Pravda.ru

CPLP » Brasil

Brasil: Pelo menos, estabilidade

22.09.2006
 
Pages: 123
Brasil: Pelo menos, estabilidade

Pesquisa Mensal de Desocupação

Base: Agosto de 2006

Em agosto, desocupação foi de 10,6%

Em agosto, a taxa de desocupação no conjunto das seis regiões metropolitanas (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) investigadas pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE foi estimada em 10,6%, ficando estável em relação a julho (10,7%). Já em relação agosto do ano passado, quando a taxa foi de 9,4%, houve alta de 1,2 ponto percentual. O contingente de desocupados (2,4 milhões) permaneceu estável na comparação mensal, mas em relação a agosto de 2005, a expansão foi de 17,2%, o que representa, aproximadamente, mais 355 mil pessoas procurando trabalho. Já o rendimento médio da população ocupada (R$ 1.036,20) cresceu 0,7% em agosto, após cair 0,7% em julho. Em relação a agosto de 2005, o rendimento da população ocupada cresceu 3,5%.

A PME revelou que, em relação ao mesmo mês do ano passado, foi registrado um crescimento de 2,2% no número de pessoas em idade ativa, apontando um contingente de 39,7 milhões de pessoas no agregado das seis regiões metropolitanas em agosto. A pesquisa registrou aumento na taxa de atividade (57,6%) na comparação anual (1,1 ponto percentual).

Em relação à população ocupada (20,5 milhões), a pesquisa apontou aumento na comparação mensal (1,1%), ou mais 226 mil pessoas ocupadas em um mês. Em relação a agosto do ano passado a ocupação cresceu 2,8%.

O emprego com carteira de trabalho assinada no setor privado, em relação a agosto de 2005, cresceu 5,9%. São aproximadamente mais 472 mil ocupados inseridos desta forma no mercado de trabalho. No agregado das seis regiões, na comparação mensal, apenas o grupamento de atividade outros serviços apresentou alteração, crescendo 2,5%. Na comparação anual, destacam-se o desempenho dos grupamentos de atividade comércio, reparação de veículos automotores e de objetos pessoais e domésticos e comércio a varejo de combustíveis e serviços doméstico e outros serviços que apresentaram crescimento de 4,2% no contingente de ocupados.

Regionalmente, na comparação com julho, foi observada estabilidade em todas as regiões pesquisadas. No confronto com agosto de 2005, duas regiões metropolitanas apresentaram alteração neste indicador: Recife (de 13,4% para 14,9%) e São Paulo (de 9,4% para 11,6%). Nas demais regiões o quadro foi de estabilidade.

População em Idade Ativa (PIA)

Em agosto, foi estimado pela Pesquisa Mensal de Emprego um contingente de aproximadamente 39,7 milhões de pessoas em idade ativa (pessoas de 10 anos ou mais de idade) para o conjunto das seis regiões metropolitanas. Esta estimativa apresentou alta em relação a julho. Na comparação com agosto de 2005, o aumento foi de 2,2%, ou seja, um acréscimo de 849 mil pessoas em idade ativa.

Na análise por sexo, constatou-se que as mulheres representavam, em agosto de 2006, a maioria da população em idade ativa (53,4%), enquanto os homens, 46,6%. A população em idade ativa estava distribuída, segundo a faixa etária, da seguinte forma: 9,7% de 10 a 14 anos, 5,8% de 15 a 17 anos, 14,8% de 18 a 24 anos, 44,4% de 25 a 49 anos e a população de 50 anos ou mais representava 25,3%. O grupo de jovens de 16 a 24 anos, representava, em agosto de 2006, 18,7% da PIA.

Pessoas Economicamente Ativas (PEA)

O contingente de pessoas na força de trabalho foi estimado, para o agregado das seis regiões, em agosto de 2006, em 22,9 milhões, apresentando alta em relação a julho (1,0%). Na comparação com agosto de 2005 também foi registrado crescimento (4,2%), ou seja, 913 mil pessoas.

Regionalmente, na comparação com julho, foi constatada estabilidade no contingente de pessoas economicamente ativas em todas as regiões metropolitanas pesquisadas. Frente a agosto de 2005, foi verificada variação nas regiões metropolitanas de Recife (2,9%), Belo Horizonte (8,9%), Rio de Janeiro (3,2%), São Paulo (4,6%) e Porto Alegre (3,3%). Salvador não apresentou alteração. Ainda em agosto de 2006, constatou-se que os homens continuavam a representar a maioria da população economicamente ativa (54,5%).

Foi observada estabilidade na taxa de atividade (57,6%) (proporção de pessoas economicamente ativas em relação ao número de pessoas de 10 anos ou mais de idade) em relação a julho de 2006 (57,2%). No confronto com o mês de agosto de 2005 (56,5%), o movimento foi de alta (1,1 ponto percentual).

Regionalmente, em relação ao mês anterior, a taxa de atividade apresentou estabilidade em todas as regiões. Na comparação anual foram verificadas alterações nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte (de 55,9% para 59,5%) e do Rio de Janeiro (de 53,9% para 54,9%), as demais regiões não registraram movimentação.

População Ocupada (PO)

Em relação a julho, o contingente de ocupados cresceu 1,1%, o que representa 20,5 milhões em agosto de 2006. No confronto com o mesmo mês do ano anterior, a população ocupada também cresceu 2,8%.

Pages: 123

Loading. Please wait...

Fotos popular