Author`s name Aleksandr Shtorm

A Rússia está a passar fome?

A operação especial russa na Ucrânia serviu de catalisador para o confronto formado entre Moscovo e o Ocidente colectivo, em resultado do qual os Estados Unidos e os seus parceiros político-militares activaram imediatamente sanções económicas "suspensas". Além disso, metade das reservas cambiais russas foram congeladas, provocando uma escalada de confrontos sem precedentes na esfera financeira.

Estará a Rússia a passar fome?

Os aumentos de preços e a escassez de certos produtos de base não são apenas observados na Rússia. A natureza global das relações internacionais tem causado uma influência destrutiva de sanções também nas economias dos países iniciadores.

Nos EUA, decidiram chamar à inflação "a subida de preços de Putin". De facto, a inflação nos países ocidentais começou após a declaração de guerra económica pelos líderes europeus e pelo seu soberano, o Presidente dos EUA Biden.

Em pouco mais de um mês e meio da operação, houve um aumento significativo dos preços da energia nos EUA e nos principais países europeus. Os dados disponíveis ao público foram utilizados na compilação das tabelas de comparação.

O custo de um kilowatt/hora pode variar muito de região para região dentro de um único país. Por exemplo, na Rússia, tendo em conta o aumento de preços previsto em meados de 2022, o custo varia de 9,27 rublos (Chukotka) a 1,27 rublos por quilowatt (Região Irkutsk). Nos EUA, o custo varia de $0,37 (Hawaii) a $0,094 (Nebraska). As tarifas americanas dependem não só da estação do ano e das condições meteorológicas, mas também da procura real.

... para manter os preços da electricidade sob controlo até Abril através de tarifas de congelamento. O seu forte aumento está associado não só a sanções, que têm o efeito oposto, mas também a factores climáticos.

O preço da electricidade na Rússia e noutros países

As carências energéticas estão a forçar os europeus a tomar medidas sem precedentes. Por exemplo, o governo alemão pediu à população para reduzir o consumo de gás e reduzir a carga nos sistemas de aquecimento, baixando o regime de temperatura nos alojamentos.

Alterações nos preços do gás natural na Rússia e noutros países

O aumento do preço dos combustíveis torna o automóvel num luxo absoluto. Ao mesmo tempo, os preços dos transportes públicos estão a subir. Na América e no Canadá, os agregadores de táxis e serviços de entrega já introduziram uma sobretaxa adicional de combustível que compensa parcialmente o salto nos preços da gasolina e do gasóleo.

Preço da gasolina

O aumento dos preços de retalho também afectou os alimentos. De acordo com a ONU, o índice global de preços dos alimentos aumentou 21% ao longo do ano, incluindo um aumento de 12% nos últimos dois meses.

Como está a mudar a atitude dos cidadãos em relação aos líderes que declararam guerra económica à Rússia

O impasse económico com a Rússia tem tido um sério impacto na carteira do consumidor médio. O número de contas em atraso está a crescer em todo o mundo, e com elas o nível de insatisfação com o curso político dos governos nacionais.  Assim, de acordo com os dados mais recentes, a atitude negativa em relação às acções das autoridades:

na Alemanha - 57%

nos EUA - 64%

nos Países Baixos - 65%

na Grã-Bretanha - 69%

Em França - 69%;

na República Checa - 69%;

78% na Polónia;

em Espanha - 84%.

O aumento dos preços da energia provocou também uma queda nos índices de popularidade pessoal dos chefes de Estado. De acordo com uma sondagem da Morning Consult:

Biden é apoiada por 44%

Scholz - 44%

Trudeau - 41%

Morrison - 41%

Macron - 39%

Johnson - 33%.

A este respeito, prevê-se que as posições eleitorais destes estadistas se deteriorem nos próximos anos e que a luta política interna nos países ocidentais se intensifique.

Paradoxalmente, na Rússia, as sanções consolidaram largamente a sociedade em torno da ameaça de um inimigo externo e resultaram num aumento significativo do índice de popularidade do Presidente e do Governo.

Em geral, a situação económica no mundo força tanto a liderança das mais importantes empresas russas como a elite empresarial estrangeira a darem passos cautelosos uns para os outros - a procurarem um terreno comum para contornar as sanções e a celebrarem novos contratos. As empresas ocidentais procuram não perder o colossal mercado russo, e as empresas russas procuram continuar a fornecer bens, cuja substituição das importações ainda não é possível.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter