Pravda.ru

Mundo

Porto Rico encerra seu ano mais convulsivo em mais de meio século

02.01.2020
 
Porto Rico encerra seu ano mais convulsivo em mais de meio século. 32398.jpeg

Porto Rico encerra seu ano mais convulsivo em mais de meio século

Por Néstor Rosa-Marbrell San Juan, (Prensa Latina) Porto Rico encerrou nesta terça (31/12) seu ano mais turbulento em meio século, com uma revolta popular em julho que levou à derrubada do g vernador Ricardo Rosselló Nevares, um evento sem precedentes na história nacional.

Fatigado pelas ações de corrupção, violência contra a mulher e precariedade em mais da metade da população, o governador Rosselló Nevares não conseguiu cumprir uma única de suas promessas eleitorais e, pelo contrário, exibiu uma bonança enquanto As pessoas sofreram necessidades.

Com esta ilha do Caribe, submetida por 121 anos ao domínio colonial dos Estados Unidos, após mais de uma década de desastre econômico, uma falência fiscal e a devastação causada em setembro de 2017 pelos sucessivos furacões Irma e María, o cinismo de governante e parte de seu círculo de conselheiros íntimos serviu de gatilho para a luta social.

A indignação popular atingiu seu auge em julho passado, quando, após doze dias de luta nas ruas, principalmente na parte antiga de San Juan, o governo começou a entrar em colapso e, do ambiente anexacionista, eles temiam o pior, pressionando Rosselló Nevares a para enfrentar a situação.

Anteriormente, o Coletivo Feminista em Construção estabeleceu uma luta sistemática que tornou possível aumentar a conscientização entre amplos setores da população porto-riquenha sobre a indolência do governo em face dos feminicídios e a inação das autoridades.

A queda de Rosselló Nevares, com sua renúncia em 3 de agosto, cercada por indignação popular e pressão dos setores oligárquicos à paralisia gerada pelos protestos, marcou um marco na história de Porto Rico.

Ao contrário da década de 50 do século passado, quando o nacionalismo promovido pelo herói Pedro Albizu Campos (1891-1965) teve que usar armas contra o despotismo, desta vez a violência veio principalmente de forças policiais com uma resposta menor dos milhares de manifestantes.

A renúncia de Rosselló Nevares causou um vazio, pois, embora ele tivesse nomeado um secretário de Estado, Pedro Pierluisi, seu juramento clandestino ao governo na casa de sua irmã foi declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal de Porto Rico, não tendo o Aprovação do Senado.

Pierluisi substituiu o renunciado Luis G. Rivera Marín por sua participação em um bate-papo no Telegram, no qual a mulher porto-riquenha, os pobres e até as vítimas mortais do furacão Maria foram insultados, ela não teve escolha a não ser se matar depois de cinco dias na cadeira do governador.

A secretária de Justiça, Wanda Vázquez Garced, passou por ordem constitucional à governadoria e, embora tenha sido repudiada pelas massas, foi finalmente aceita antes da luta no Novo Partido Progressista (PNP) anexacionista que previa a possibilidade de o delegado o Congresso federal, Jenniffer González Colón, terminará no comando do país.

Vázquez Garced, que disse que cumpriria apenas o mandato constitucional, agora está emergindo como o principal candidato a governador pelo PNP, ironicamente, em disputa com Pierluisi e outros dois candidatos.

As eleições gerais programadas para novembro deste ano de 2020 não apenas marcam uma mudança de paradigma em Porto Rico, mas haverá, além dos partidos democráticos populares tradicionais (PPD), defensor do status quo, e Independente porto-riquenho (PIP), participação do Victoria Citizen Movement (MVC), eclético, e o conservador Proyecto Dignidad.

http://www.patrialatina.com.br/porto-rico-encerra-seu-ano-mais-convulsivo-em-mais-de-meio-seculo/

 


Fotos popular