Pravda.ru

Mundo

Como funciona o processo eleitoral nos EUA?

02.02.2008
 
Pages: 123
Como funciona o processo eleitoral nos EUA?

Lisa Karpova, correspondente da Pravda.Ru (Estados Unidos da América e Canadá) esclarece o processo eleitoral nos Estados Unidos da América, levando-nos numa viagem através do complexo sistema desde o início até ao fim. Palavras como “caucus”, “primário” e “candidato assente” finalmente começam a fazer sentido.

Como começa o processo eleitoral?

Tecnicamente, qualquer pessoa que nasceu nos EUA, que tem pelo menos 35 anos e que reside nos EUA durante pelo menos 14 anos pode candidatar-se para a Presidência. Contudo, isso envolve enormes recursos financeiros. Quando o candidato tenha decidido entrar na corrida, tem de angariar um certo número de votos em cada Estado, que é uma tarefa quase impossível para quem não pertença aos dois partidos principais, pois só um grande financiamento pode pagar despesas de spots na rádio e televisão, viagens e anúncios impressos. Hoje, são precisos entre 250 a 25.000 assinaturas, dependendo do Estado. O apoio de um dos dois grandes partidos (Democrata e Republicano) garante, além do financiamento, reconhecimento ao nível nacional e o apoio do aparato partidário no processo de obter votos.

Para os candidatos que são militantes dos partidos, fazem um anúncio formal da sua candidatura. Depois, é angariado o apoio de sindicatos, corporações, organizações e indivíduos para financiar as campanhas. Depois de 9 meses de angariar fundos, os candidatos de 2008 já têm cerca de 420 milhões de dólares, cifra que parece estar na senda de uma quantia recorde, de 1 bilião.

Nos anos 70, os legisladores tentaram reduzir a importância do dinheiro, por providenciar um sistema de financiamento limitado, oferecendo fundos iguais do orçamento federal para todos os candidatos. No entanto, os candidatos principais optaram para sair deste sistema, pois conseguem juntar muito mais através de medidas particulares.

Podemos então concluir que a Presidência, e o Governo, são controlados por elitistas corporativos?

Sim, quer a Presidência, quer o Governo, são controlados por elitistas corporativos. Indivíduos abastados e corporações com dinheiro e poder têm e exercem pleno controlo sobre a imprensa e os meios de comunicação social nos EUA, e sobre os representantes eleitos que definem a política. São eles que financiam as campanhas dos candidatos.

E qual é o sistema de registo para os eleitores?

Para os eleitores, a maioria dos Estados usam os mesmos métodos, basicamente, para o processo de registo. Os eleitores têm de ser cidadãos dos EUA, devem ter pelo menos 18 anos de idade na data da eleição e devem apresentar provas da sua residência se estas forem pedidas. O registo pode ser feito pelo correio, online ou por aparecer pessoalmente em locais designados e assinar o devido formulário.

Alguns Estados requerem que os eleitores seleccionem uma preferência para um dos partidos quando registam – Republicano ou Democrata. Se um eleitor não quer escolher estes dois partidos ou se quiser votar como independente, alguns Estados irão excluí-lo do processo de votação nos caucuses ou primários, enquanto outros Estados permitem aos independentes acesso a este processo.

Então só há três escolhas para Presidente – Republicano, Democrata ou Independente?

Não, pode escrever no boletim de voto o nome de qualquer pessoa, até o nome do próprio eleitor, se for registado. Há outras formações políticas mas nenhum partido além dos dois grandes ficou perto de montar um desafio ao sistema bipartidário. Outros partidos que apresentam ou que têm apresentado candidatos são por exemplo Bull Moose Party, Communist Party, American Independent Party (George Wallace), Libertarian Party, Green Party (do ambientalista Ralph Nader), US Taxpayers Party, Socialist Workers’ Party, Prohibition Party , Socialist Party USA , Reform Party (do milionário Ross Perot) entre muitos outros.

Para ter uma ideia sobre como é apresentar uma candidatura alternativa, Brian Moore, do Socialist Party USA foi ameaçado pelo gerente dos supermercados Hannaford em Brattleboro, Vermont – mandou ao Moore sair do parqueamento, porque era propriedade particular. Moore recusou, dizendo que tinha o direito de participar num processo democrático numa área pública. Dois carros policiais chegaram e os agentes ameaçaram que iriam prendê-lo. Só depois de telefonarem ao Procurador, é que Moore recebeu permissão de continuar a sua actividade política.

Então o sistema favorece os dois partidos principais?

Sim porque só eles têm acesso, de facto, aos eleitores. A comunicação social dá pouca ou nenhuma importância aos outros candidatos e não se ganha eleições sem uma exposição massiva nos meios de comunicação. Os eleitores nos EUA são muito influenciados pela imagem e personalidade do candidato e a comunicação social pode criar, ou quebrar, uma candidatura.

Além disso, a dificuldade de entrar nos boletins de voto em cada Estado é outra barreira criada pelos dois partidos principais para manter terceiros fora do campo de jogo. Tem havido processos legais para limitar estas barreiras mas estas existem e são impossíveis de ultrapassar.

Agora, nesta fase, há caucuses e primários. São a mesma coisa?

Pages: 123

Loading. Please wait...

Fotos popular