Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Brasil: Relatório sobre sector da pecuária

Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, do Leite, do Couro e da Produção de Ovos de Galinha - Fonte IBGE

No 1º trimestre de 2008 foi registrado o abate de 7,155 mil cabeças de bovinos, indicando queda de 10,1% com relação ao mesmo período de 2007 e de 3,1% com relação ao 4º trimestre daquele ano, refletindo a baixa disponibilidade de boi gordo para os frigoríficos. Entre os meses do trimestre atual, o mês de março apresentou a maior queda no número de animais abatidos (-17,6%) em relação ao ano anterior. Esta queda no volume de animais abatidos interrompe uma tendência de crescimento do abate bovino no 1º trimestre observada desde o início da pesquisa em 1997. Desde o ano passado o volume de animais abatidos diminuiu a cada trimestre, acompanhando a escassez de oferta de boi gordo, cujos preços vêm subindo desde então1.

No 1º trimestre de 2008, em relação ao mesmo trimestre do ano passado, os estados de Mato Grosso, São Paulo e Mato Grosso do Sul, que juntos representaram 38,8% do total de animais abatidos, registraram também as maiores reduções no volume de abate, em valores absolutos, totalizando menos 567,5 mil animais abatidos. Nesse mesmo período, o Rio Grande do Sul apresentou a maior redução relativa (-22,7%). Ainda nessa comparação, a região Nordeste foi a única a registrar aumento no abate (5,3%), influenciado pelo resultado da Bahia (7,3%), maior produtor de carne bovina nordestina.

Em relação ao 4º trimestre de 2007, todas as categorias apresentaram quedas no número de animais abatido, à exceção de vacas, que aumentou 24,4%, e novilhas com 26,7%2.

Frangos

No 1º trimestre de 2008, o abate de 1,184 bilhões de unidades de frango representou aumento de 12,2%, com relação ao 1º trimestre de 2007, e um crescimento de 3,2% com relação ao 4º trimestre do ano passado. O aumento foi verificado principalmente nos meses de janeiro (14,9%) e fevereiro (19,8%). Em março o volume abatido cresceu 3,2%, em relação a março de 2007, reduzindo a taxa média do trimestre3.

Suínos

No 1º trimestre de 2008 foram abatidas 6,824 milhões de unidades de suínos, representando aumento de 2,7%, com relação ao mesmo período de 2007, e queda de 2,0% com relação ao 4º trimestre do ano passado. No mês de março foi registrado o menor desempenho do trimestre comparado ao mesmo período do ano passado.


Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, os estados da Bahia e São Paulo apresentaram quedas significativas no abate de suínos (-26,2% e –13,4%, respectivamente), enquanto Goiás e Minas Gerais registraram incrementos de 27,2% e 10,5%4.

Aquisição de Leite

No 1º trimestre de 2008 foram adquiridos 4,893 bilhões de litros de leite pelas indústrias sob inspeção sanitária federal, estadual ou municipal. Tal volume indica um aumento de captação de 9,2%, com relação ao 1º trimestre de 2007, e queda de 1,1% com relação ao 4º trimestre do ano passado O volume de leite industrializado foi de 4,880 bilhões de litros, que representa um aumento de 9,3%, em relação ao 1º trimestre de 2007, e queda de 0,9% frente ao 4º trimestre de 2007.

Os preços reais ao produtor estiveram favoráveis durante o ano de 2007 frente a 2006, estimulando a produção de leite, segundo pesquisa feita pelo Cepea5.

Aquisição de Couro

No 1º trimestre de 2008 foram adquiridas/recebidas de terceiros pelos curtumes 9,694 milhões de peças inteiras de couro bovino cru, e foram registradas quedas de 10,6% e 0,3%, respectivamente, ao 1º e ao 4º trimestres ambos do ano de 2007. Esta quantidade de couro é 35% superior ao de bovinos abatidos no período, sendo a diferença causada pelos abates não contabilizados pela pesquisa cujas peças de couro são enviadas aos curtumes para serviços de curtimento a terceiros. De fato, as 2,249 milhões de peças recebidas de terceiros para curtimento representaram 23% total de couro adquirido/recebido, e quando consideramos apenas a quantidade de peças adquiridas diretamente pelos curtumes (7,446 milhões), os valores são muito próximos do abate bovino (7,155 milhões, uma diferença de 4% a mais).

Quanto ao couro efetivamente curtido houve registro de 9,770 milhões de unidades, indicando queda de 10,4%, com relação ao mesmo período de 2007, e aumento de 0,8% com relação ao 4º trimestre do ano passado. Esta quantidade de couro curtido, superior à adquirida e recebida, é resultante do uso de estoques anteriores.

Produção de Ovos de Galinha

No 1º trimestre de 2008 foram produzidas 570,5 mil dúzias de ovos de galinha pelas unidades produtoras com efetivos acima de 10.000 galinhas poedeiras, seja de ovos para incubação e produção de matrizes ou ovos para consumo.

Ao comparar o volume de produção no 1º trimestre de 2008 com o obtido no mesmo período de 2007 verificou-se aumento de produção de 8,2%. Já com relação ao 4º trimestre de 2007, houve aumento de 2,6% da produção. Estes aumentos estão relacionados em parte com o aumento da produção de frangos de corte, cujo abate tem crescido continuamente nos últimos trimestres.

Notas:

1 A falta de animais para abate manteve os preços elevados durante todo o trimestre, chegando o indicador ESALQ/BM&F a R$ 76,19 em março, segundo o Cepea (http://cepea.esalq.usp.br/).

2 No mercado de comercialização externa de carne bovina observou-se redução do volume exportado de 27,6% no 1º trimestre de 2008, em relação ao mesmo período de 2007. Por sua vez, o faturamento aumentou 5,2%, que compensa a queda no volume comercializado. O preço médio da tonelada de carne bovina foi de US$3.528 no período contra US$2.426 em 2007(Secex).

3 No mercado externo houve aumento de 12,6% na comercialização externa de frangos no 1º trimestre de 2008, em relação ao mesmo período de 2007. Nessa mesma comparação, o faturamento cresceu 47,1%. O preço médio da tonelada de frango no 1º trimestre de 2008 foi de US$1.233 contra US$1.192 no mesmo período de 2007 (Secex).

4No mercado externo houve a redução do volume de comercialização de suínos no 1º trimestre de 2008 em relação ao mesmo período de 2007 (-6,9%). O faturamento, por sua vez, teve aumento de 16,4%, refletindo a elevação no preço médio da tonelada do produto, que passou de US$1.940 para US$2.466 nos períodos em comparação (Secex).

5 No mercado externo houve aumento do volume de leite in natura comercializado de 10,8% no 1º trimestre de 2008 comparativamente ao mesmo período do ano anterior. Quanto ao faturamento, o aumento foi de 49,6%. Com isto, o preço médio da tonelada de leite foi no trimestre de US$1.733 contra US$1.283 no ano anterior, aumento de 35,1%. Quanto ao leite em pó, que representa um volume maior de negociação se comparado ao leite in natura , houve o aumento de 25,6% em volume e de 140,3% em faturamento (Secex). O leite em pó é o principal produto da balança de produtos lácteos brasileira, seguido pelo leite condensado.

Prof. Dr. Ricardo Bergamini
ricoberga@terra.com.br