Pravda.ru

Federação Russa

Intervenção russa em Donbass: Se...

06.06.2014
 
Intervenção russa em Donbass: Se.... 20425.jpeg

Sobre os "mas e se..." e "nesse caso então" de uma intervenção russa direta no Donbass 

Tenho-me esforçado recorrentemente nesse blog tentando explicar as razões prováveis pelas quais a Rússia ainda não interveio, até agora, na guerra entre o Banderastão e a Novorosiia. Observo que os que veem sinais de 'traição' e de 'vendeu-se' na atitude de Putin sempre falam muito quando acusam mas pouco falam se se exigem detalhes objetivos e especificações. 


Bem diferente do excelente artigo que postei recentemente e recomendei como "leitura obrigatória"[1], o pessoal que muito se dedica a acusar Putin por traição detém-se sempre no curtíssimo prazo: quer que Putin mandasse armas, mandasse tanques, impusesse uma zona aérea de exclusão, atacasse essa ou aquela unidade, etc.  Ótimo. Mas... e daí? E nossos patriotas de sofá fogem espavoridos quando ouvem, precisamente, essa pergunta: "E daí?"

Além da questão do "e daí?", a outra questão que aqueles estrategistas de sofá evitam sempre é "mas e se?" Mas e se os banderistas pirarem realmente, totalmente, e abrirem fogo com tudo que têm, porque resolvam que sim, ou para retaliar? E mas e se... eles realmente destroem Kramatorsk, Slaviansk ou bairros inteiros ao redor de Donetsk? Mas e se de fato não deixam uma parede, que seja, em pé? E se nesse momento o número de mortos passar de dezenas ou centenas para muitos milhares?

Os que suponham, erradamente, que as forças da junta já usaram "ataques massivos de artilharia" devem revisar o conceito de "огневой вал", quase sempre traduzido como "barragem de artilharia", tradução a qual, embora não incorreta, não basta para transmitir nem o começo do significado da expressão na doutrina militar russa. Em vez de só olhar números, olhem as cenas seguintes:

https://www.youtube.com/watch?v=A7Zslwq4dxk
https://www.youtube.com/watch?v=kAtQq5tAxs0
https://www.youtube.com/watch?v=cIpW7BuaPZ4 (mostra treinamento ucraniano)
https://www.youtube.com/watch?v=6UNsqONPtGo (mostra vários sistemas).

Minha questão é a seguinte: os ucranianos têm os sistemas REALMENTE necessários para pôr no chão uma cidade inteira e são treinados para fazer precisamente isso. E se fizerem? Nesse caso, então, o que acontece?

Claro, a Rússia tem os meios para destruir rapidamente as unidades da artilharia ucraniana no Donbass, mas isso marcaria mais uma escalada no conflito. Nesse caso, então, o que acontece?

Ou e se os EUA ordenam que Poroshenko "solicite" a proteção da OTAN? E SE A OTAN faz coisa realmente idiota como foi o deslocamento inicial da 82ª Aero-embarcada[2] para a Arábia Saudita como parte de "Escudo do Deserto"? Por que digo que "Escudo do Deserto" foi realmente idiota? Porque - detalhe que a opinião pública norte-americana ignorava - a 82ª Aero-embarcada foi posta em situação muito perigosa: essa força de infantaria leve foi usada como uma espécie 'gatilho remoto' [orig. tripwire[3]]: significa que, se os iraquianos cruzassem para dentro do Reino da Arábia Saudita, encontrariam ali e seriam obrigados a lutar contra a 82ª Aero-embarcada, o que implicaria atacar os EUA. Ideia brilhante? Não, longe disso.

A 82ª Aero-embarcada é força de infantaria leve, e teria chance zero contra as grandes formações de tanques iranianos. A *esperança* (?!) dos EUA era que o poder aéreo dos EUA bastasse para deter os iraquianos. Mas era só esperança, nada além de esperança. Anos depois, alguém perguntou, acho que a Dick Cheney, o que teria acontecido se os EUA não tivessem conseguido deter Saddam e se a 82ª tivesse sido massacrada. E sabem o que Dick Cheney respondeu? "Não teríamos outra opção, além de usar nossas armas nucleares." Foi quando afinal a verdade veio à tona: a Casa Branca esteve pronta a assumir o risco de sacrificar sua 82ª Brigada Aerotransportada e "tinha esperanças" de que os EUA não precisariam usar bombas atômicas. Não sei de vocês, mas, quanto a mim, tenho calafrios de medo, ao ver os chefões Imperiais com "esperanças" de não detonar bombas atômicas.

Assim sendo, e se Obama (cujo governo tem QI médio inferior no mínimo 20 pontos, ao de George Bush Pai!) mete ali uma força 'gatilho remoto' ao longo do Dniper? E se os ucranianos organizam operação de combate ou mesmo ataques militares, que partam da retaguarda desse 'gatilho remoto'? E daí? Nesse caso, então, o que acontece?

Querem mais um exemplo? Há muitos!

Não é irracional suspeitar que talvez 15%-20% dos habitantes da região do Donbass/Novorossia não sejam absolutamente pró-Rússia e que apoiem a junta de Kiev. É uma grande área com, se lembro bem, algo como 7 milhões de habitantes na região Donetsk-Lugansk; 10% de 7 milhõs são 700 mil pessoas que apoiam Kiev. Desses 700 mil, assumamos que 10% são capazes de lutar (70 mil) e assumamos que apenas ¼ deles desejem realmente engajar-se em combate sério. Seriam 17.500 dispostos a combater, só em duas regiões do sudeste da Ucrânia, que é muito mais extenso. 17.500 combatentes é muito mais combatentes do que o Exército Republicano Irlandês [Irish Republican Army IRA] jamais teve em suas fileiras. É número muito maior de combatentes, até, do que o Hezbollah tem hoje!

Por falar do IRA - lembram-se de como os britânicos atuaram na Irlanda do Norte, oficialmente para restaurar a paz e a segurança? (Se já esqueceram, deem uma olhada da Wikipedia, "Operation Banner",[4] para refrescar a memória). À época, também pareceu coisa simples. Acabou por converter-se em longuíssimo pesadelo.

Poderia listar exemplos ad nauseam, mas vocês já entenderam: diferente de alguns de nossos supostos estrategistas, Putin e os membros de seu Conselho Russo de Segurança têm de considerar todo o pleno espectro de possíveis "mas e se..." e "nesse caso então..." antes de tomar qualquer decisão de intervir. E apresso-me a acrescentar que intervenção clandestina também é perigosa: se, até aqui, Kiev ainda não conseguiu pôr as mãos em nenhum "agente" ou "operador" russo, não significa que não possa acontecer; e, se acontecer, seria desastre político para a Rússia. 

Se você pensou que os serviços especiais ucranianos, SBU, são incompetentes demais e incapazes até de pôr as mãos nos próprios agentes deles à luz do dia, você tem toda a razão... Mas a questão é que, nesse caso, os ucranianos são só a fachada para ação da CIA/ASN dos EUA, agências as quais, vocês podem ter certeza, estão usando todos os seus formidavelmente gigantescos meios para encontrar um único agente russo que esteja em ação clandestina na Ucrânia.

Nem discutirei os comentários de lunáticos que andam sugerindo a sério que os russos devem bombardear (bombas nucleares, sim) Londres; e outras estupidezes. 

Para concluir, só digo o seguinte: gostem ou não gostem, há hoje consenso na Rússia, de que, nesse momento, qualquer intervenção direta seria erro gigantesco. Quanto a ajuda clandestina, só se pode especular, mas já observei que as Forças de Defesa da Novorossiia parecem "encontrar", regularmente, armas "abandonadas", sempre armas do tipo de que elas mais precisam. 

Aos que vivem a 'exigir' intervenção russa no Donbass digo o seguinte: a menos que vocês possam apoiar suas 'exigências' de intervenção em solução apropriada para todos os  "mas e se..." e "nesse caso então" - nem se deem o trabalho de expor suas 'exigências' nesse blog, para não se aparecerem no triste papel de amadores irresponsáveis. Que ninguém se meta a dizer aos outros quando/como devem morrer. Os heróis que haja por aqui, que peguem uma arma e alistem-se na Resistência.

[assina] The Saker

 


[1] 1/6/2014, "Ucrânia: Por que não há intervenção militar russa", orig. russo; trad. do ing. em http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/06/ucrania-por-que-nao-ha-intervencao.html

[2] https://www.youtube.com/watch?v=ob1Dfg4FheY

[3] http://pt.w3dictionary.org/index.php?q=trip+wire

[4] http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Banner

 

4/6/2014, The Saker, The Vineyard of the Saker
http://vineyardsaker.blogspot.com.br/2014/06/considering-what-ifs-and-then-whats-of.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular