Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Brasil: Recuo na produção industrial

Pesquisa Industrial Mensal Produção Física - d e novembro para dezembro, produção industrial recuou 12,4% - Na série sem ajuste sazonal, houve queda de 14,5% em relação a dezembro de 2007. A produção industrial acumulou 3,1% em 2008, ficando abaixo do crescimento acumulado em 2007 (6,0%).

Na série sem ajuste sazonal, houve queda de 14,5% em relação a dezembro de 2007. A produção industrial acumulou 3,1% em 2008, ficando abaixo do crescimento acumulado em 2007 (6,0%).

Em dezembro de 2008, a produção industrial recuou 12,4% frente a novembro, na série com ajuste sazonal. Foi o terceiro resultado negativo consecutivo nessa comparação, acumulando perda de 19,8% de setembro a dezembro. Em relação a dezembro de 2007, o decréscimo foi de 14,5% contra os –6,4% registrados em novembro. Com isso, o resultado para o fechamento do ano ficou em 3,1%, bem abaixo do resultado acumulado até setembro (6,4%). A produção no último trimestre de 2008 recuou 9,4% na comparação com o período imediatamente anterior e 6,2% em relação ao quarto trimestre de 2007.

A redução de 12,4% observada na passagem de novembro para dezembro de 2008 foi a mais acentuada da série histórica (iniciada em 1991), e levou o patamar de produção ao nível observado em março de 2004. O resultado refletiu o comportamento negativo dos 27 ramos pesquisados, à exceção de celulose e papel (0,4%) e outros equipamentos de transporte (6,7%). O desempenho da indústria de veículos automotores, com queda de 39,7%, foi o principal impacto negativo no índice global, seguido por máquinas e equipamentos (-19,2%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (-48,8%), metalurgia básica (-18,3%), borracha e plástico (-20,1%), indústria extrativa (-11,8%) e outros produtos químicos (-9,0%). Esse quadro de queda generalizada foi especialmente marcado pelo movimento de setores mais sensíveis à restrição de crédito e a queda das exportações de commodities.

Ainda em relação ao mês de novembro, a desaceleração da atividade industrial se acentuou em dezembro, como confirmam os índices por categorias de uso, com destaque para bens de consumo duráveis (-20,4% em novembro e –34,3% em dezembro) e bens de capital (-3,9% e –22,2%), cujas quedas foram recordes. Em bens intermediários (-4,0% e -12,1%), o resultado de dezembro foi o menor desde os –13,5% de maio de 1995 e o quinto recuo consecutivo, acumulando perda de 20,6% entre julho e dezembro; e em bens de consumo semi e não duráveis (-1,0% e –4,2%), a taxa de dezembro foi a menor desde os –4,6% de fevereiro de 2005.

Em relação a dezembro de 2007 , o setor industrial recuou 14,5%, menor marca de toda série histórica. Esse quadro evidencia o aprofundamento do ritmo de queda e um alargamento do conjunto de segmentos com taxas negativas, como mostra o índice de difusão: 70% dos 755 produtos investigados apresentaram recuo na produção, nível recorde na série histórica desse indicador, mesmo com a diferença de dois dias úteis a mais em dezembro de 2008 em relação a igual mês de 2007. Nessa comparação, 23 dos 27 ramos pesquisados apresentaram queda com o maior impacto na formação da taxa global vindo de veículos automotores (-49,5%), seguido por material eletrônico e equipamentos de comunicações (-60,3%), outros produtos químicos (-21,8%), metalurgia básica (-24,5%), indústrias extrativas (-21,3%) e borracha e plástico (-31,1%). Vale ressaltar a manutenção de férias coletivas em alguns destes segmentos, particularmente no automobilístico, setor de forte relação intra-industrial.

Ainda na comparação com dezembro de 2007 todas as categorias apresentaram taxas negativas. Bens de consumo duráveis (-42,2%), com queda recorde para o setor, registrou o recuo mais elevado entre as categorias, impactado pelos itens automóveis (-59,1%), celulares (-61,4%) e eletrodomésticos (-17,5%), que igualmente registraram reduções recordes. A produção de bens intermediários (-18,2%) também assinalou a menor marca histórica, apoiada na redução generalizada dos seus subsetores, com as principais pressões negativas vindas dos produtos associados às atividades de metalurgia básica (-24,5%), veículos automotores (-49,4%), indústrias extrativas (-21,4%), outros produtos químicos (-21,5%) e borracha e plástico (-31,9%). Esses números sugerem que os ajustes mais intensos se concentraram justamente em bens de consumo duráveis e intermediários.

A redução assinalada no segmento de bens de capital (-13,1%) foi influenciada, sobretudo, por máquinas e equipamentos para fins industriais (-31,5%) e para uso misto (-35,0%), este pressionado principalmente por itens das áreas de informática e de telefonia celular. O subsetor de bens de capital para transporte (23,3%) manteve sinal positivo, com a produção de aviões respondendo por quase a totalidade do crescimento, mas não impediu que o recuo observado na categoria interrompesse a sequência de vinte e nove meses de expansão. A produção de bens de consumo semi e não duráveis (-1,8%) foi negativa, ainda que tenha ficado bem acima do recuo observado na média da indústria. As principais pressões negativas vieram dos grupamentos de semiduráveis (-12,0%), com reduções em itens dos setores têxtil e calçados; e em outros não-duráveis (-3,4%), com quedas em livros e medicamentos. Por outro lado, o crescimento de 10,3% no subsetor de carburantes, influenciado pelo aumento na produção de álcool, contribuiu para atenuar a queda global do setor.

Os índices em bases trimestrais confirmam que o setor industrial sustentou ao longo de 2008 taxas positivas até o terceiro trimestre do ano, mesmo quando comparada a uma base com produção em trajetória de crescimento, apoiada na elevação da demanda interna, nas vendas externas de commodities e na expansão dos investimentos. Os três primeiros trimestres do ano mostraram estabilidade no ritmo de expansão: 6,4% no primeiro, 6,2% no segundo e 6,7% no terceiro. No último trimestre de 2008, a indústria interrompeu uma sequência de 20 trimestres em crescimento, recuando 6,2% frente a igual período de 2007, maior queda desde o primeiro trimestre de 1996 (-9,1%). Para o período outubro-dezembro, a produção de bens de consumo duráveis mostrou a maior perda (-19,5%), seguida pela de bens intermediários (-9,2%) e de bens de consumo semi e não duráveis (-1,2%), este com resultado negativo, mas ainda acima do índice nacional (-6,2%). Bens de capital (2,9%), embora com redução de ritmo, foi a única categoria que manteve sinal positivo nessa comparação.

Os indicadores semestrais mostraram que o índice de 3,1% para o ano de 2008 foi decorrente dos 6,3% de expansão registrados para o primeiro semestre, relativamente a igual período de 2007, uma vez que no segundo semestre o crescimento foi praticamente nulo (0,2%), influenciado pela desaceleração da atividade industrial que se deu de forma pronunciada no quarto trimestre do ano. No fechamento do ano (3,1%), dezessete setores registraram crescimento, com onze acima da média nacional. Entre esses, o destaque foi para veículos automotores (8,2%) seguido por máquinas e equipamentos (6,0%), outros equipamentos de transporte (42,2%), farmacêutica (12,7%) e minerais não-metálicos (8,3%). Os índices por categorias de uso confirmaram o maior dinamismo dos segmentos produtores de bens de capital (14,4%), vindo a seguir bens de consumo duráveis (3,8%), bens intermediários (1,6%) e bens de consumo semi e não duráveis (1,4%).

Em síntese, a mudança do quadro macroeconômico a partir de setembro teve efeito imediato sobre a atividade industrial. A análise sobre o comportamento do setor em 2008, a partir dos índices de média móvel trimestral, mostra duas fases bem distintas. Na primeira, que compreende o período de setembro de 2006 a setembro de 2008, há uma elevação generalizada do nível de produção, com o total do setor crescendo 13,6% e todas as categorias mostrando ganhos: bens de capital (43,4%), bens de consumo duráveis (20,9%), bens intermediários (9,1%) e bens de consumo semi e não duráveis (6,5%). Na fase seguinte, a partir de outubro de 2008, observa-se uma significativa queda na produção global, que recua 9,4% entre setembro e dezembro, movimento que é acompanhado por todas as categorias de uso: bens de consumo duráveis (-25,1%), bens intermediários (-10,6%), bens de capital (-8,4%) e bens de consumo semi e não duráveis (-3,3%). Os sinais de desaceleração ficam mais evidenciados com a observação dos indicadores trimestrais, ainda na série ajustada sazonalmente. O quarto trimestre de 2008 frente ao trimestre anterior, com recuo de 9,4%, interrompe sequência de doze trimestres consecutivos de crescimento, período que o setor industrial acumulou 16,5%, apontando para uma reversão em curto espaço de tempo. Entre as categorias também observa-se desaceleração: bens de consumo duráveis (-25,1%), bens intermediários (-10,6%), bens de capital (-8,4%) e bens de consumo semi e não duráveis (-3,3%).

Base: Dezembro de 2008– Brasil – Fonte IBGE

Ricardo Bergamini
ricoberga@terra.com.br
rbfln@terra.com.br
http://ricardobergamini.orgfree.com/
http://www.blogdabolha.com.br