondo da força das armas, atropelou o candidato eleito, Júlio Prestes. Assumiu o poder portando o mesmo ranço dos antigos dirigentes: nomeou para os governos estaduais os representantes das velhas oligarquias ou as mãos-de-ferro das vitoriosas lideranças tenentistas.

É o mesmo Getúlio que, em 1934, promulgou uma nova constituição de caráter fascista, a famosa “polaca”, que lhe permitiu o golpe de estado de 1937 e lhe daria mais oito anos de poder discricionário. A prisão, a tortura, o exílio para opositores era a regra. É o mesmo Getúlio que namorava Hitler, Mussolini e Hiroyto e que somente declarou guerra a esse “eixo” nazi-fascista mediante pressão das massas nas ruas e grandes gestões políticas e diplomáticas dos “aliados” e esforço pessoal do Presidente Roosevelt.

Terminada a guerra, os fortes ventos da democracia, embalados pela vitória contra o obscurantismo na Europa, sopraram muito forte sobre o Palácio do Catete, apeando o velho caudilho do poder e rolando-o para as longínquas coxilhas das terras guaranis onde nascera.

Estes quinze anos de poder foram caracterizados por uma diretiva nacional-populista e discricionária. Surpreendentes avanços, entretanto, caracterizaram o governo Vargas: a criação de infra-estrutura para desenvolvimento do parque industrial brasileiro e uma política trabalhista com significativo favorecimento dos trabalhadores. Entre os anos de 1938 e 1945 criou, sucessivamente, o IBGE, a Justiça do Trabalho, o salário-mínimo, a CLT, a Carteira do Trabalho, o regime semanal de 48 horas, as férias remuneradas, a Companhia Siderúrgica Nacional, a Vale do Rio Doce e a Companhia Hidrelétrica do São Francisco.

Cinco longos anos de recolhimento em sua terra-natal, São Borja, constituíram o casulo mágico que permitiu a maturação de um novo Getúlio Vargas. Curtido, maduro, sensível (“paz e amor”?). Agora, não mais um nacional-populista, tampouco discricionário. Um verdadeiro estadista: independente, no terreno das relações internacionais; democrata, frente ao grande caldo-de-cultura da política interna, procurando estimular a plena manifestação do mosaico político brasileiro, fruto do diversificado leque que constituía o pensamento ideológico mundial do pós-guerra; nacionalista, no campo da macroeconomia. Nesse campo, sua marca mais emblemática foi a criação dos pilares de sustentação do monopólio do petróleo, a base da Petrobrás, reação positiva à avassaladora manifestação da sociedade brasileira em memorável campanha nacional cujo lema “o petróleo é nosso” retumbava pelos quatro cantos do Brasil.

Getúlio sepultou de vez o mito do populismo implementando políticas públicas que socorriam o multissecular sentimento de injustiça da elite brasileira com as classes menos favorecidas: implementou ações re-distributivas de renda, características de autêntico governo popular e democrático, sem, no entanto, descuidar-se da criação e fortalecimento dos fundamentos de sustentabilidade da macroeconomia brasileira.

A quem interessava aquela política? Não era, certamente, à nova ordem mundial ocidental que restou estabelecida após a divisão do mundo em dois mundos distintos. Não era, seguramente, à ordem capitalista pós-guerra que investia pesado nos países subdesenvolvidos, como o nosso, pilhando suas economias e remetendo vultosos lucros ao exterior para ampliar suas poderosas máquinas de dominação e de fazer cada vez mais dinheiro. Também não era aos representantes e testas-de-ferro brasileiros da então vigente filosofia de mercado; aos banqueiros e barões da indústria; aos grandes latifundiários; enfim, à velha e pétrea oligarquia brasileira – sempre vigorosa como ainda em nossos dias – e cuja expressão mais visível era a sua legítima representação no Congresso Nacional, especialmente no Senado da República, e sua influente caixa de ressonância, a grande imprensa brasileira.

Movimentos de muita coloração ideológica, apolíticos, alguns, em suas aparências, em meio a outros movimentos abertamente antidemocráticos, o Partido Comunista mantido na ilegalidade, foi a conjuntura que propiciou, em agosto de 1953, a fundação do Clube da Lanterna, cuja primeira reunião oficial se deu na Associação Brasileira de Imprensa. A ABI era dominada pelos proprietários dos grandes jornais, sob a liderança da Tribuna da Imprensa, de propriedade do jornalista e deputado udenista Carlos Lacerda - O Corvo, como era conhecido no auge de sua longa militância política. Fundado por Lacerda, o Clube da Lanterna, cujo objetivo era o de dar combate ferrenho ao governo Vargas, congregava numerosos parlamentares, principalmente da UDN, e oficiais da Aeronáutica ligados ao projeto político udenista capitaneado pelo Brigadeiro Eduardo Gomes.

O golpismo era a agenda permanente do Clube da Lanterna, fruto da característica militante do seu fundador, a maior expressão no espectro político da direita reacionária, ligada à moda privatista que, aqui, fora plantada pelo capital internacional e cultivada pela elite econômica nacional. Todos contrariados pela política independente e nacionalista de Vargas. Intransigente em defesa do monopólio estatal do petróleo, mesmo diante de ferrenhas investidas capitalistas, principalmente estadunidenses, por intermédio de seus representantes brasileiros, Lacerda à frente. Queriam a abertura ao capital externo para exploração do petróleo e da siderurgia nacional. Essas e outras pressões, econômicas e políticas, forjaram a arma que deu um tiro no coração de Vargas e da Democracia brasileira.

A candidatura de Juscelino foi, em certo sentido, a candidatura à reeleição de Getúlio, pela sua composição política e, principalmente, em face da candidatura do seu ex-Ministro do Trabalho, e afilhado político, João Goulart, à vice-presidência. Sobre a candidatura Juscelino-Jango, o Clube da Lanterna sentenciou: “não pode prosperar; se prosperar, não se elegerá; se eleita, não governará”. Prosperou, foi eleita, e governou. O governo foi exercido, até o fim, entretanto, sob fogo perene de muitas ameaças e tentativas de golpe. O golpe definitivo, porém, somente vingou dez anos mais tarde.

Hoje, no Senado Federal, se fala em bater, até fisicamente, no presidente Lula. E da vetusta tribuna, conhecido senador golpista baiano, o poderoso líder oposicionista Antonio Carlos Magalhães, implora a ação de generais para derrubar o governo democrático da mais ampla votação de toda a história republicana do Brasil. Fala-se, em cada momento, em impeachment e, sucessivamente, recorre-se a instrumentos de ação ou de obstrução parlamentar, conspira-se, diuturnamente, para impedir a governabilidade. Não conseguindo campo propício ao impeachment, que evitaria a candidatura, cuida-se das etapas seguintes, conforme antigas premissas: não se reelegerá e, se reeleito for, não governará. Não parece um “dejà vu”, um filme antigo?

Será o Senado de hoje um novo Clube da Lanterna? Quer ser e esforça-se muito. Falta-lhe, entretanto, densidade intelectual e política. A mediocridade negando ao conjunto dessa maioria oposicionista a significância moral que antigamente lhe conferia um Afonso Arinos de Melo Franco, um Milton de Campos, um Otávio Mangabeira.

em VERMELHO ONLINE (www.vermelho.org.br), 25 DE JULHO DE 2006

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter