Author`s name Anton Kulikov

"Zero tudo imediatamente!": Satanovsky sobre a resposta da Rússia às sanções

O cientista político Evgeny Satanovsky acredita que a Rússia deve proibir quaisquer fornecimentos aos EUA - independentemente das necessidades de Washington.

Na opinião do cientista político, a Rússia deveria "pagar a conta" aos Estados hostis que estão a tentar provocar um incumprimento e o colapso da economia russa.

 

Ele acredita que a resposta de Moscovo ao congelamento de parte das reservas do Banco Central e ao bloqueio de bens e contas dos russos é insuficiente. No entanto, o montante de tais fundos pode chegar a um trilião de dólares.

 

"Não está na hora de lançarmos as contas, eh? E porquê? Não será tempo de parar imediatamente qualquer exportação de qualquer produtor russo para países que nos proibiram de fornecer qualquer material estratégico? Independentemente de terem imposto sanções especificamente sobre o que precisam", disse Satanovsky.

 

Na sua opinião, a selectividade das sanções contra a Rússia é intrigante. Os EUA proibiram todos os bens e tecnologias importantes para a Rússia, mas recusaram-se a restringir as importações de urânio, titânio e outros produtos russos importantes para a economia dos EUA. De acordo com Satanovsky, Moscovo deveria deixar os países ocidentais sem todas as suas mercadorias sensíveis.

 

"Os americanos não impuseram sanções ao urânio - perderiam então 20% da sua capacidade nuclear, como vêem. Deixem-nos perder 100% da sua capacidade nuclear. É assim que as coisas são! Esse é o seu problema. "Não, não lhe tiraremos petróleo e gás, mas sim urânio". Porque deveríamos? "E vamos tomar titânio - a Boeing, como vêem, não tem mais nada de que se livrar. Néon, paládio". Rapazes, porquê? Zerar tudo imediatamente! Que sejam tão azedos quanto possam", insistiu Satanovsky na FM Vesti.

 

Recordar-se-á que nos últimos tempos, os Estados Unidos, a União Europeia e vários outros países impuseram vários pacotes de sanções anti-russas. Em particular, Washington declarou a sua recusa em importar recursos energéticos da Rússia - petróleo, gás e carvão.

 

A UE também declarou a sua disponibilidade para deixar de importar recursos energéticos da Rússia. Admitem, no entanto, que não será possível fazê-lo rapidamente porque os fornecimentos da Rússia desempenham um papel crítico para muitos Estados da União Europeia.

 

É de salientar que as autoridades dos países ocidentais estão a procurar activamente alternativas para o fornecimento de transportadores de energia russos. Por exemplo, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson viajou para a Arábia Saudita e para os Emirados Árabes Unidos com este objectivo.

 

O objectivo da visita era assegurar uma promessa de aumentar a produção de petróleo em meio ao actual aumento dos preços. Contudo, de acordo com relatos da imprensa, Boris Johnson não conseguiu atingir o seu objectivo. Embora seja óbvio que serão feitas tentativas semelhantes no futuro.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter