Pravda.ru

Mundo

150 Anos dos Primeiros Russos no Uruguai – Lançam Selo Postal O «Dia da Rússia»

30.06.2010
 
Pages: 12
150 Anos dos Primeiros Russos no Uruguai – Lançam Selo Postal O «Dia da Rússia»

O dia da estréia da Taça do Mundo de futebol 2010, coincidindo com o jogo da África do Sul perante o México, o Embaixador da Federação Russa em Montevidéu Serguey N. Koshkin foi anfitrião de diplomatas, convidados especiais e imprensa na sede diplomática da Avenida Boulevar Espanha no bairro Pocitos da capital uruguaia comemorando mais um aniversário pátrio e lançando o selo emitido pelo Correio Uruguaio lembrando os 150 anos da vinda dos primeiros russos no Uruguai.

Faz três anos, em 2007 se comemoraram 150 anos do início das relações diplomáticas entre a Rússia e o Uruguai. Nessa oportunidade a Administração Nacional de Correios do Uruguai acabou lançando um selo postal lembrando esse fato histórico.

Hoje comemoramos mais uma data, lembrando 150 anos da primeira chegada dos russos no Uruguai com registro desse evento.

Faz um século e meio que o Imperador russo Alejandro II encaminhou uma carta oficial para o Presidente Uruguaio Dom Gabriel Antonio Pereira refletindo os comentários á seguir: «É grato para nós tentar contribuir em tudo quanto possa afiançar o relacionamento de amizade entre os nossos súditos e a República do Uruguai». Esse documento foi testemunha do reconhecimento oficial desta república Sul-Americana pela Rússia e resposta na qual o Presidente Uruguaio, como representantes da nação, tinha confirmado o desejo de iniciar relações diplomáticas com a Rússia.

Num dos salões da Embaixada da Federação Russa, acabou-se montando um palco com microfone para que o Embaixador da Federação Russa, Exmo. Serguey N. Koshkin fala-se dessa data pátria aprofundando no assunto histórico dos primeiros russos que chegaram no porto de Montevidéu faz 150 anos.

O 12 de Abril de 1860 chegaram os primeiros três navios russos na angra do porto de Montevidéu, o «Plastún» que foi o mais conhecido dessa frota, escoltado pelas corvetas «Rynda» e «Nóvik». O «Plastún» era um modelinho propulsor de hélice. Os três ancoraram no porto da capital uruguaia após um roteiro pelo mundo inteiro. De fato, os primeiros russos em pisar o porto, porém a terrinha uruguaia foram os marinheiros e oficiais dessa frota sendo que um dos destaques dessa tripulação era o médico Alexei Vysheslávtsev que tendo completado 29 anos e assim que voltou na cidade de São Petersburgo editou um livro envolvendo tudo quanto tinha acontecido nessa viagem, intitulando-o: «Reportagens feitos com pena e lápis» editado na Rússia com grandíssimas edições que acabou sendo plataforma para impulsionar as vindas dos primeiros russos no Uruguai.

Compartilhamos alguns desses comentários feitos pelo médico russo que envolveram seu olhar da cidade de Montevidéu naquele ano 1860.

«A cidade é extremamente linda, na luz do sol da manhã parece feita de uma peça só e brilha pela brancura dos prédios, com angulares (sem chaminés nem tetos) que assemelha uma escada que no início sobe até a Catedral e logo desce de novo rumo ao mar».

Logo o médico tenta estabelecer referências como outras cidades refletindo o seguinte:

«Acha que a rua 25 de Maio, é bem semelhante ás ruas de Paris». (é bom remarcar que a rua 25 de Maio era um dos dois eixos do comércio montevideano junto com a rua Sarandí, (hoje Calçadão Sarandí) nessa época. Por enquanto, a Antiga Cidade de Montevidéu, hoje é conhecida como Cidade Velha).

O médico acrescenta que o campo uruguaio parece mesmo que fosse o amplíssimo sertão russo.

Ficou surpreso com o ferramental que os uruguaios dispunham para tomar cimarrão, ou chá paraguaio, que ele comparou com um tinteiro com uma pena de prata.

Também ficou chocado pelo tamanho da cidade, pelo estilo arquitetônico das ruas a variedade das mercadorias, «inveja mesmo das cidades européias». O clima segundo o médico era «um dos melhores do mundo inteiro». Aliás, no campo cresce tudo quanto a gente conhece na Rússia, além de inúmeras variedades exóticas.

Tendo recebido convites para visitar várias residências uruguaias, comentou logo após essas visitas: «Nessas noitadas familiares batem-se papos agradáveis, jogam baralho, tocam música e se faz tudo quanto se costuma fazer nas residências do povo russo».

No finalzinho acaba tirando conclusões:

«Tomara que este país que com certeza pode alimentar uns 15 milhões de pessoas, consiga atingir uma população de 2 á 3 milhões na procura da prosperidade, sendo rico e independente».

Na Sexta 11 de Junho de 2010 no eixo das duas da tarde foi o Embaixador da Federação Russa em Montevidéu, Sr. Serguey N. Koshkin o diplomata que acabou lendo esses comentários feitos pelo médico russo faz 150 anos. Foi então que ele pediu para todos os presentes nas salas da Embaixada que comemorassem esse fato arvorando o copo em prol desse Uruguai próspero, rico e independente.

Acrescentou que também comemorassem pelos laços históricos que reuniram os dois países no decorrer desses 150 anos, se despedindo assim: Muito obrigado!!

O 11 de Junho a Embaixada da Federação Russa em Montevidéu, comemorou o «Dia da Rússia» com visitação acima de 660 pessoas, que abrangeram autoridades dos Ministérios uruguaios, chancelaria, destaques na área militar, empresários em geral, meios de imprensa, corpo diplomático e a coletividade russa.

Em 2010, da para salientar que otempo que transcorreu nesses 150 anos aprimorou a cada dia as relações entre os dois países, sem conflitos nem brigas, relacionamento que pode se mostrar como paradigma de igualdade e respeito mútuo entre dois países extremamente diferentes pela superfície e a população.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular