Pravda.ru

Ciência

OTAN: a ponte atlântica está caindo, está caindo...

18.02.2015
 
OTAN: a ponte atlântica está caindo, está caindo.... 21660.jpeg

Em 1949, Washington criou uma coisa chamada OTAN, Organização do Tratado do Atlântico Norte, para fundir firmemente a Europa Ocidental na própria massa das políticas futuras de Washington, por mais destrutivas que se viessem e venham a comprovar-se contra os interesses genuínos de Alemanha, França, Itália e outras nações europeias.  Em 1986, as 12 nações da então Comunidade Econômica Europeia modificaram o Tratado de Roma de 1957  e assinaram o Ato Europeu Único [orig. Single European Act].  Esse AEU ordenava que se criasse um único mercado da Comunidade Econômica Europeia ao final de 1992 e definia as regras para a Cooperação Política Europeia, antecessora da Política de Segurança Externa Comum da União Europeia [orig. European Union's Common Foreign and Security Policy].

 

11/2/2015, F. William Engdahl, New Eastern Outlook, NEO
http://journal-neo.org/2015/02/11/nato-atlantic-bridge-is-falling-down/

Então, dia 9/11/1989, um evento de dimensão histórica interveio para atrapalhar a estratégia da Comunidade Econômica Europeia para criar um mercado único. A URSS de Gorbachev entregou, rendida ao ocidente, a República Democrática Alemã [no Br conhecida como "Alemanha Oriental"].  A Guerra Fria estava acabada de facto. A Alemanha seria unificada.  Aparentemente, o ocidente vencera a guerra. Muitos europeus festejavam. Muitos acreditaram que estariam acabadas para sempre aquelas décadas de viver sempre a um passo de uma guerra nuclear. A Europa emergente parecia orgulhosa, confiante no futuro. 

A OTAN foi a entidade criada por Washington, nas palavras do primeiro secretário-geral Lord Ismay, para "manter os russos fora, os norte-americanos dentro, e a Alemanha por baixo".

Pilar de Defesa Europeia ou a OTAN dos EUA?

O Tratado de Maastricht, documento com falhas e brechas fatais, foi apresentado numa reunião da Comunidade Econômica Europeia, em dezembro de 1991. Um Helmut Kohl chocado foi informado por Mitterand da França e Tatcher da Grã-Bretanha de que tinha de concordar com a criação de uma única moeda para controlar o Bundesbank. Daí nasceria o euro e um Banco Central Europeu supranacional e independente. Foi chantagem, a precondição para que eles aceitassem a unificação da Alemanha. Os alemães engoliram em seco e assinaram.

O que foi pouco discutido naquele momento foi que o Tratado de Maastricht também incluía uma sessão que obrigava que se constituísse, pela primeira vez, uma Política de Segurança Externa Comum. As 12 nações assinaram o tratado e estavam em andamento intensas discussões para estabelecer um pilar de defesa europeia independente da OTAN. Com o colapso da União Soviética, desaparecera a raison d'être da OTAN. O Pacto de Varsóvia acabara. Washington garantira a Gorbachev que a OTAN jamais seria estendida na direção leste.

Bush destrói o Pilar de Defesa da União Europeia 

George H. Bush é homem que deixou, de sua passagem pelo poder dos EUA, um legado que pinga sangue, desde seus primeiros anos em Washington - e o qual provavelmente incluiu a participação chave de um agente da CIA em Dallas Texas, dia 22/11/1963, no assassinato de JFK. Bush-pai foi diretor da CIA nos anos 1970s, o que incluiu empurrar Saddam Hussein para que ocupasse o Kuwait em 1990, para gerar um pretexto para a sangrenta "Operação Tempestade no Deserto" contra o Iraque.

Na presidência, Bush-pai também pôs em movimento eventos que resultariam na destruição da Iugoslávia, iniciada nos anos 1990 - em processo muito parecido ao que se vê hoje, com Washington destruindo a Ucrânia. 

O objetivo central da guerra induzida pelos EUA que varreu os Bálcãs durante uma década era deixar perfeitamente claro para as nações da União Europeia que a OTAN, sob controle do Pentágono-EUA, permaneceria onde estava e, além disso, avançaria na direção leste. Bush-pai usou a guerra na Iugoslávia para destruir a nascente ameaça de qualquer capacidade de defesa independente dentro da União Europeia - o chamado Pilar de Defesa da União Europeia. 

Como conselheiro do presidente dos EUA e fundador da Comissão Trilateral, Zbigniew Brzezinski descreveu sem meias palavras o modo como Washington via a Alemanha: não passava de estado "vassalo" do poder imperial dos EUA; não era nação soberana.

Em 1999, Hungria, Polônia e República Tcheca foram oficialmente convidadas em Washington a unir-se à OTAN, enquanto o desmembramento da Iugoslávia estava sendo coroado pelo presidente Bill Clinton, que desavergonhadamente e ilegalmente bombardeava a Sérvia, na chamada "Guerra do Kosovo", aquele ano, com a ainda mais desavergonhada participação do ministro de Relações Exteriores da Alemanha, filho do carniceiro da Hungria, Joschka Fischer.

Em 2004, Washington já estava chegando festivamente com a OTAN à Bulgária, Estônia, Latvia, Lituânia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia. Também estava secretamente preparando a hoje já infames "Guerras Coloridas", de fato, golpes de estado na Georgia e na Ucrânia, que poriam no poder os candidatos que EUA escolheram a dedo: o corrupto Viktor Yushchenko em Kiev, na chamada "Revolução Cor-de-laranja"; e Mikhail Saakashvili, na chamada "Revolução Cor-de-rosa" na Geórgia. Os dois presidentes prometeram unir-se à OTAN, como parte da campanha eleitoral. 

Quase ninguém se surpreendeu quando, em 2007, como secretário da Defesa dos EUA, Don Rumsfeld anunciou que o Pentágono instalaria equipamentos para lançamento de mísseis balísticos na Polônia e na República Checa, voltados contra a Rússia. Moscou já dava sinais de grave incômodo com a presença da OTAN em seu perímetro estratégico - a tal aliança militar que, na prática, só fizera levar a única potência mundial até as portas de Moscou.

Uma intervenção germano-franco-ucraniana 

Quando os ministros de Relações Exteriores de Alemanha e França intervieram, num esforço de último minuto para construir algum acordo em Kiev, dia 21/2/2014, para evitar uma guerra civil, eles explicitada e claramente deixaram de fora uma das partes interessadas nas conversações: o governo dos EUA. E obtiveram um compromisso, que durou menos de 48 horas, até que atiradores apoiados pela CIA, em Kiev, mataram a sangue frio manifestantes desarmados na Praça Maidan, geraram pânico e desencadearam tumultos que obrigaram o presidente eleito (ponto que a versão em alemão da imprensa-empresa insistentemente omite do 'noticiário') Viktor Yanukovich, a fugir e esconder-se para não ser assassinado.

Dia seguinte, o governo Obama, liderado por Victoria "Foda-se a UE" Nuland; pelo embaixador dos EUA Geoffrey Pyatt; e com legiões de agentes da CIA dentro dos protestos da Praça Maidan, instalaram no poder o seu próprio fantoche, servindo-se, como tropas de assalto, dos neonazistas dos partidos Setor Direita e Svoboda. George Friedman, diretor de Stratfor, think-tank de consultoria estratégica que presta serviços ao Pentágono e à CIA, e também a agências israelenses, disse em entrevista a Russian Kommersant, em dezembro, que o golpe de estado montado pelos EUA na Ucrânia foi "o mais descarado golpe de estado de toda a história."

Quando Washington cuspiu na cara não só da Alemanha e França e UE, mas também na cara da Rússia e da própria Ucrânia, ao determinar quem governaria o novo regime do golpe em Kiev, a ser chefiado pelo inefável, alto-comendador da Cientologia, Arseniy Yatsenyuk, a Alemanha e França engoliram em seco. Mas se agacharam e obedeceram aos falcões que governam o governo Obama em Washington. A UE aprovou unanimemente sanções ordenadas pelos EUA, repetidamente, conta a Rússia, depois do referendo de março-2014, sobre a Crimeia. A indústria alemã protestou abertamente. Mas o governo de Merkel agachou-se à frente da OTAN e de Washington, e a economia alemã começou a afundar-se em recessão, assim como o resto da União Europeia.

No momento, está acontecendo algo absolutamente raro. França e Alemanha estão outra vez desafiando abertamente a Washington de Obama. Na noite de 4/2/2015, Merkel e o presidente francês Hollande rapidamente decidiram voar até Moscou para reunir-se com o presidente Putin. O objetivo, como disse o porta-voz de Putin era que "líderes dos três estados discutirão o que especificamente os países podem fazer para contribuir para acelerar o fim da guerra no sudeste da Ucrânia, que escalou nos últimos dias e resultou em muitas mortes."

A parte mais interessante da viagem às pressas é que chefes vassalos de estados vassalos, Angela Merkel e François Hollande, não pediram permissão a Washington, a acreditar-se no que informam fontes francesas. Ao anunciar a viagem espontânea a Moscou, Hollande disse à imprensa que "Com Angela Merkel, decidimos tomar uma nova iniciativa."

Ainda mais interessante, a "nova iniciativa" deles acontecia bem quando o secretário de Estado dos EUA John Kerry estava em Kiev, reunido com o presidente Poroschenko, discutindo possíveis entregas de armamento dos EUA a Kiev - o tipo de 'diplomacia' que Washington tem preferido a todos os demais, nos últimos tempos. As conversas em Moscou entre Putin, Merkel e Hollande, como se sabe, aconteceram na sequência de conversações "secretas" entre Paris, Berlin e Moscou.

No início de dezembro, Hollande fez uma visita surpresa a Moscou para falar com Putin sobre a Ucrânia. Naquele momento, o presidente francês declarou: "Creio que temos de evitar mais e mais 'muros' a nos separar. Nesse momento, temos de ser capazes de superar os obstáculos e encontrar soluções." Washington absolutamente não gostou. Há fortes suspeitas em alguns círculos de que o ataque de falsa bandeira, dia 7/1, contra o semanário francês Charlie Hebdo tenha sido a resposta do bloco-da-guerra Washington-Telavive, contra a diplomacia de Hollande.

O recente movimento diplomático franco-alemão coincide com a estadia de John Kerry, em Kiev, para discutir armamento norte-americano a ser entregue na Ucrânia. 

O jornalista Vincent Jauvert, do Nouvel Observateur, diz que a repentina decisão de Hollande e Merkel, de falar com Putin em Moscou, aparece como tentativa para sair à frente dos norte-americanos, que tentam impor a solução deles aos demais países ocidentais: transferir mais armas para os neonazistas na Ucrânia." 

Lembra que os dois líderes firam a Kiev imediatamente depois de Kerry, como se "não confiassem no governo dos EUA", para "apresentarem a solução diplomática de Alemanha e França, antes que o vice-presidente dos EUA Joe Biden apresentasse o plano dos EUA de enviar armamento letal a Kiev, na Conferência de Segurança de Munique no sábado."

As próximas semanas serão claramente decisivas para a paz mundial. Para parodiar uma velha canção que eu cantava na minha infância, "a Ponte Atlântica está caindo, está caindo, está caindo... (cantar com a melodia de London Bridge is falling down). É tempo de construir-se ponte nova, estável, no lugar da velha, mas não é solução que virá da mensagem de Joe Biden à Conferência de Segurança de Munique. *****

 


Loading. Please wait...

Fotos popular