Pravda.ru

Mundo

Dia da África ou Dia de Gozar o Africano?

26.05.2008
 
Dia da África ou Dia de Gozar o Africano?

Bob Geldof foi fortemente criticado em Lisboa recentemente por declarar que Angola era gerida por um bando de criminosos. Certo ou errado, suas palavras sendo baseadas em factos ou suposição, decidiu falar em voz clara em vez de adotar a atitude covarde de pezinho-de-salsa pelos não-africanos que utilizam o Continente e os seus povos como palavra de ocasião para sustentar ganhos pessoais.

Por isso mesmo, este artigo não é escrito no dia 25 de Maio, nem nunca mais esta coluna será publicada no Dia da África. Porque África e os Africanos (com A maiúscula, por respeito) servem para muitas pessoas, muitas firmas e muitas publicações como ponto focal para a auto-promoção, para financiar estilos de vida europeus e para ganhar influências neo-colonialistas no continente que seus antepassados colectivamente ajudaram a destruir.

Isso não quer dizer que não se encontram aqueles com intenções boas e nobres, a quem África realmente importa, aqueles que sentem nos seus corações que África não é perdida e que fazem o que podem para ajudar. Bob Geldof, cujas declarações em Lisboa não podemos apoiar por serem totalmente infundadas (embora se reconheça que dentro do Governo angolano e do MPLA há corruptos e corrompidos, mas nunca se pode declarar que o país é gerido por um bando de criminosos, porque tão criminosos são os ocidentais que lucram com isso), talvez seja dos mais mediáticos, juntamente com Bono e há outros milhares, menos conhecidos internacionalmente, mas cujos esforços são igualmente válidos.

Mas não é por ter um Dia da África que algo vai mudar, porque o Dia da África foi lançado como o Dia da Liberdade Africana há precisamente 50 anos, em 1958 (a data foi posteriormente renomeada Dia da Libertação Africana em 1963 quando foi fundada a Organização de Unidade Africana, organismo substituído em Julho de 2002 pela União Africana).

Há meio século atrás...e mudou o quê?

Todos os anos a Comissão da União Africana escolhe um tema para o Dia da África. Em 2006, foi “Trabalhar em conjunto pela Integração e Desenvolvimento,” em 2007 foi “Vamos fortalecer o lugar da África no mundo através de parcerias estratégicas, equilibradas e responsáveis” e este ano, é “Ir ao encontro dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio em água e saneamento.”

Bonitas palavras, boas intenções. De boas intenções, está o cemitério cheio. O Dia da África tornou-se assim numa espécie de Dia de Natal Intercontinental, um dia para enviar um cartão, abrir uma prenda e contentar-se entre um mar de banalidades que servem para tornar os outros 364 dias menos desagradáveis.

O Dia da África existe numa forma ou outra há cinquenta anos. África está na agenda dos G8 há três anos, mais que mil dias. Mas em vastos extensos do Continente, programas de educação sobre AIDS/SIDA falharam rotundamente, a pobreza extrema aumentou, a higiene comunitária não existe. As favelas crescem como cogumelos, insegurança é a palavra de ordem e a violência atinge níveis chocantes, não só em Darfur, onde o conflito entra no seu quinto ano e onde a situação continua a piorar diariamente.

A degradação ambiental chegou a proporções desastrosas, a carga de doenças está insuportável, as redes de fornecimento de água e saneamento estão a entrar em ruptura mais rapidamente do que a sua implementação, a desflorestação destrói 53 milhões de hectares de florestas por ano, todos os anos.

O acesso a serviços de cuidados de saúde e educação diminui, os preços de alimentação estão a criar uma nova geração de crianças desnutridas…de facto, a palavra que surge em relação à África, hoje, cinquenta anos depois do Dia da África não é “optimismo” mas sim “assustador”.

Por isso são horas para acções e não palavras. O Dia da África é uma desculpa para aqueles que querem gozar os africanos e bradar ao mundo que existem e daí, perpetuarem sua existência.

África deve ser muito mais do que uma palavra de ocasião para as pessoas tirarem seu proveito porque está “fiche” ir adotar um miúdo negro em Malawi ou “na moda” lucrar por estar envolvido de alguma forma no “africanismo” ou “africanidade.” Quantos serão aqueles que ganham a vida ao custo dos africanos e referem a eles como “pretos” atrás de portas fechadas?

Por aquilo que aconteceu aos Judeus, empregam a palavra “holocausto”. E os que falam mal deles são “anti-semitas.” Não racistas, mas anti-semitas.

E o Holocausto africano, a escravatura? E os séculos de imperialismo e colonialismo que criaram uma via de sentido único para os recursos africanos – para fora? E a fossa digital? E as milhões de pessoas que não têm qualquer possibilidade de colocar de forma regular comida na mesa familiar? Como podem os africanos ter oportunidades iguais quando pagam mais por menos, quando têm de pagar tarifas para vender os seus produtos, que custam mais para exportar do que os de fora serem importados, e quando os produtores do mundo “desenvolvido” (a custo de quê e de quem?) recebem subsídios para produzir – ou para não produzir?

São estas as questões fundamentais levantadas ano após ano em conferências, simpósios, reuniões e cimeiras internacionais, regurgitadas sistematicamente pelo clique de burocratas que gravitam a volta dos centros de decisões, juntamente com seus amigos não africanos. Soundbites maravilhosos.

Mas depois de cinquenta anos, e perdoem-me a expressão, depois de cinquenta anos desta MERDA, chega a altura para muito mais que promessas, pensamentos e palavras, actos e omissões. E Dias de África. E a porcaria que aproveita destes.

Timothy BANCROFT-HINCHEY

PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular