Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Gonzaga ganha edição da Academia Brasileira de Letras

26.04.2013
 
Gonzaga ganha edição da Academia Brasileira de Letras. 18136.jpeg

A Academia Brasileira de Letras (ABL), com o apoio da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, acaba de lançar o livro Tomás Antônio Gonzaga, que reúne uma antologia com excertos dos melhores poemas do poeta e um estudo biográfico-crítico preparado por Adelto Gonçalves, doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), sua tese de doutorado.

            Tomás Antônio Gonzaga, patrono da cadeira 37 da ABL, é o volume nº 56 da Série Essencial, que se propõe a oferecer informações básicas sobre cada um dos ocupantes das 40 cadeiras da Academia ao longo da História, bem como sobre os patronos da instituição. Acompanhados de sucinta antologia, os volumes, sob responsabilidade de acadêmicos ou de especialistas, pretendem atingir um público amplo e diversificado e despertar no leitor o interesse de se aprofundar no conhecimento da obra de todos aqueles que tiveram seus nomes para sempre vinculados à ABL.      

            Nascido no Porto, Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810), autor de Marília de Dirceu, a coleção de poemas líricos mais popular da literatura de Língua Portuguesa, formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra e exerceu, entre outras funções na magistratura, o cargo de ouvidor-geral da comarca de Vila Rica, Minas Gerais, de 1782 a 1788. Em 1789, já fora do cargo, foi alcançado pela devassa aberta para apurar denúncia de conspiração para a derrubada do governo do capitão-general visconde de Barbacena, a chamada Inconfidência Mineira.

            Detido, Gonzaga foi encaminhado para a fortaleza da Ilha das Cobras, no Rio de Janeiro. Da prisão, pediu a um amigo que levasse para Lisboa os originais da Marília de Dirceu, que saiu à luz em 1792 pela Tipografia Nunesiana. Naquele ano, seria condenado a degredo na Ilha de Moçambique, na costa oriental da África, onde exerceria funções na magistratura, como a de promotor de defuntos e ausentes. Quando morreu aos 65 anos, era juiz da alfândega. Na Ilha de Moçambique, casou-se com Juliana de Sousa Mascarenhas, filha de Alexandre Roberto Mascarenhas, escrivão da ouvidoria-geral desde 1775 e tabelião público. Na África, Gonzaga comporia alguns versos e "A Conceição", poema épico inspirado no naufrágio do navio Marialva em 1802, cujos originais (em parte) estão hoje na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

                                                           O autor

            Adelto Gonçalves (1951), jornalista, autor do estudo biográfico-crítico, é também mestre na área de Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana pela USP. É professor titular da Universidade Santa Cecília (Unisanta), no curso de Jornalismo, e da Universidade Paulista (Unip), no curso de Direito, ambas em Santos-SP.  É também professor de Literaturas Portuguesa, Brasileira e Africanas de Expressão Portuguesa.

            Sua estreia na literatura deu-se em 1977 com o livro de contos Mariela Morta. Em 1980, foi um dos ganhadores do Prêmio Nacional de Romance José Lins do Rego, da Livraria José Olympio Editora, do Rio de Janeiro, com o livro Os Vira-Latas da Madrugada, publicado em 1981. Em 1986, obteve o Prêmio Fernando Pessoa da Fundação Cultural Brasil-Portugal, do Rio de Janeiro, participando do livro Ensaios sobre Fernando Pessoa com o trabalho "O ideal político de Fernando Pessoa".

            Conquistou os prêmios Assis Chateaubriand de 1987 e Aníbal Freire de 1994, ambos da ABL. Em 2000, com Gonzaga, um Poeta do Iluminismo, ganhou o Prêmio Ivan Lins de Ensaios da União Brasileira de Escritores e da Academia Carioca de Letras. Em 1997, publicou o livro de ensaios e artigos Fernando Pessoa: a Voz de Deus (Santos, Universidade Santa Cecília).

            Em 1999, publicou o seu primeiro livro em Portugal: o romance Barcelona Brasileira (Lisboa, Editora Nova Arrancada), que saiu no Brasil em 2002 pela Publisher Brasil, de São Paulo. Barcelona Brasileira e Os Vira-Latas da Madrugada fazem parte do "ciclo de romances de identidade portuária" e são estudados em vários dos ensaios reunidos em Esquinas do Mundo: ensaios sobre História e Literatura a partir do Porto de Santos (São Paulo, Dobra Editorial, 2013), do historiador Alessandro Atanes, mestre em História Social pela USP.

            Em 2003, Gonçalves publicou pela Editorial Caminho, de Lisboa, Bocage - o Perfil Perdido, seu primeiro trabalho de pós-doutorado, para o qual obteve bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Fapesp). Escreveu em 2010-2011 Direito e Justiça em Terras d´El Rei: ouvidores, juízes de fora, juízes ordinários e vereadores em São Paulo colonial (1709-1822), com bolsa da Unip, seu segundo trabalho de pós-doutorado, ainda inédito.

            Jornalista desde 1972, trabalhou em O Estado de S. Paulo, Empresa Folha da Manhã, Editora Abril e A Tribuna, de Santos, tendo sido correspondente da revista Época em Lisboa em 1999-2000. É colaborador desde 1994 da revista Vértice, de Lisboa. Escreve regularmente para o quinzenário As Artes Entre as Letras, do Porto, e Jornal Opção, de Goiânia. É sócio-correspondente da Academia Brasileira de Filologia (Abrafil) e assessor cultural e de imprensa do Centro Lusófono Camões da Universidade Estatal Pedagógica Hertzen, de São Petersburgo, Rússia.

            Escreveu prefácios para dois livros de contos de Machado de Assis publicados em 2006 e 2007 pelo Centro Lusófono Camões da Universidade Hertzen em edição bilingue russo-portuguesa, com o apoio do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Participou do livro Studi su Fernando Pessoa, publicado em 2010 por Edizioni dell´Urogallo, de Perugia, Itália, com o ensaio "Ambiguità e ossimoro: simboli dell´universo e del mistero in Fernando Pessoa" ("Ambiguidade e oximoro: símbolo do universo e do mistério em Fernando Pessoa"). Participou com o ensaio "O feminismo negro de Paulina Chiziane" do livro Passagens para o Índico: encontros brasileiros com a literatura moçambicana, de Rita Chaves e Tania Macêdo, organizadoras (Maputo, Marimbique, 2012).

            Também colabora com as revistas Colóquio/Letras, de Lisboa, Forma Breve, da Universidade de Aveiro, Revista Brasileira, da ABL, Revista do Centro de Estudos Portugueses (Cesp), da Universidade Federal de Minas Gerais, Cultura - Revista de História e Teoria das Ideias, do Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa, e Revista Estudos Avançados, do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da Universidade de São Paulo (USP), entre outras, além de escrever para sites e revistas eletrônicas do Brasil, Portugal e Moçambique.

______________________

Tomás Antônio Gonzaga, de Adelto Gonçalves. Rio de Janeiro/São Paulo: Academia Brasileira de Letras/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 68 págs., 2012, R$ 10,00. E-mail: livros@imprensaoficial.com.br

 


Loading. Please wait...

Fotos popular