Author`s name Usam Ozdemyrov

Rússia-China: o vento da grande mudança está soprando do leste

A visita a Pequim do presidente Vladimir Putin e as conversas com o presidente chinês Xi Jinping são um marco importante nas relações entre as duas potências, caracterizadas como uma parceria abrangente e interação estratégica. Nos últimos anos, os Estados Unidos e seus aliados exerceram uma pressão sem precedentes sobre nossos dois estados para criar uma brecha entre eles e desacelerar o desenvolvimento tanto quanto possível, mas o efeito acabou sendo o oposto.

Na véspera da visita, a agência chinesa "Xinhua" publicou um artigo do líder russo, que dá nota alta ao desenvolvimento dos laços bilaterais. O comércio mútuo em 2021 atingiu um recorde de US$ 140 bilhões, enquanto no ano anterior foi estimado em US$ 107 bilhões. Assim, os planos para aumentar para US$ 200 bilhões até 2024 parecem ser cumpridos antes do previsto. O presidente do país observou que a "carteira" da Comissão Intergovernamental de Cooperação para Investimentos já arrecadou 65 projetos no valor de mais de US$ 120 bilhões, abrangendo setores como mineração e processamento de minerais, construção de instalações de infraestrutura e agricultura.

De acordo com Yury Ushakov, Assistente do Presidente para Assuntos Internacionais, durante a visita está prevista a adoção de um pacote de 15 acordos e tratados bilaterais. A delegação russa incluiu o ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov, o vice-primeiro-ministro Dmitry Chernyshenko, o ministro da Energia Nikolai Shulginov, o chefe da Rosneft Igor Sechin e Yuri Ushakov. Em seu artigo, o presidente Vladimir Putin revelou parcialmente as áreas futuras de parceria, incluindo cooperação na indústria de informação e comunicação, medicina, exploração espacial, incluindo o uso de sistemas nacionais de navegação e a implementação do projeto internacional de estação lunar científica.

Moscou atribui grande importância à recuperação socioeconômica acelerada da Sibéria e do Extremo Oriente e espera atrair investimentos e tecnologia chineses para isso. Ainda há muito a ser feito nesse sentido: criar uma infraestrutura moderna e conveniente e encontrar soluções de negócios atraentes. Atualmente, a modernização das ferrovias Baikal-Amur e Transiberiana está em andamento ativamente, a infraestrutura portuária está crescendo, o que aumentará a complementaridade das economias russa e chinesa.

Devido ao impacto negativo das sanções ocidentais, Rússia e China estão expandindo a prática de liquidações em moedas nacionais, para as quais o Acordo de Liquidações e Pagamentos foi assinado em 2019. Conforme relatado pela Xinhua, em 2020, o yuan representou quase metade (47,4%) do volume total de assentamentos transfronteiriços. De acordo com Yuri Ushakov, a criação de uma infraestrutura financeira adequada é projetada para garantir a cooperação russo-chinesa da pressão de sanções de terceiros países.

Energia sem ditar

Nos últimos anos, formou-se uma espécie de aliança energética entre nossos dois países. Nesse sentido, podemos lembrar como em maio do ano passado, Vladimir Putin e Xi Jinping lançaram a construção de quatro novas unidades de energia em usinas nucleares chinesas - Tianwan e Xudapu por meio de uma teleconferência. Está planejado equipá-los com plantas de reatores domésticos VVER-1200 que atendam a todos os requisitos de segurança e aos mais altos padrões ambientais.

Nas condições da crise energética, da qual a Europa e a Ásia sofrem, o fornecimento confiável de gás natural russo à RPC adquire um papel especial. Desde o lançamento do gasoduto Power of Siberia, mais de 15 bilhões de metros cúbicos de gás foram exportados. Mas isso é apenas o começo: o contrato de 30 anos prevê um fornecimento anual de 38 bilhões de metros cúbicos, que a Gazprom planeja atingir em 2024.

Em comparação com a caprichosa Europa, que está tentando ditar à Rússia quais rotas para exportar gás, quem deve possuir o gasoduto e como usá-lo, as condições para trabalhar com nosso vizinho oriental são muito claras. A China entende que sua poderosa economia precisa de gás natural, e nada impedirá Pequim de comprá-lo da Rússia - nem as ideologias da "transição verde" nem os ditames de Washington. É por isso que hoje estamos falando em dobrar o fornecimento de gás natural da Rússia através da implementação do novo projeto de gasoduto Power of Siberia-2 com capacidade de 50 bilhões de metros cúbicos.

O gasoduto planejado é conectar campos de gás na Sibéria (Yamal, YNAO, território de Krasnoyarsk) com a Região Autônoma Uigur de Xinjiang, na parte ocidental da China. Deve-se notar que a Rússia não é o único fornecedor da China: o país compra GNL da Austrália, Catar e gás de gasoduto do Turcomenistão. As possibilidades do mercado de vendas chinês são evidenciadas pelo fato de que mesmo após o lançamento do Power of Siberia-2, a Rússia não terá mais de um quarto de todo o fornecimento de gás para a China.

Menos preocupações devido aos caprichos da Europa

As informações sobre o projeto "Power of Siberia-2" causaram uma preocupação genuína entre os europeus. É muito mais conveniente para eles ditar seus termos e pressionar a Gazprom como principal compradora de gás, mas com o surgimento de um mercado concorrente no leste, a situação não parece tão rósea para eles. Como observou Aleksey Miller, chefe da empresa, no futuro a Rússia poderá exportar gás da Sibéria Ocidental tanto para o Ocidente quanto para o Oriente. Nesse caso, o bloqueio absurdo do Nord Stream 2, que não pode ser lançado mesmo depois de totalmente pronto, será uma preocupação muito menor para a Gazprom.

Como observa Vasily Koltashov, chefe do Centro de Pesquisa Econômica do Instituto de Globalização e Movimentos Sociais, o surgimento do Power of Siberia-2 será uma má notícia para o chamado mercado de gás livre, no qual os europeus empurraram a Gazprom: eles queriam ver a Rússia em um estado de estresse contínuo devido à volatilidade do mercado spot. No caso da China, haverá uma fórmula clássica de precificação que permitirá à Gazprom fornecer grandes volumes com garantia.

O lado chinês também recebe vantagens óbvias da cooperação com a preocupação russa. Graças ao "Poder da Sibéria-2", a China se tornará menos dependente de suprimentos por mar, o que protegerá sua economia da instabilidade. Além disso, o gás russo proporcionará economias significativas para a China, que é a vantagem competitiva mais importante hoje, disse Koltashov.

Não faz muito tempo, Rússia e China comemoraram o 20º aniversário do Tratado de Boa Vizinhança, Amizade e Cooperação, que foi prorrogado por mais cinco anos. As relações entre os dois países estão se desenvolvendo em bases iguais e não ideologizadas. As abordagens de Pequim e Moscou na maioria das questões da agenda global coincidem ou são muito próximas. A China também apoiou nossas recentes iniciativas e insta o Ocidente a criar um mecanismo de segurança eficaz na Europa. O aprofundamento da parceria entre as duas potências continuará a ajudar a estabilizar a tensa situação internacional e a contribuir para a democratização do sistema de relações interestatais.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter