Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Eleições antecipadas no Egito "podem aliviar pressão estrangeira"

02.02.2014
 
Eleições antecipadas no Egito

Eleições antecipadas no Egito "podem aliviar pressão estrangeira"
27/1/2014, Mahmoud Fouly, Xinhuanet, China
http://news.xinhuanet.com/english/world/2014-01/27/c_126066001.htm

"Karl Marx explica, no seu celebrado O 18 brumário de Luis Bonaparte[1], que as experiências de 1848-51 comprovaram-se muito valiosas para a bem-sucedida revolução de trabalhadores de 1871. E o Egito? Terá interlúdio de 20 anos, antes que volte a revolução real?

Ou pode acontecer muito antes? Perguntem à Esfinge (...). Quando se trata de anatomia de revoluções, ninguém provavelmente sabe mais que Moscou e Pequim. E ambas estão apoiando robustamente a antecipação de eleições presidenciais no Egito (o que implica que estão, hoje, com o general Sisi e o que ele representa)."


(MK Bhadrakumar, "Arab Spring speaks through graffiti", 29/1/2014, Indian Punchline
http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2014/01/29/arab-spring-speaks-through-graffiti/)


CAIRO, 26/1/2014 (Xinhua) - A decisão do presidente interino do Egito Adly Mansour, anunciada domingo, de realizar eleições presidenciais antes das eleições parlamentares, "pode aliviar pressões estrangeiras" contra o Egito relacionadas ao mapa do caminho do atual governo apoiado pelos militares, dizem alguns especialistas em segurança.

"Nações estrangeiras estão encarando o Egito como estado 'acéfalo', porque tem presidente provisório e governo de transição; nesse contexto, a decisão sobre antecipar eleições dará ao Egito mais peso e mais credibilidade nas relações com a comunidade internacional", disse Gamal Salama, diretor do Departamento de Ciência Política na Universidade de Suez.

Salama observou que a decisão aliviará pressões de estrangeiros sobre o Egito, na implementação de seu mapa do caminho para o futuro, depois da derrubada do presidente islamista Mohamed Morsi, por golpe militar, em julho de 2013.

O presidente interino assinou também no domingo um decreto presidencial, baseado na Constituição recentemente aprovada, no qual ordena que a comissão eleitoral comece, no prazo de 90 dias, os procedimentos para a eleição.

"Eleições presidenciais antes das eleições parlamentares podem acelerar o processo de cristalizar uma personalidade egípcia, no relacionamento com outros países" - disse Salama em entrevista à rede Xinhua.

A decisão também teve efeito interno positivo, segundo o especialista; para ele, "a mentalidade egípcia tende a acreditar no poder do presidente, mais que em qualquer outra autoridade."

A decisão de antecipar as eleições presidenciais e o decreto foram noticiados um dia depois que egípcios pró-militares organizaram manifestações de massa para comemorar o 3º aniversário do levante popular que derrubou o governo do ex-presidente Hosni Mubarak.

Durante as celebrações do sábado, houve confrontos em todo o país, entre manifestantes antigoverno, tanto islamistas como secularistas, e forças de segurança, que dispersaram várias passeatas e tentativas de organizar bloqueios à passagem de pessoas e veículos [orig. sit-ins], deixando 49 mortos e cerca de 250 feridos. No sábado, a polícia também prendeu mais de 1.000 suspeitos de apoiar Morsi e manifestantes de grupos de esquerda acusados de incitar tumultos e violência.

Na 6ª-feira e no domingo, houve atentados terroristas contra prédios e pessoal da polícia, inclusive várias explosões, na capital, Cairo, em Suez e no Sinai, que mataram pelo menos 20 pessoas e feriram cerca de 120.

Yousri al-Azabawi, pesquisadr do Al-Ahram Center for Political and Strategic Studies, concorda com Salama, e também entende que modificações no mapa do caminho no que se refere à ordem das eleições podem, sim, "aliviar as pressões estrangeiras sobre o Egito."

"A decisão também pode reduzir o tamanho do financiamento para a Fraternidade Muçulmana de Morsi, já declarada organização terrorista", disse Azabawi em entrevista à rede Xinhua.

Para Azabawi, a realização de eleições livres e justas para eleger um presidente dará ao eleito e às forças de segurança "chance real no enfrentamento contra o terrorismo e para adotar procedimentos mais efetivos apoiados pela população egípcia."

Mas Azabawi entende que fazer eleições presidenciais antes das eleições parlamentares "dificilmente afetará a Fraternidade Muçulmana ou fará diminuir os protestos antigoverno que organizam regularmente." Para ele, muitos ainda acreditam na possibilidade de reconduzir Morsi à presidência.

"Eleger um novo presidente enviará mensagem forte à comunidade internacional, de que o Egito está, sim, implementando seu mapa do caminho pós-Morsi, com vistas a construir um estado forte, civil e democrático" - disse à rede Xinhua o general Mohamed Okasha, especialista em segurança.

Sobre a popularidade entre os egípcios do chefe militar e ministro da Defesa general Abdel-Fattah al-Sisi, e rumores de que se candidará à eleição presidencial, Okasha disse que "as urnas terão a palavra final".

Sobre isso, ver também:

"O Egito realizará eleições presidenciais antes das eleições parlamentares" - disse o presidente interino do Egito Adli Mansour, em discurso transmitido pela televisão, no domingo [26/1/2014, Xinhua.net, China, em http://news.xinhuanet.com/english/africa/2014-01/26/c_133076110.htm (ing.)]


________________________________________
[1] MARX, Karl [1851-1852]. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. Prefácio: Friedrich Engels. São Paulo: Boitempo, 2011, 176 pp. Trad. Nélio Schneider, ISBN: 978-85-7559-171-0. Online em http://www.marxists.org/portugues/marx/1852/brumario/ [NTs].


Loading. Please wait...

Fotos popular