Pravda.ru

Ciência

Chuvas extremas no centro da Índia se triplicaram em 65 anos

15.09.2019
 
Chuvas extremas no centro da Índia se triplicaram em 65 anos. 31738.jpeg

Chuvas extremas no centro da Índia se triplicaram em 65 anos

 

Por Alfredo Boada Mola* Nova Delhi, 12 sep (Imprensa Latina) As chuvas extremas no centro de Índia se triplicaron de 1950 a 2015, com 825 milhões de pessoas afetadas, 17 milhões sem lar e 69 mil falecidos, segundo o Instituto Índio de Meteorologia Tropical de Pune.

 


A probabilidade de que se produzam inundações similares nos próximos anos é alta, impulsionada pelo aumento de temperatura de um grau Celsio no planeta, desde que se iniciou a manutenção sistemática de registros em 1850, de acordo com relatórios do Grupo Intergubernamental de Experientes sobre a Mudança Climática (IPCC) da ONU, que avalia os conhecimentos científicos sobre o aquecimento global.



Neste ano, após o verão mais caluroso da história, Índia sofreu um monzón atrasado e inundações generalizadas. Assam, no nordeste do país, foi um dos primeiros estados índios que foram devastados pelas inundações, seguido de Maharashtra e Kerala. Em meados de agosto, os estados centrais da Índia começaram a inundar-se.



A precipitação total não mudou muito, mas as precipitações extremas aumentaram, disse J. Srinivasan, presidente fundador e professor distinto do Centro Divecha para a Mudança Climática do Instituto Índio de Ciências de Bengaluru.



Ainda que é provável que a Índia termine com um excesso de precipitações do um por cento em 2019, grande parte do país, como as regiões de Arunachal Pradesh, Karnataka e Andhra Pradesh, enfrenta um déficit de precipitações.



A disponibilidade per capita de água na Índia é de mil 544 metros cúbicos, disse o ministro de recursos hídricos Gajendra Singh Shekhawat à Câmera Alta do Parlamento (Rajya Sabha) em julho passado, em comparação com os mil 816 metros cúbicos de 2001.



A média dos países de rendimentos médios baixos, o grupo do que faz parte a Índia, sobre a base de seu rendimento per capita, é de três mil 13 metros cúbicos. Para os países de rendimentos altos, esta cifra é de oito mil 822 metros cúbicos.



'Nossa disponibilidade de água per capita é uma das mais baixas do mundo, pelo que precisamos usar o água com cuidado', disse Srinivasan. Isto não era necessário faz 72 anos, quando nossa população era de só 350 milhões, agregou.



Nos verões, quando a terra se esquenta mais rápido que o oceano, o ar quente sobe e a pressão atmosférica diminui, faz que o vento sobre os oceanos se apresse a entrar, trazendo consigo umidade, que cai em forma de chuva. Em tanto, em inverno este processo investe-se.



Este padrão climático anual impulsionado pelo vento conhece-se como o monzón. Aparte da Índia, este fenômeno traz chuvas a partes de África, Austrália e América do Norte e do Sur. O monzón é responsável por cerca do 85 por cento das precipitações anuais da Índia.



Um dos principais fatores que afetam o início do monzón e sua força é o gradiente de temperatura entre o subcontinente índio e o oceano Índico tropical, disse Deepti Singh, professor assistente da Escola de Meio ambiente da Universidade Estatal de Washington em Vancouver, Canadá.



Em um ano, grande parte da Índia recebe precipitações durante quatro meses e fica sem elas durante os oito meses restantes.

Se observa-se o monzón índio, a variação interanual é de 10 por cento, disse Srinivasan. 'Nossa sociedade viveu com esta variação durante milhares de anos, mas agora não podemos fazer frente a ela devido às más práticas de gerenciamento do água', apontou.



As precipitações sobre o centro da Índia desde a década de 1950 diminuíram e, mais recentemente, aumentaram sobre o noroeste de Rajastán e partes da Índia peninsular.



Estas chuvas prevê-se que chegarão no futuro em fortes ráfagas e estão intercaladas por vários períodos de seca, que também serão mais frequentes. Isto faz que a agricultura seja insostenible, refletiu o portal de opinião Índia Spend.



Em general, há um debilitamiento dos monzones e um aumento da variabilidad (dentro de uma estação e dia a dia) dos monzones, ainda que a média de precipitações não muda por uma margem substancial, disse Singh.



De acordo com os experientes, as chuvas dependem de vários fatores, alguns locais, outros globais. Sabe-se que a contaminação devida aos aerosoles (partículas sólidas ou líquidas suspendidas no ar) debilita as precipitações localmente e muda os padrões de chuva em todo o subcontinente, enquanto o aumento mundial da temperatura fortalece o monzón.



As projeções em longo prazo sugerem que é provável que se produza um aumento das precipitações em grande parte da Índia, pois os efeitos dos gases de efeito invernadero se sobrepõem aos efeitos dos aerosoles (ou contaminantes atmosféricos).



Entre tanto, o efeito da contaminação atmosférica local é substancial e as cidades índias ocupam os cinco primeiros lugares da lista da Organização Mundial da Saúde das cidades mais contaminadas do mundo.



Desta vez, Índia está experimentando o final de um monzón que tem visto tanto uma severa escassez de água como inundações em massa.



alb/abm



* Coresponsal de Imprensa Latina na Índia.

https://www.prensalatina.com.br/index.php?o=rn&id=25867&SEO=chuvas-extremas-no-centro-da-india-se-triplicaron-em-65-anos

 


Loading. Please wait...

Fotos popular