Pravda.ru

Mundo

Novorússia: Relatório de situação

22.01.2015
 
Novorússia: Relatório de situação. 21490.jpeg

Intensa operação de combate ao longo de toda a linha de contato na Novorússia. As coisas hoje parecem péssimas e há notícias de operações de combate muito intensas, particularmente de ataques de artilharia por toda a parte na Novorússia. Pelo menos, nas seguintes locações:

18/1/2015, http://vineyardsaker.blogspot.com.br/2015/01/novorussia-sitrep-intensive-combat.html


As coisas hoje parecem péssimas e há notícias de operações de combate muito intensas, particularmente de ataques de artilharia por toda a parte na Novorússia. Pelo menos, nas seguintes locações:

1) Aeroporto de Donetsk: os ucranianos atacaram com muito grande concentração de blindados e pesado fogo de artilharia. Nessa noite (hora local), todos aqueles ataques foram repelidos, mas fontes de inteligência informam sobre forte aumento no número de tanques e blindados em torno do aeroporto de Donestk. Os novorussos esperam ataques de Peski e Avdeevka.

2) A artilharia ucraniana atirou por quase todos os pontos do front. A força aérea ucraniana também lançou várias bombas de 500 kg, de alta altitude, sobre a cidade de Gorlovka.

3) Unidades novorussas estão devolvendo o fogo, e os arredores de Mariupol estiveram sob ataques da artilharia novorrussa.

4) Presidente do Parlamento Novorusso, Oleg Tsarev, declarou que suas fontes indicam que o plano ucraniano levado a Poroshenko considerava vasto espectro de opções: a melhor delas era libertar os novorrussos de todos os novorussos; a mínima era separar Donetsk de Luganks e as duas cidades, da fronteira russa.

5) Foi recuperada grande quantidade de armas fabricadas nos EUA, no Novo Terminal do aeroporto de Donestk.

6) Há relatos de que as forças ucranianas estão tentando cercar Debaltsevo.

7) Dmitrii Peskov, porta-voz de Putin, declarou que o lado ucraniano rejeitou todas as ofertas russas e não apresentaram contrapropostas. Concluiu que os ucranianos optaram por ir à guerra.

8) Encontra-se  aqui, um  mapa atualizado, em alta resolução, dos combates.

9) Os ucranianos agora estão acusando os novorrussos de usar "superarmas" em Peski.  Não, não são armas nucleares (como o ministro de Defesa Ukie afirmou que estariam sendo usadas no sul de Lugansk), mas pesados lança-chamas do tipo Buratino TOS-1. Os Ukies  falam de um "banho de sangue" em Peski, que, como noticiou J.Hawk, tradutor em ForRuss, é sinal garantido de pânico.

10) Relatos iniciais parecem indicar que os militares novorrussos entraram na cidade de Peski.

11) O chefe do Diretorado Principal de Inteligência [orig. Main Intelligence Directorate] da Força Aérea Novorrussa, general Petrov, declarou que os ucranianos reiniciaram os ataques com mísseis balísticos e que vários mísseis Tochka foram disparados hoje.

12) Zakharchenko declarou que "estamos agora engajados em pesada operação de contra-ataque, de Mariupol até Gorlovka".

Avaliação:

O que parece fora de discussão é que a junta nazista decidiu reiniciar operações de combate. Ainda falta saber se é "um" ataque ou "o" ataque, mas o fato de terem sido usados mísseis balísticos e bombardeiros parece indicar que o ataque agora é qualitativamente diferente. Tendo mais a considerar que se trate de "o" ataque.

A situação em torno do aeroporto resultou em comentários sempre muito mal informados. Vários itens esperam esclarecimentos.

a) O aeroporto de Donetsk tem valor militar zero, exceto por ser locação pesadamente fortificada perto da cidade de Donetsk. A principal importância do aeroporto é simbólica, porque foi para onde foram mandadas, para combater, as mais duras e melhores unidades ucranianas.

b) Estou convencido de que, quando o novo terminal foi tomado pelos novorrussos (o que não há dúvidas de que aconteceu e se comprova com MUITOS vídeos locais)., os generais da junta puseram-se a berras pelos respectivos telefones, exigindo contra-ataque massivo e imediato. O que aconteceu hoje. Segundo fontes novorrussas, foram repelidas seis ondas de ataques e 15 unidades ucranianas foram usadas na tentativa de retomar o terminal.

c) Não surpreende que o ataque tenha falhado. Objetivos pesadamente fortificados, como o novo terminal, não podem ser tomados por tanques e fogo de artilharia, embora possam ser bastante danificados. Esses objetivos só podem ser tomados por grupos de infantaria de assalto muito bem treinados e pesadamente armados, dispostos a combater em condições muito perigosas e difíceis. Esses grupos, muitas vezes chamados "grupos de assalto/tempestade" [orig. "assault/storming groups"] são compostos de combatentes experientes que incluem atiradores especialistas em metralhadoras, engenheiros de demolição e sapa, atiradores treinados para tiro de precisão, armas antitanques, lança-granadas, etc. Os ucranianos não contam com muitas unidades desse tipo, nem são unidades que possam ser treinadas em poucas semanas ou mesmo em poucos meses. Essa é a razão pela qual o assalto ucraniano fracassou e muito provavelmente continuará a fracassar.

Se esse foi de fato "o" ataque ucraniano tão esperado, então confirma plenamente o que todos preveem há muito tempo: os ucranianos estão apostando em grande número de tanques, blindados, peças de artilharia e soldados de infantaria, para sobrepujar as defesas novorrussas. Essa é estratégia perdedora, não só porque os combatentes novorrussos hoje já muito altamente experientes e endurecidos em combate terão desempenho sempre infinitamente melhor que os aterrorizados e embrutecidos ucranianos, com só um mês de combates no currículo, mas também porque o inevitável banho de sangue que resulta desse tipo de ataque quebrará rapidamente a moral e a vontade do lado ucraniano.

O fator mais importante aqui não é se os ucranianos perderam, mas se os novorrussos serão capazes de vencer sem força declarada de intervenção russa para ajuda-los. Meu sentimento pessoal é que sim, os novorrussos conseguirão fazer retroceder o ataque ucraniano, e a Rússia não precisará intervir abertamente (pelo que tenho ouvido, o Voentorg já está operando com plena capacidade, daí os TOS-1 em Peski).

Tenho de confessar que fico nervoso quando vejo Zakharchenko, Givi e Motorola nas linhas de frente, quase literalmente ao alcance dos rifles ucranianos de assalto. Não compreendo plenamente porque sentem que precisam fazer isso, mas sinto um nó no estômago quando os vejo, principalmente quando aparecem juntos, a apenas poucos passos um do outro. Quem for religioso, por favor reze por esses homens de coragem.

[assina] The Saker

 


Loading. Please wait...

Fotos popular