Pravda.ru

Federação Russa

Relações internacionais: Rússia aparece como líder mundial

04.11.2013
 
Relações internacionais: Rússia aparece como líder mundial. 19133.jpeg

Relações internacionais: Rússia aparece como líder mundial

Muitas são as referências nos discursos dos Presidentes dos EUA sobre a necessidade de "liderar o mundo", uma abordagem intrusiva por aqueles eleitos por uma percentagem de seu próprio povo e por mais ninguém. Hoje, aonde levou a "liderança" dos Estados Unidos, qual é a sua posição nos corações e mentes da comunidade internacional?

A Acta Final de Helsínquia, ou a Declaração de Helsínquia, de 1975, foi talvez a face visível da postura da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, à procura de relações mais amistosas com o Ocidente, enquanto entregou a numerosas gerações e milhões de pessoas oprimidas educação, saúde e serviços públicos, libertando-os do jugo da tirania imperialista.

Em 1989, a URSS estava gastando, em média, US $ 250 bilhões - um quarto de um trilhão de dólares - em projetos de desenvolvimento no exterior, na implementação de políticas que garantiram o direito a serviços básicos em países onde as políticas de imperialismo e colonialismo tinha saqueado os recursos, colocando políticos corruptos no poder, de modo a garantir a continuação do fluxo dos recursos, para fora.

Rolando para trás 70 anos, quando a Revolução Russa pela primeira vez trouxe sociedades atrasadas para a linha de frente do desenvolvimento industrial, garantindo habitação, grátis, serviços públicos, comunicações livres de custo ou fortemente subsidiadas , transporte público subsidiado, educação primária e secundária livre, ensino superior gratuito, cuidados de saúde gratuitos, tratamento odontológico gratuito, desemprego zero, segurança nas ruas, segurança do Estado, a mobilidade social, pensões indexadas , alimentos básicos garantidos, atividades de lazer, comodidades gratuitas de esportes, instalações culturais gratuitas ... mas já naquela época já se podia ver a alma negra do Ocidente.

A psique dos Estados Unidos da América, seu caniche-chefe, o Reino Unido e por sua vez as ex-colônias de Londres, principalmente Austrália e a camarilha doentia de bajuladores que rastejam, lambendo, à volta das pernas e pés de Washington - ou seja, França e em variados graus os estados membros da OTAN - é, em essência, anglo- saxónica, baseia-se no preceito de wanderlust, imposição de valores culturais numa abordagem arrogante e prepotente, abordagem que viu as mesmas nações desenharem linhas em mapas.

Assim que a Revolução Soviética tomou forma, lá estavam eles, interferindo na Guerra Civil Russa, armando russos "brancos", fomentando derramamento de sangue, no ato mais chocante de intrusão. Eles perderam porque os povos soviéticos queriam que a Revolução. Ninguém lhes perguntou em 1989-1991, se quisessem accionar a cláusula na Constituição Soviética que deu às nações a opção de retirarem-se voluntariamente da União, enquanto a liderança política da maioria das Repúblicas aventurou-se unilateralmente uma experiência - na economia de mercado monetarista.

Simultaneamente, vieram chamadas para desmembrar a aliançamilitar Pacto de Varsóvia, enquanto promessas foram entregues de forma cínica pelos líderes dos Estados membros da OTAN, que a OTAN não invadiria o leste se o Pacto de Varsóvia fosse desmembrado. Foi, e a OTAN invadiu. Invadiu a Polónia, a República Checa, a Eslováquia, a Roménia, a Bulgária, os Estados Bálticos, formando um anel em torno do território russo, uma mão em torno da garganta da Rússia. Na verdade, qualquer concentração de tropas da OTAN seria anulada por uma salva de mísseis tão espessa que iria apagar o Sol e uma segunda salva mandaria os Estados que permitissem a concentração de tais tropas em seu território para a era Paleolítica. Fantasias à parte, o facto permanece: OTAN mentiu.

 

Como todos os mentirosos, a OTAN tem algo a esconder. Era já visível em 1919, e desde então, com os seus inúmeros empreendimentos imperialistas, instalação de regimes repressivos fascistas, rotulando políticas progressistas como perigosas quando vemos hoje que um rótulo de "perigoso" da OTAN é, de facto, uma medalha humanitária porque aqueles que a OTAN ridiculariza têm os melhores registros políticos sociais.

Com a URSS, houve um contra- peso para o mal da OTAN; após 1989-1991, houve um hiato de vinte anos, enquanto a Rússia encontrou seus pés e suas pernas. Agora, com Vladimir Putin de volta no comando, vemos a Rússia de hoje a incorporar os desejos da Humanidade, enquanto Washington se deita no excremento de sua própria história de relações internacionais - Iraque, hoje um Estado falhado e em situação muito pior do que estava sob o Presidente Hussein, idem Líbia, onde Muammar al-Qathafi estava para receber um prêmio da ONU em 2011 e que levou a Líbia para o topo dos índices de desenvolvimento humano para a África.

Os Talebaan foi uma experiência fracassada da CIA , a Operação Condor virou América Latina contra os Estados Unidos da América, Cuba aparece como o pobre mas bom rapaz, na implementação com sucesso de políticas socialmente progressistas e até mesmo exportar serviços excelentes na área de educação e políticas de saúde no exterior, apesar de um bloqueio econômico desumano imposto pelo principal culpado de violação de direitos humanos na ilha - os EUA e seu Guantanamo Bay, campo de tortura.

No entanto, isso vem depois dos voos de tortura da CIA, vem depois de Abu Ghraib. Que belo pano de fundo para a Síria, onde o apoio do Ocidente para terroristas desestabilizou vastas áreas de território, onde os queridos "rebeldes" do Ocidente têm cometido as mais chocantes violações de direitos humanos, incluindo a decapitação das crianças e onde os terroristas queridos do Ocidente usaram armas químicas, tentando culpar isso no presidente Assad.

O fato de que o Eixo FUKUS (França , Reino Unido e os EUA ) saltou para conclusões tão cedo depois de ter passado meses tentando incriminar o Presidente Assad , e o fato de que a Rússia tão magistralmente conseguiu parar a próxima guerra da OTAN, fala muito sobre onde Washington e de seus caniches, e Moscovo, estão hoje nos corações e mentes da comunidade internacional.

Os primeiros aparecem como gananciosos, belicistas, intromissas, sem um pingo de valores morais, sublinhando a sua história coletiva de massacres de pessoas inocentes que lutavam apenas para preservar a sua liberdade, e o último surge como um membro equilibrado e responsável da comunidade internacional, apoiado pelo bloco BRIC e inúmeros outros estados membros da ONU, cada vez mais fartos e cansados da abordagem de Paris, Londres e Washington, o Eixo FUKUS (France-UK-US).

Hoje , podemos entender que a Guerra Fria tinha a ver com o Ocidente tentando pintar um quadro cinzento da URSS,  mas nisso o Ocidente falhou miseravelmente. Valores soviéticos, ideais Socialistas - fraternidade, paz, respeito à soberania, desenvolvimento e não militarismo - estão vivos e o sistema social e econômico que foi implementado com sucesso há mais de 70 anos brilha como um farol para as sociedades reprimidas de hoje, lutando para colocar comida na mesa, lutando para pagar as contas de energia, lutando para encontrar uma casa, lutando para manter um emprego, enquanto os super-ricos, o clique de elitistas corporativos esfrega as mãos de contentamento enquanto as suas margens de lucro estão cada vez maiores.

Isto foi previsto, 70 anos atrás. Quanto tempo vai demorar para as pessoas do mundo a descobrirem que existe uma alternativa, que foi experimentado e testado e um que, de modo geral, funciona muito bem?

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular