Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Telefonia fixa liderou serviços de informação em 2006

Os serviços de telefonia fixo-fixo (setor de Telecomunicações) lideravam, em 2006, o ranking da geração de receita operacional líquida do segmento de serviços de informações, com 9,9%. No segmento de serviços de transportes, cresceram, entre 2005/2006, as participações de receita dos serviços de transporte rodoviário de cargas (de 35,2% para 37,0%) e dos serviços de transporte rodoviário de passageiros (de 26,3% para 27,3%). Setor de elaboração e acompanhamento de projetos industriais (mineração, extração de petróleo e gás natural) destacou-se nos serviços de engenharia.


O Suplemento de Produtos e Serviços da Pesquisa Anual de Serviços - PAS 2006, aplicado nas empresas com 20 ou mais pessoas ocupadas, investigou os produtos relacionados ao setor mais moderno da economia, ou seja, os serviços de informação, que abrangem as atividades relacionadas às novas tecnologias de comunicação e informação, os produtos das atividades tradicionais de transportes e parte dos serviços qualificados prestados às empresas, abrangendo serviços de engenharia e arquitetura.

As atividades que integram o segmento de serviços de informação (telecomunicações, atividades de informática e serviços audiovisuais) geraram em conjunto receita operacional líquida de R$ 137,3 bilhões, em 2006, contra R$ 129,2 bilhões, em 2005. Dentre os 20 produtos com maiores participações na receita, neste segmento, 11 pertenciam à área de telecomunicações.

Os serviços de telefonia fixo-fixo (chamadas locais, interurbanas, internacionais e geradas em telefones públicos) lideravam a participação da receita operacional líquida do segmento, com 9,9%, seguido por serviços complementares (8,0%), serviços de interconexão de telefonia móvel celular (7,7%) e serviços de telefonia celular pós-pago (chamadas locais, interurbanas e internacionais), com 7,5%, totalizando os quatro produtos mais da metade (51,0%) da receita dos produtos do segmento de serviços de informação. Os Serviços de telefonia fixa (Serviços fixo-fixo) mantiveram-se como principal produto do segmento de telecomunicações, em 2005 e 2006 e, com uma receita de R$ 13,7 bilhões, responderam por 15,5% do total, em 2006.

As atividades de informática, por sua vez, foram responsáveis por 22,0% do total da receita dos serviços de informação, em 2006, percentual superior ao de 2005 (20,1%). Neste grupo, observa-se que, em 2006, os serviços de desenvolvimento de softwares sob encomenda ou específico para o cliente foram os que mais contribuíram na geração da receita (17,7%), seguidos por serviços de consultoria em tecnologia da informação (13,3%), serviços de processamento de dados para terceiros (12,3%). Estes produtos figuraram no ranking entre as 20 maiores receitas dos serviços de informação, ocupando a sétima, décima e 12a posições, respectivamente.

Os Serviços audiovisuais responderam por 13,7% da receita dos serviços de informação, em 2006, aumentando ligeiramente sua participação em relação a 2005 (13,0%). Nesta atividade, os serviços de televisão aberta (produção, programação, veiculação de publicidade e merchandising) representaram 47,6% da receita, figurando na quinta posição dentre os serviços de informação, seguidos por serviços de pacotes básico e especial ofertados pelas operadoras de televisão por assinatura (20,5%) e serviços de rádio (programação e broadcast ing), com 6,4%.

Transporte rodoviário de cargas responderam por mais de um terço da receita do segmento de transportes

Os Serviços de transportes geraram R$ 97,5 bilhões de receita, em 2006, e R$ 90,6 bilhões, em 2005. Dentre estes serviços, um dos destaques foi a atividade de transporte rodoviário (transporte de cargas e o transporte de passageiros), responsável por 66,0% da receita do segmento de serviços de transportes, em 2006. Os serviços de transporte rodoviário de cargas representaram 37,0% da receita do setor de transportes, em 2006, percentual acima dos 35,2% observados, em 2005.

Destacou-se, neste grupo, com 40,4%, o transporte de carga geral solta não-unitizada (ensacados, envasados, embalados, ou produtos manufaturados, inclusive siderúrgicos, etc.), que ocupou o segundo lugar dentre as maiores receitas dos produtos do setor de transportes, com 15,1%. A receita gerada pelos serviços de transporte de cargas sólidas não-perigosas a granel (cereais, areia, brita, minérios, cimento, etc.) representou 22,3% do transporte rodoviário de cargas. Destacaram-se, ainda, os serviços de transporte de produtos perigosos, que incluem combustíveis e GLP (inclusive botijões) e outros produtos perigosos (fertilizantes, explosivos, asfalto, produtos radioativos, etc.), cuja participação foi de 11,5% no total da receita do transporte rodoviário de cargas.

O Transporte rodoviário de passageiros representou 27,3% da receita do setor de transportes, em 2006, participação esta que foi de 26,3%, em 2005. O principal produto foi o transporte municipal (urbano e suburbano) – inclusive regiões metropolitanas, que representou 17,7% deste segmento e 64,8% do transporte rodoviário de passageiros. Os Serviços de transporte rodoviário de passageiros municipal, intermunicipal e interestadual, em conjunto, representaram 24,8% da receita do setor de transportes.

Os serviços de transportes ferroviário e metroviário representaram 7,9% da receita do setor detransportes, em 2006, contra uma participação de 7,6% alcançada em 2005. Os serviços de transporte de cargas sólidas a granel responderam por 44,9% da receita gerada pela atividade de transportes ferroviário e metroviário, em 2006, (Gráfico 6) e ficaram na sexta posição na lista dos produtos e serviços prestados no conjunto da atividade de transporte, participando com 3,6% na receita. Os serviços de transportes ferroviário e metroviário de passageiros municipal foram responsáveis por 38,0% da receita de transporte ferroviário e metroviário, em 2006.

Já os serviços de transporte aquaviário representaram 8,9% da receita do setor de transportes, em 2006, contra 9,3%, em 2005. Os serviços de transporte de carga acondicionada em contêineres (dry cargo para carga geral seca, tank para granéis líquidos e frigorificados) representaram 35,3% do total da receita desta atividade, enquanto os serviços de transporte de cargas sólidas a granel e cargas líquidas a granel foram responsáveis por 11,8% e 13,6%, respectivamente.

Os serviços de transporte aquaviário de carga acondicionada em contêineres (dry cargo para carga geral seca, tank para granéis líquidos e frigorificados) destacaram-se no ranking dos produtos do setor de transportes, alcançando a sétima posição (3,1%), em 2006.

As empresas de transporte aéreo participaram com 17,2% da receita do setor de transportes, em 2006, contra 20,0%, em 2005. Os serviços de transporte aéreo de passageiros em linhas regulares domésticas nacionais representaram 47,2% da receita do segmento de transporte aéreo, e ocuparam a quarta posição do ranking, participando com 8,2% da receita do setor de transportes.

As empresas de transporte aéreo de outras cargas, que exclui cargas postais e malotes, foram responsáveis por 13,7% da receita dos serviços de transporte aéreo e ocuparam a 12a posição no ranking do setor de transportes, respondendo por 2,4% da receita do setor.

Setor de elaboração e acompanhamento de projetos industriais (mineração, extração de petróleo e gás natural) destacou-se nos serviços de engenharia

O setor de serviços de engenharia e arquitetura destaca-se pela importância da sua receita operacional líquida e pessoal ocupado, nos serviços técnico-profissionais do grupamento serviços prestados às empresas da PAS 2006. Esse segmento registrou R$ 7,7 bilhões de receita, em 2006, valor superior ao de 2005, que foi R$ 5,8 bilhões. Os serviços de engenharia representaram 74,6% do total da atividade empresarial de engenharia e arquitetura.

Destes serviços, destacam-se elaboração e acompanhamento de projetos industriais, inclusive projeto de mineração, extração de petróleo e gás natural; elaboração e acompanhamento de projetos de água, gás, energia elétrica, telecomunicações e gestão de resíduos, e serviços de engenharia relativos a obras de engenharia civil; elaboração e acompanhamento de projetos na área de transportes e serviços de consultoria em engenharia (inspeção técnica, auditoria, perícia, etc.), que representaram as quatro primeiras posições no ranking da atividade de engenharia e arquitetura. Os serviços auxiliares de engenharia, atividade complementar e de apoio aos serviços de engenharia, responderam por 20,0% da receita da atividade de Engenharia e arquitetura, indicando o potencial econômico dos produtos de engenharia que, somados, representaram 94,7% da receita do segmento. Os Serviços de arquitetura participaram com 2,4% do total da receita do setor de Engenharia e Arquitetura.

Pesquisa Anual de Serviços - Suplemento - Produtos e Serviços 2005-2006

Pesquisa anual de serviços 2005 - 2006

Ricardo Bergamini
ricoberga@terra.com.br
rbfln@terra.com.br
http://paginas.terra.com.br/noticias/ricardobergamini