Pravda.ru

Mundo

Luta com característica de conflito de classe

20.09.2011
 

Luta com característica de conflito de classe. 15628.jpegA maior manifestação dos últimos anos, em Tessalônica, aconteceu na tarde de sábado, dia 10 de Setembro, organizada pela PAME (a Frente Militante de Todos os Trabalhadores) e as Frentes dos pequenos agricultores, dos estudantes e das mulheres da Grécia, contra as políticas predatórias do governo social-democrata, a União Europeia (EU) e o FMI.

PC da Grécia, Luta com característica de conflito de classe

A maior manifestação dos últimos anos, em Tessalônica, aconteceu na tarde de sábado, dia 10 de Setembro, organizada pela PAME (a Frente Militante de Todos os Trabalhadores) e as Frentes dos pequenos agricultores, dos estudantes e das mulheres da Grécia, contra as políticas predatórias do governo social-democrata, a União Europeia (EU) e o FMI.

A manifestação teve lugar na ocasião da abertura da Feira Internacional de Tessalônica, que foi inaugurada pelo Primeiro Ministro, que tem persistido na linha política contra o povo e os trabalhadores e anunciou novas medidas que irão encolher a renda da população.

Em sua fala, no momento da manifestação, Sotiris Zarianopoulos, membro da PAME, chamou todos os trabalhadores e todas as camadas populares para promover uma atmosfera combativa em todos os lugares, fortalecer suas lutas e preparar a próxima greve geral.

Milhares de manifestantes marcharam no centro da cidade contra o clima de medo e a intimidação que o governo busca cultivar. As tentativas de criar um cenário com incidentes em torno da manifestação da classe trabalhadora falharam. Mesmo se a mídia televisiva internacional buscasse focar, mais uma vez, na atividade provocativa de grupos pequenos, a realidade que eles queriam esconder era a de dezenas de milhares de trabalhadores que manifestavam com palavras de ordem e bandeiras militantes da PAME.

As palavras de ordem "A crise e a dívida não pertencem ao povo, elas surgiram através dos lucros do capitalismo", "O capitalismo não pode se tornar humano", "Trabalhador, sem você nenhuma engrenagem pode girar. Você pode fazer sem os chefes" ressoaram nas ruas de Tessalônica.

As manifestações da classe trabalhadora combativa aconteceram de maneira organizada e bem protegida.

Devemos notar que no sábado de manhã uma manifestação dinâmica e massiva aconteceu em Atenas, onde a Secretária Geral do CC do KKE, Aleka Papariga, participou e expressou a seguinte afirmação:

"Precisamos deixar de lado nossos medos, ilusões, hesitações, caso contrário nos encontraremos, literalmente, de costas para o muro, o povo trabalhador, a classe trabalhadora, especialmente a juventude. Neste momento a contagem regressiva deve começar pelo renascimento e pela contra-ofensiva do movimento".

Na mesma noite, na sua fala no festival KNE-ODIGITIS, em Patras, Aleka Papariga notou que "É recorrente uma séria possibilidade de que, antes que uma recuperação substancial seja feita, uma nova crise econômica, com dimensões mundiais, se manifeste. Também é possível que a competição entre estados capitalistas seja aguçada e que as forças centrífugas sejam observadas. Sem a agressiva intervenção da população os resultados serão imprevisíveis, catastróficos, e com novas conseqüências negativas. Por essa razão o povo não pode ser espectador, fatalista, sentir medo e estar desorientado".

Não é exagero dizermos que estamos assistindo uma cessação de pagamentos de salários e pensões na Grécia. Não é exagero o fato de que a Grécia estará ainda mais envolvida e profundamente ameaçada pela concorrência dos poderes imperialistas na região que, com as armas da OTAN e os mecanismos repressivos e militares da EU, intervirão, abertamente, com o intuito de adquirirem esse ou outros mercados. O perigo é grande, já que a burguesia nacional busca tomar parte, ativamente, dessa luta, indiferente aos direitos soberanos do país - leal à sua perspectiva de classe. O país é pensado de forma diferente pela população, de um lado, e pelos capitalistas e seus partidos, do outro.

Não é exagero prever que - nas condições do aumento do desemprego e da pobreza, enquanto a luta de classe está mais evidente - chegaremos à queda do governo, que os processos relativos ao chamado governo "de salvação nacional" vão acelerar ou variar em, por exemplo, alianças governamentais de centro-esquerda, etc. Pode haver rápidas alternâncias de governos, impasses conjunturais e/ou maiores impasses nas tentativas de se alcançar a estabilidade do sistema político burguês.

Nas condições em que o sistema político burguês vem sendo abalado, o povo deve estar completamente pronto para levar a situação adiante, ampliar as rupturas e os impasses do sistema, mover em contra-ataque, colocar como objetivo a superação do poder dos monopólios".

A Secretária Geral do CC do KKE afirmou ainda que "lutamos com características de conflito de classe, ruptura e superação, para que possamos ganhar tempo, para que possamos forçar o oponente, o governo, os grandes empresários e a União Europeia em um recuo temporário, pelo menos, para que possamos organizar o contra-ataque principal, com apoio e solidariedade internacional: pela superação do poder dos monopólios, pelo poder popular da classe trabalhadora, pela economia popular que fará das pessoas as donas da riqueza, protagonistas no renascimento em todos os níveis, do controle popular e da economia para o sistema político e as relações internacionais do país".

 

Fonte: PCB

 


Loading. Please wait...

Fotos popular