Pravda.ru

Federação Russa

Chegam à Europa do vírus, os bombardeiros USA de ataque nuclear

17.03.2020
 
Chegam à Europa do vírus, os bombardeiros USA de ataque nuclear. 32859.jpeg

Chegam à Europa do vírus, os bombardeiros USA de ataque nuclear 

Manlio Dinucci

Devido ao Coronavírus, a American Airlines e outras companhias aéreas dos EUA cancelaram muitos voos para a Europa. No entanto, existe uma "companhia" USA que, vice-versa, os aumentou: a US Air Force.

Há poucos dias, "instalou, na Europa, uma task force de bombardeiros furtivos B-2 Spirit" Anuncia-o de Estugarda, o US European Command, o Comando Europeu dos Estados Unidos. Está, actualmente, sob as ordens do General Tod D. Wolters, da US Air Force, que é, ao mesmo tempo, o Chefe das Forças Armadas da NATO, como Comandante Supremo Aliado na Europa. O US European Command afirma que a task force, composta por um número desconhecido de bombardeiros provenientes da base de Whiteman, no Missouri, "chegou, em 9 de Março, ao Campo das Lajes nos Açores, em Portugal".

O bombardeiro estratégico B-2 Spirit, o avião mais caro do mundo, cujo custo ultrapassa os 2 biliões de dolares, é o avião USA de ataque nuclear mais avançado. Cada um pode transportar 16 bombas termonucleares B-61 ou B-83com uma potência máxima total equivalente a mais de 1.200 bombas de Hiroshima. Devido à conformação, revestimento e contramedidas electrónicas, o B-2 Spirit é difícil de detectar por radar (por esse motivo, é designado como "avião invisível"). Embora já tenha sido usado na guerra, por exemplo, contra a Líbia em 2011, com bombas não nucleares de alta potência, orientadas por satélite (pode transportar 80), foi projectado para penetrar nas defesas inimigas e efectuar um ataque nuclear de surpresa.

Estes bombardeiros, especifica o US European Command, "operarão a partir de várias instalações militares na área de responsabilidade do Comando Europeu dos Estados Unidos". Esta área inclui toda a região europeia e toda a Rússia (incluindo a parte asiática). Isto significa que os bombardeiros USA mais avançados de ataque nuclear, operarão a partir das bases na Europa, perto da Rússia. Invertendo o cenário, é como se os bombardeiros russos mais avançados de ataque nuclear da Rússia, estivessem a manobrar a partir de bases em Cuba, perto dos Estados Unidos.

Torna-se claro o objectivo almejado por Washington: aumentar a tensão com a Rússia, usando a Europa como primeira linha do confronto. Isto permite a Washington fortalecer a sua liderança sobre os aliados europeus e orientar a política externa e militar da União Europeia, da qual 22 dos 27 membros pertencem à NATO, sob comando USA.

Esta estratégia é facilitada pela crise causada pelo coronavírus. Hoje, mais do que nunca, numa Europa em grande parte paralisada pelo vírus, os USA podem fazer o que querem. 

Isso é confirmado pelo facto de que eles transferem os seus bombardeiros mais avançados de ataque nuclear com o consentimento de todos os governos e parlamentos europeus e da própria União Europeia e com o silêncio cúmplice de todos os principais meios de comunicação europeus.

O mesmo silêncio caiu sobre o Defender Europe 20, o maior destacamento de forças USA na Europa desde o final da Guerra Fria, sobre os quais a comunicação mediática só falou, quando o US European Command anunciou que, devido ao Coronavírus, reduzirá os soldados USA que participam no exercício de 30.000 para um número impreciso, mantendo, no entanto,  os "nossos objectivos de maior prioridade".

No âmbito de uma verdadeira psy-op (operação psicológica militar), vários órgãos de "informação", também em Itália, lançaram-se imediatamente contra "as mentiras sobre o exercício Defender Europe" (La Repubblica, 13 de Março)   e, através das redes sociais, espalhou-se o boato de que o exercício foi praticamente cancelado. Notícias tranquilizadoras, reforçadas pela garantia, dada pelo US European Command, de que "a nossa preocupação primordial é proteger a saúde das nossas forças e a das forças dos nossos aliados".

Apenas substituindo, na Europa, um número indeterminado de soldados USA por um número desconhecido de bombardeiros americanos de ataque nuclear, cada um com uma potência destruidora igual a mais de 1.200 bombas de Hiroshima.

 

il manifesto, 17 de Março de 2020

https://nowarnonato.blogspot.com/2020/03/pt-manlio-dinucci-arte-da-guerra-arte.html

 


Fotos popular