Author`s name Olga Lazareva

Sinal para os investidores: Porque a declaração de Gorskaya magoa São Petersburgo

A administração de São Petersburgo negou à Megaline o direito de renovar Gorskaya apesar de uma carta de intenções assinada há um ano e de 200 milhões de rublos gastos pela empresa para desenvolver o conceito. De acordo com Roman Golovanov, chefe da Cominvest, os funcionários alegadamente tinham o direito de rescindir o acordo. Agora a antiga zona industrial será ocupada pelo chefe do "Yacht Club of St. Petersburg" Vladimir Lyubomirov, cujo nome está associado à comitiva do Governador Alexander Beglov. Dito isto, a recusa da Megaline em implementar a carta de intenções pode ser um sinal negativo para outros empresários, mostrando que qualquer acordo com funcionários de São Petersburgo é um "projecto" arriscado sem qualquer compromisso por parte de Smolny, no qual centenas de milhões poderiam ser perdidos.

As autoridades de São Petersburgo puseram termo a um acordo de intenções de 2021 com a Megaline. "A Megaline planeava construir um cluster informático, instituições educacionais e instalações de lazer no local da antiga zona industrial de Gorskaya, na costa do Golfo da Finlândia. O promotor desenvolveu o conceito à sua própria custa, gastando cerca de 200 milhões de rublos para o submeter aos comités relevantes de Smolny. Contudo, durante o último ano, as autoridades de São Petersburgo arrastaram intencionalmente a realização do conceito e, como resultado, o território foi entregue a um porto de iates, e no futuro, segundo os meios de comunicação social, será entregue a um empreendimento de luxo.

Na quinta-feira, 16 de Junho, à margem do Fórum Económico Internacional de São Petersburgo de 2022, o Governador Alexander Beglov assinou um novo acordo de intenções sobre o "Gosrka", desta vez - com o Yacht Club de São Petersburgo. A organização é liderada por Vladimir Lyubomirov, conhecido nos meios de comunicação social pela sua relação amigável com Pavel Belov, genro do governador de São Petersburgo Alexander Beglov. O investimento da nova empresa no projecto está estimado em RUB 10 mil milhões, enquanto a Megaline planeou investir mais de RUB 200 mil milhões.

Clamor público

Num cenário de clamor público, Roman Golovanov, chefe do Comité de Investimentos de São Petersburgo, decidiu comentar a situação desconfortável, dizendo que Smolny não tem obrigações para com a Megaline. O funcionário salientou que a empresa não assinou um acordo comercial com a cidade, mas um acordo de intenções, o que implica a possibilidade de rescisão. Golovanov também não ficou embaraçado com as perdas multimilionárias incorridas pela empresa no desenvolvimento do conceito.

"Ao assinar qualquer acordo, cada investidor compromete-se a preparar materiais. Este é um trabalho normal", disse o chefe do Comité de Investimento de São Petersburgo.

Por outras palavras, Smolny não está pronta a assumir compromissos ao assinar acordos com empresários, transferindo todos os riscos para os negócios. A posição das autoridades envia um sinal negativo aos investidores que ainda estão dispostos a investir dinheiro no desenvolvimento de São Petersburgo. Na situação actual com Megaline, os empresários vêem que os acordos assinados com a cidade não lhes dão quaisquer garantias e podem ser rejeitados a qualquer momento.

Gennady Korupyatnik, director geral da Megaline LLC, avalia a posição de Smolny perante os investidores como "destrutiva", o que se torna óbvio quando se compara São Petersburgo com outras regiões, tais como a Oblast de Leninegrado. Segundo ele, as autoridades da Região de Leninegrado mostram interesse em trabalhar com investidores; é mais fácil para as empresas interagir com a equipa do Governador Drozdenko.

Tomar iniciativa

"Se há um ano atrás tivemos de mostrar bastante iniciativa para concluir acordos com a cidade [de São Petersburgo], neste caso, a Região de Leninegrado tomou efectivamente a iniciativa de concluir o mais rapidamente possível, e demonstrou interesse e iniciativa durante toda a preparação e elaboração. [Estou] muito contente porque não vemos este tipo de atitude há um ano no quadro de São Petersburgo. Foi mais uma atitude destrutiva", disse Korupyatnik.

Segundo a Korupiatnik, os proprietários de outras empresas queixam-se também da "intransigência" das autoridades de São Petersburgo e das dificuldades na implementação de projectos. Como resultado, as organizações são forçadas a reduzir a sua iniciativa sem verem um retorno positivo.

"Sei que várias empresas que tinham acordos com a cidade em anos anteriores já se mudaram para outras cidades. Os caminhos-de-ferro russos puseram os travões na implementação de uma rota do condado através da cidade como exemplo do diâmetro de Moscovo. Tivemos uma reunião como parte da TPU, e eles queixaram-se de que era incrivelmente difícil concordar com a cidade, e abrandaram a sua actividade", disse o chefe da Megaline.

A incapacidade de Smolny de dialogar com os investidores já está a levar a uma saída de projectos de São Petersburgo. A experiência do SPIEF-2021 demonstrou que outras regiões interagem com os negócios com mais sucesso. Por exemplo, no ano passado, a região de Leninegrado conseguiu atrair mais de 1,3 triliões de rublos durante o fórum, enquanto São Petersburgo atraiu apenas 600 mil milhões de rublos. É óbvio que a falta de cumprimento dos acordos demonstrados no SPIEF-2022 terá um impacto negativo no número de investidores que estarão dispostos a investir no desenvolvimento de São Petersburgo.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter