Author`s name Oleg Artyukov

Japão assustado com as perdas após a decisão de Putin sobre o projecto Sakhalin-2

Tóquio receia que a Rússia não se limite a uma decisão sobre o projecto Sakhalin-2. O Japão acredita que as mesmas medidas poderiam ser tomadas em relação a outros projectos energéticos envolvendo empresas do sol nascente.

"É possível que a Rússia tome medidas semelhantes em relação a outros projectos de petróleo e gás no país, tais como Sakhalin-1 e Arctic LNG-2, nos quais as empresas japonesas têm uma participação", o diário empresarial nikkei citou a TASS como dizendo.

Quanto ao projecto Sakhalin-2, existem dúvidas sobre as condições lucrativas que podem ser oferecidas à Mitsui e à Mitshibishi (têm uma participação de 12,5 e 10 por cento no projecto, respectivamente).

Tóquio receia que qualquer uma das empresas japonesas receba más condições e tenha dificuldade em obter lucros. Ou serão aprovadas novas leis que lhes dificultarão a manutenção dos seus investimentos.

Estas opções incluíam cortar as participações da Mitsui e da Mitsubishi, alterar a proporção da partilha de lucros e obrigações financeiras adicionais, incluindo impostos ambientais e outros impostos.

Anteriormente, o Japão disse que não tencionava retirar-se dos projectos Sakhalin-1 e Sakhalin-2 porque são lucrativos para as empresas japonesas. Entretanto, Tóquio aderiu anteriormente às sanções anti-russas que foram impostas por iniciativa dos EUA e da União Europeia.

O governo do Japão diz estar a estudar a situação após o decreto do presidente russo de 30 de Junho. E notam que ainda não compreendem as acções empreendidas pela liderança russa.

Por decreto de Putin, será criada na Rússia uma sociedade de responsabilidade limitada para substituir a Sakhalin Energy como operador do projecto Sakhalin-2.

A Gazprom Sakhalin Holding receberá no capital nominal da empresa criada uma participação proporcional ao número das suas acções no capital autorizado da Sakhalin Energy.

Entretanto, outros accionistas da Sakhalin Energy terão de submeter ao governo russo o seu consentimento para assumirem as suas participações na empresa que está a ser estabelecida, na proporção das participações no antigo operador. E o governo decidirá sobre a transferência ou recusa de o fazer.

A Gazprom possui 50 por cento mais uma quota da Sakhalin Energy. Outros 27,5% são propriedade da Shell, que anunciou anteriormente que se retiraria do projecto e procuraria um comprador para a sua parte. Os restantes 22,5 por cento são detidos por duas empresas japonesas.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter