Pravda.ru

Sociedade » Cultura

O 11 do 11

12.11.2013
 
O 11 do 11. 19181.jpeg

Castanhas, batatas, nabos, água-pé, Pannonia, um trubuno romano, São Martinho de Tours, Americanos indígenas, Magnus Ustus (magusto), partilha, uma capa rasgada, um pedinte com cara de Jesus... qual será o elo comum neste Dia de São Martinho, primeiro Festival de Luz da época pós-agrícola do ano?

 

Os portugueses comemoram o dia 11 de Novembro como o Dia de São Martinho ... mas ele nunca pôs os pés em Portugal. Outras culturas celebram outras figuras populares em torno da mesma data. De fato, nos EUA é comemorado como Dia dos Veteranos; na Europa, Dia do Armistício. Existe um significado mais amplo? Qual é a ligação entre Portugal, Tours, os nativos americanos, o verão e castanhas?


Como Dia dos Veteranos, cuja origem estava em Dia do Armistício, a origem está em fatos históricos, no final da Primeira Guerra Mundial. Aos finais de 1918, com um inverno frio se aproximando, as forças revolucionárias que haviam tomado o poder em Berlim no final de Outubro, cientes de que as forças armadas alemãs na frente ocidental estavam esgotadas, apelaram por paz e a décima-primeira hora do décimo-primeiro dia do décimo-primeiro mês não foi apenas um dia graficamente significativo para acabar com a guerra, mas foi talvez a primeira oportunidade para obter o Tratado de Paz de Compiègne elaborado para assinatura.

 
Isso parece não ter nada a ver com as restantes festividades celebradas nesta época do ano em diferentes países e diversas culturas.


São Martinho tem um significado especial em Portugal, porque no dia 11 de novembro, o seu dia santo, ele é comemorado com uma festa em que o vinho e as castanhas são compartilhados, chamada magusto. Versões erradas sobre a origem do homem e as festas abundam e quando examinamos mais, vemos que a origem do Festival de São Martinho não é português, nem está confinado a 11 de Novembro, nem é São Martinho de Tours, França, nem o magusto é uma refeição festiva, mas sim, um fogo ... um exemplo interessante de como a antiga tradição pode tornar-se em folclore consuetudinário, ganhando um significado completamente novo. Por onde começar?


O Dia das Bruxas (ou a Noite de Todos os Santos, em inglês, Hallowe'en - Halo Evening - sendo estes últimos, os "halos", o círculo ao redor da cabeça de um santo que simboliza a santidade dele ou dela) é de facto um festival pagão, simbolizando o fim do ano agrícola, o dia da morte. O nome celta para isso era Samhain (também Sauin, Oiche Shamhna, Samain) e era um festival da colheita; a noite (31 de Outubro), até qual as tarefas agrícolas tiveram que ser terminadas, marcou a divisão entre o meio-ano da luz e o meio-ano de escuridão. Também se correspondia ao tempo em que os animais e as plantas começaram a morrer e por isso foi saudado como o festival dos mortos.

 


Na época, o branco era a cor da morte, principalmente em sociedades matriarcas em que a Lua era reverenciada como a divindade principal (sendo feminina, uma Deusa – Lat. Luna), enquanto a coruja, uma figura noturna, foi utilizada como uma efígie religiosa colocada nos mortos. Enquanto o Sol suplantava a Lua como principal divindade (Lat. Sol, Solis, masculino) nas sociedades patriarcais, a cor da morte mudou para preto e diferentes formas da cruz, foram utilizadas para enterrar ao lado do cadáver).


Na Europa, os nabos foram escavados e iluminados por dentro com óleo para fazer caretas para afastar os maus espíritos e os primeiros festivais de luz foi realizados, que permearam por todas as culturas europeias, mais ou menos ao mesmo tempo em intervalos regulares durante o meses de inverno, até o início do novo ano na Páscoa (celebrando o festival da deusa da fertilidade Eastre ou Oestre, (Easter em inglês) que foi representada com o símbolo do coelho - fertilidade e ovos - eternidade) e marcado um mês de antecedência pelas Festas de Carnaval, as festividades carnais da vida após a morte (ressurreição, renascimento do ano agrícola).


Faz sentido, portanto, que o Haf Bach Mihangel no País de Gales em 29 de Setembro, a Missa Britt na Suécia, em 7 de Outubro, o Altweibersommer na Alemanha / Áustria, em Outubro, as bruxas Norn dos nórdicos ou vikings, o Nyara Vénasszonyok da Hungria, Dia Trezekeszomer em 15 de Outubro, na Flandres, Guy Fawkes no Reino Unido (5 de Novembro) e, finalmente, São Martinho (e versões) em Portugal, França, Itália e partes da Espanha (Novembro de 11) ... faziam parte destes festivais da luz.


São Martinho de Tours
São Martinho de Tours na verdade nasceu na Sabaria, Panónia (atual Hungria), em 316 dC, filho de um Tribuno e comandante do exército romano, no qual Martinius foi forçado a entrar a 15 anos de idade, sendo enviado para a Gália (França). Devemos lembrar que seu pai estava preocupado com os estudos cristãos de Martinius e sua adesão ao cristianismo e viu no exército uma maneira de Romanizar seu filho. Sua interferência teve o efeito oposto.

No caminho para Gália, possivelmente na travessia dos Alpes, Martinius, sentado em um cavalo, viu um mendigo à beira da estrada. Parando, Martinius cortou a sua capa ao meio com sua espada, dando metade ao mendigo. Naquela noite, Jesus Cristo apareceu para Martinius num sonho, usando a metade da capa, agradecendo-lhe por isso. Não se sabe se de fato os dias frios de Outono se transformaram em um sol brilhante, nesta época do ano (quando há habitualmente alguns dias de sol, em meados de Novembro) mas é reverenciado em Portugal e noutros países como Verão de São Martinho. Talvez o simbolismo vem do calor dado ao mendigo pela partilha da capa (veja abaixo, Indian Summer).


Martinius deixou o exército no dia seguinte e se tornou discípulo de Santo Hilário, Bispo de Poitiers, que mais tarde doou um terreno para ele e Martinius, agora ordenado diácono, fundou lá o primeiro mosteiro da Europa. Liderando a conversão de muitos pagãos ao cristianismo, Martinius viajou para a França, juntamente com seus monges, fundando igrejas, pregando e praticando a caridade, usando seus poderes místicos para ajudar os pobres e curar os enfermos. Quando em Tours, o povo se levantou e o aclamou Bispo, uma posição que ele foi forçado a aceitar contra sua vontade. Lá, ele fundou o mosteiro de Marmoutier e sua influência até então tinha se espalhado por grandes áreas da França. Ele faleceu em 08 de Novembro, 397 em Candes sur Loire, agora Candes-Saint-Martin, aos 81 anos de idade e foi sepultado três dias depois - 11 de Novembro, em Tours, depois que seu corpo foi arrancado e levado de barco até onde é sepultado hoje. Diz-se que as margens do rio floresceram quando o seu corpo passou.


Devido a seus atos, ele foi mais tarde beatificado e canonizado como o primeiro santo não mártir.


São Martinho
Não constitui nenhuma surpresa, então, que a partilha da capa é simbolizada hoje no Festival de São Martinho de Tours, ou de São Martinho, em Portugal (e em partes da Espanha, França e Itália), através da partilha de castanhas com o vinho novo, água pé (uma bebida feita a partir do pé do tanque, uma mistura entre o bagaço da uva fermentado e água) e jeropiga (ou geropiga, origem: possivelmente "zarrapa" ou "mau vinho", ou "Xarope", xarope açucarado ) feita pela mistura de 75% do vinho novo com espírito de vinho (água ardente) e 25% de açúcar. Castanhas (Castania sativa), abundante em Portugal e partes do sul da Europa, foram uma parte muito importante da dieta durante o inverno, secas ou moídas e usadas como batatas (que as substituiu), proporcionando uma importante fonte de energia.

 


Assim, a festa de São Martinho é uma outra festa que utiliza valores simbólicos para ensinar as pessoas, neste caso, unindo as comunidades na época mais escura do ano, compartilhando a comida que tinham na altura, criando eventos em que as comunidades se puderam auto-regular, atender aos famintos e tratar os doentes. E deve ser salientado que a data tem um contexto mais amplo e vasto em toda a Europa.


O Verão de São Martinho
Um período de calor, após as primeiras geadas é um fenômeno meteorológico que ocorre em todo o hemisfério norte e, portanto, há referências a este período, em muitas culturas. Em Portugal, é referido como Verão de São Martinho, provenientes de L'Été de la Saint-Martin (França) onde Saint Martin ainda é imensamente popular; na Itália, Estate di San Martino; em Espanha, Veranillo de San Martín ou Veraniño de San Martino, de Galicia ou Estiuet de Sant Martí, na Catalunha. Em todos estes casos, as festividades são acompanhadas por uma fogueira gigante (para aquecer a comunidade e afastar os maus espíritos), chamado em latim Magnus Ustus (Magusto em Português e magosto em Espanha).

Em inglês americano, esse período é conhecido como o verão indiano, que provém, evidentemente, dos nativos americanos nos EUA, sendo possivelmente o período em que os índios colheram suas principais culturas (sendo um precursor do Dia de Ação de Graças na última quinta-feira de Novembro), ou sendo possivelmente o momento em que cessaram as hostilidades entre os colonos europeus e as populações indígenas, cujas terras estavam sendo roubadas. Em inglês britânico, o termo Indian Summer substituíu Saint Martin's Summer no início do século 20.


Na Rússia e culturas eslavas, o período é conhecido como Babye Leto, Rússia (Verão da Velha Senhora); Babie Lato (Polónia); Babyno Lito (Ucrânia); Babi Leto (República Checa); Babie Leto (Eslováquia); Bablje Ljeto ( Croácia), enquanto que na Bulgária é Tsigansko Lyato (Verão Cigano).


Outras culturas atribuíram dias específicos para o fenômeno, coincidindo com as festividades com base em santos locais, em datas espalhadas entre Outubro-Novembro, um fato que nos traz de volta para a premissa de que todas estas datas festivas tinham o mesmo objetivo: de constituírem marcas ao longo do ano, utilizando a simbologia simples para ajudar as comunidades a serem auto-reguladoras.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular