Pravda.ru

Desporto

França 0 Uruguai 0: A organização de Tabarez

11.06.2010
 
França 0 Uruguai 0: A organização de Tabarez

O Grupo A completou o seu primeiro dia de jogos com outro empate, desta vez um caso sem gols entre Uruguai, organizado e uma equipe francesa jogando com paixão, mas sem talento. O técnico uruguaio Oscar Tabarez voltou a criar uma equipa a jogar em unidade e com inteligência.


A primeira parte foi equilibrada, França avançando mais de Uruguai, mas com a equipa da América Latina conseguindo manter a sua defesa de seis homens organizados e atrás da bola, fechando os espaços aos atacantes franceses e restringindo-os a remates de longe que não causaram problemas para Muslera.


A melhor chance da primeira parte foi da França, aos 6 ', quando Govou perdeu a bola frente à baliza de Muslera. Nessa altura o plano do jogo do Uruguai era evidente. Foi bloquear a área na frente do gol com uma defesa organizada e sair com contra-ataques relâmpago tentando encontrar Diego Forlan. O avançado de Atlético de Madrid, duas vezes vencedor da Bota de Ouro na Europa (melhor marcador) mostrou porque é tão respeitado depois de 16 'e 23', em primeiro lugar quando o seu remate foi bloqueado e depois, quando ele corria para a defesa, encontrando um defesa a mais.


A França teve dois cartões amarelos evitáveis, o primeiro para o Capitão, Evra e, em seguida, Ribery, por puxar camisas, incidentes de que a equipe pode se arrepender mais tarde.


Tabarez, seleccionador nacional do Uruguai em 1990, a última vez que este país tinha passado da fase de grupos do campeonato, mandou o time para o elvado depois do intervalo procurando o gol. Uruguai começou mais rápido e mais objectivo, mas a pressão foi momentânea e não deu em nada.


Depois de 60’, a França começou a avançar, mas sempre esbarrou na barreira de seis ou sete homens. Ribery falhou seu remate na frente da baliza e em resposta, uma incursão rara do Uruguai viu Forlan chutar seu tiro livre diretamente para Lloris.


Com o impasse ameaçando ser o cenário mais provável, começaram as substituições, previsivelmente, aos 70 ', com vinte minutos para jogar. Anelka foi substituído por Thierry Henry, maior artilheiro da França e herói de quatro Copas do Mundo (1998, 2002, 2006, 2010). Forlan, o homem do jogo para FIFA, quase imediatamente, respondeu com a melhor chance do Uruguai e a única oportunidade clara de gol da segunda parte, tiro ao lado, frente à baliza.


Depois disso, táticas. Para o Uruguai, Tabarez respondeu por tirar Suarez e envio Abreu para o relvado. Da França, Raymond Domenech enviou Malouda para o jogo e tirou Georcuff, tentando refrescar o ataque francês e aos 80, um momento de loucura viu o uruguaio Lodeiro, que chegou em como substituto para o I. Gonzalez vinte minutos mais cedo, receber seu segundo cartão amarelo por jogo violento contra Sagna - e primeiro vermelho do torneio.


Uruguai controlou o resto do jogo, defendendo com dez homens. Cinco minutos antes do final, Domenech lançou Gignac, tirando Govou, Tabarez tirou Perez e mandou Eguren para o campo.


Não foi bem um caso de uma força irresistível contra uma massa imóvel, mais uma França sem brilho mas jogando bem, faltando idéias para quebrar um resoluto e determinado, organizado Uruguai, cujo contra-ataque, se a defesa mantiver uma folha limpa, poderia fazer danos.


As equipas/equipes
França:
Lloris, Sagna, Abidal, Gallas, Ribery, Georcuff (Malouda), Govou (Gignac), Evra, Toulalan, Diaby, Anelka (Henry)
Cartões amarelos: Evra, Ribery, Toulalan


Uruguai: Muslera, Lugano, Godin, Victorino, Suarez Abreu () Forlan, A. Pereira, Perez (Eguran), M. Pereira, Arevalo Rios, I. Gonzalez (Lodeiro)
Cartões amarelos: Lugano, Victorino, Lodeiro (2)
Cartão Vermelho: Lodeiro (2 amarelos)

Traduzido da versão inglesa por

Ekaterina SANTOS

Autor:
Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular