Author`s name Lubov Lulko

BRICS considerados perigosos para o Ocidente

Os países BRICS estão a criar activamente uma ideologia global alternativa à ocidental: não há compromissos e qualquer cooperação é mutuamente benéfica.

O Ocidente verá a Cimeira BRICS como apoio à Rússia na OME na Ucrânia

A cimeira dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) intitulada "Uma Nova Era de Desenvolvimento Global", organizada online por Xi Jinping a 23 de Junho, será vista no Ocidente como um maior apoio e endosso das políticas de Vladimir Putin.

É isto que Swaran Singh, investigador no Instituto Canadiano de Assuntos Globais e professor na Universidade Jawaharlal Nehru, Índia, escreve no Global Times da China.

Isto, segundo o autor, deve-se ao facto de todos os membros dos BRICS "estarem a resistir à campanha liderada pelos EUA para condenar as acções da Rússia e impor sanções contra a Rússia.

A realidade é que a China se destaca como o maior importador de energia russa e a Índia destaca-se como o maior importador de equipamento de defesa russo, com estas importações a aumentar enquanto os EUA exigem sanções.

A posição comum dos BRICS sobre a Ucrânia contribuiu para isso: recusando-se a condenar a Rússia, apelando a ambas as partes para que parem imediatamente de lutar e iniciem conversações directas para resolver esta crise, especula o autor.

BRICS irá competir com o G7

Ele disse que o Ocidente também não gostaria que a expansão dos BRICS fosse discutida na cimeira, o que "criaria fendas no G20" e faria dos BRICS uma alternativa a este. Swaran Singh também acredita que "um BRICS alargado ultrapassará o G7 mais cedo do que o previsto".

BRICS aposta no "trabalho de base"

BRICS enfatiza o "trabalho de base", que cria um clima favorável em termos de criação de confiança, escreve ainda o autor. Note-se, por exemplo, que o grupo de conselheiros de segurança nacional BRICS está activo. Todos os anos as delegações dos cinco países trocam avaliações de ameaças à escala global, regional e nacional.

Existem também grupos activos na economia sobre o estabelecimento e desenvolvimento:

uma agência de notação de crédito independente,

um mecanismo de reservas de divisas,

O Novo Banco de Desenvolvimento, com nove membros, que já se comprometeu com mais de 15 mil milhões de dólares e concluiu e/ou aprovou o apoio a centenas de projectos.

Entre os problemas, Swaran Singh cita a Índia, que é membro tanto dos BRICS como do Quadrilátero pró-Ocidental.

Será a Índia o elo mais fraco?

Segundo a Bloomberg, espera-se que a Índia "resista à pressão de Xi Jinping" para criar uma alternativa à liderança global liderada pelos EUA.

Contudo, é preciso lembrar as palavras do Ministro dos Negócios Estrangeiros Subramanyam Jaishankar durante a conferência sobre segurança na Eslováquia, que "a Europa tem de deixar de pensar que os problemas da Europa são os problemas do mundo e os problemas do mundo não são os problemas da Europa. "

O ministro acrescentou que "os interesses comuns entre a China e a Índia superam de longe as diferenças" e apelou a ambas as partes "a trabalharem na mesma direcção para manter o aquecimento nas relações sino-indígenas e colocá-las novamente no caminho de um desenvolvimento estável e saudável".

Rússia e China como motoristas BRICS

A principal relação em perspectiva é a relação Rússia-China. A Rússia substituiu a Arábia Saudita como o maior fornecedor de petróleo bruto à China. No ano passado, o comércio entre a Rússia e a China aumentou em mais de um terço (33,8%) e estabeleceu um novo recorde, informou a Administração Geral das Alfândegas da China no início do ano. No final de 2021, o valor era de 146,88 mil milhões de dólares.

As sanções deliberadas estão a trazer desastres para o mundo, disse Xi Jinping ao BRICS Business Forum. Apelou a uma posição conjunta contra eles, bem como ao abandono do confronto em bloco. Vladimir Putin apelou a uma maior cooperação face às "acções egoístas do Ocidente".

A julgar pela retórica dos presidentes, ambos os países querem criar uma ideologia global alternativa à ocidental.

Embaixador argentino explica a nova ideologia global

O embaixador da Argentina na China, Sabino Vaca Narvaja, disse ao Global Times que a Argentina espera tornar-se membro do BRICS o mais rapidamente possível.

"Estamos interessados em aderir ao BRICS porque se trata de um mecanismo de cooperação composto inteiramente por economias emergentes. Não há quaisquer compromissos e qualquer cooperação é mutuamente benéfica", disse o embaixador.

Durante a pandemia da COVID-19, disse, foram os países BRICS que ajudaram muito a Argentina.

"Foi a China e a Rússia que vieram em nosso auxílio num momento difícil, quando a Argentina teve dificuldade em obter vacinas contra a COVID-19", disse o argentino.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter