Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Património da Humanidade, ou Pilhagem, Roubo e Saque?

08.02.2010
 
Património da Humanidade, ou Pilhagem, Roubo e Saque?

Os Museus Ocidentais estão repletas de património cultural ... que provém de outros países. Os mármores de Elgin são apenas um conjunto de dezenas de milhares de artefactos saqueados de terras distantes durante tempos coloniais ou imperialistas. No entanto, a profanação do património cultural continua. Quantos dos 13.000 objectos roubados do Museu Nacional de Bagdá estão hoje nos Estados Unidos da América?


A lista foi elaborada e entregue ao vice-presidente Richard (Dick) Cheney, antes que o primeiro soldado norte-americano ou britânico tivesse colocado o pé no Iraque. Era uma lista de compras de tesoros arqueológicos que os companheiros da Casa Branca queria ver nas suas prateleiras, em Rhode Island, em Maryland, na Virgínia. UNESCO afirma que, quando o Museu Nacional de Bagdá foi saqueado em abril de 2003, 13.000 objetos desapareceram. Quantos destes estão em casas particulares nos E.U.A.?


Muito foi escrito sobre o roubo da pintura Scream, de Munch, em Oslo, 1994. Mas qual é a diferença entre o roubo de uma pintura de um museu e pilhagem e profanação do património cultural perpetrado por invasores ao longo dos séculos? Enquanto o interesse público no Egito Antigo foi reavivado durante a expedição de Napoleão Bonaparte ao Egito (1798-1801), o Departamento de Antiguidades Egípcias no Museu do Louvre foi criado e "eruditos" foram para o Egito para encher os bolsos da mesma maneira em que as tropas dos E.U.A. encheram as suas malas no Iraque e no Afeganistão - em Cabul, onde o Museu Nacional, que já teve uma das mais ricas coleções do mundo, perdeu 90% de seus artefatos. Onde estão eles?


Mas nem só os franceses e os americanos são culpados do que equivale a pilhagem do património cultural; os britânicos nem pensaram duas vezes antes de encher seus museus com "despojos de guerra" dos franceses, que incluía a Pedra de Roseta, hoje no British Museum ao lado de antiguidades da Babilônia, Grécia, Roma, Assíria, Pérsia, Egito. Como foram colhidas essas coleções de preciosas antiguidades?


Tomemos como uma possível resposta o caso dos mármores de Elgin, feitos para decorar o Parthenon após a vitória contra os persas em Platéia em 479 aC. Durante a sua conturbada história do Partenon foi transformado em uma igreja cristã, uma Igreja Católica (pelos francos), depois uma Mesquita (pelos turcos) e foi explodido pelo comandante veneziano Morosini. O embaixador britânico em Atenas entre 1799 e 1803, Lord Elgin, obteve permissão das autoridades de ocupação otomana para remover pedaços e peças da Acrópole, que ele enviou de volta para Grã-Bretanha. Entre estes estavam os "Mármores de Elgin".


O Parlamento britânico, em seguida, como se tivesse o direito, debateu o destino das placas de mármore, exonerando Lord Elgin do seu ato de vandalismo e saque e o Governo britânico comprou-os para o Museu Britânico, onde permaneceram desde 1816.


Essa profanação patrocinada pelo Estado continuou ao longo dos séculos e em todo o mundo. Inúmeros tesouros da América Latina, da África, da Europa, da Ásia têm sido roubados e levados para terras estrangeiras como parte de coleções particulares ou pior, em acções de saque patrocinadas pelos museus de Estado. Os tempos de "Este é nosso e aquilo aí é seu", enquanto linhas eram traçadas em mapas, aparentemente, continua (cf. Kosovo).


O patrimônio cultural pertence a ninguém enquanto ele pertence também a todos. Se, no passado, Paris ou Londres tinham as melhores condições para servir de anfitrião para as suas coleções saqueadas, hoje, a globalização do conhecimento providencia a possibilidade de construir excelentes condições técnicas para abrigar as coleções nos seus lugares de origem onde pertencem, enquanto fiéis réplicas podem ser mostradas em outros lugares.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular