Pravda.ru

CPLP » Brasil

Petrogolpe, o Brasil no fundo do poço

22.05.2016
 
Petrogolpe, o Brasil no fundo do poço. 24385.jpeg

Petrogolpe, o Brasil no fundo do poço

Amigos de fora e daqui do Brasil têm me enviado suas indignações em relação ao golpe do impeachment sem crime algum por parte da presidenta Dilma Rousseff. O descaramento é tão grande que faz muita gente imaginar a possibilidade de um golpe dentro do golpe. A evidência da participação dos interesses do capital petrolífero internacional é clara para todos os observadores, e muitos deixam nas entrelinhas minhas próprias preocupações.

por Raul Longo

Já se entende Temer e quadrilha como uma equipe de desmonte, sucateamento. São os cães lançados para acuar e imobilizar a presa. Os verdadeiros donos do golpe estão a caminho e quando chegarem como salvadores da vida do caçado, recolherão os sabujos atraindo-os com ossos, para passar algum unguento na carne dilacerada pela voracidade dos quadrilheiros e depois nos entregarão ao feitor que dará continuidade ao trabalho interrompido em 2003, quando, segundo o Fernando Henrique, José Serra era quem queria entregar Petrobras com se pode ver em:

a)    FHC e Serra queriam privatizar a Petrobras, com Lula ela encontrou o Pré-Sal!  

b)    José Serra, serviçal dos EUA, quer entregar o Pré-Sal aos americanos

c)     pré-sal : José serra quer entregar o petróleo brasileiro para os americanos

Conhecemos FHC e Serra e sabemos bem desse joguinho de esconde-esconde com que brincam há muito tempo. E hoje com o Michael Temer. Mas... até quando?

A quadrilha do Temer terá condições de chegar até 2018? Estão aí com PF, MP, STF e demais instituições garantindo-os momentaneamente, porém, por tudo o que leio e me escrevem, e falam, sobre as impressões da imprensa e opinião pública internacional, não é de se acreditar sequer que a caterva do Temer chegue ao final do período de afastamento da Presidenta Dilma. E se acredita que, antes do final desse prazo, Dilma será afastada definitivamente, mas não para Michael Temer ser definido como presidente, e, sim, para que o representante direto dos interesses dos espoliadores internacionais seja empossado através de convocação de fraudulentas eleições extraordinárias, ou imposto como salvador do país do caos em que eles mesmos vêm nos afundando lentamente desde junho de 2013, quando ainda acreditavam na possibilidade de eleger o Aécio em 2014.

Pelo que casal de amigos meus de Phoenix relata, a oportunidade para o Aécio já expirou. Ou devo dizer que ele próprio a inspirou pelo nariz, pois ali a opinião pública não admitirá qualquer apoio, seja estatal ou privado, a um movimento golpista que repasse o comando do maior país do hemisfério sul a quem consideram como o novo Pablo Escobar da América Latina.

Outro amigo, jornalista na Europa, brincou escrevendo que, se puserem o Aécio de presidente, certamente convencerá seu editor a enviá-lo para investigar as denúncias e a morte do Lucas Arcanjo, o que só não conseguiu porque, com o golpe, quando mataram o Lucas Arcanjo, o que interessava muito mais do que os crimes do Aécio era o Eduardo Cunha, Renan Calheiros e o Michael Temer. Desiludi o amigo da possibilidade de visitar-me em função do Aécio, que inspirou a própria reputação, expirando qualquer oportunidade de vir a ser presidente. E sugeri que cave alguma razão para vir documentar a imposição da presidência por José Serra, estratégica, e, por evidências que dispensam comentários, nomeado Ministro das Relações Exteriores.

Ao amigo parece estranho isso de um chanceler virar presidente, e escrevi explicando que não têm outro nome para representar o capital estrangeiro mais confiável do que o de FHC, que tem em Serra sua extensão biônica. Talvez o Aloysio Nunes. Feio por feio, tanto faz, mas ainda que física e moralmente monstrengos, Serra é mais conhecido nacionalmente. O que não quer dizer que seja menos rejeitado em qualquer outro Estado do Brasil que não seja o de São Paulo.

Mas a grande questão daqui pra frente serão as manifestações de rejeição ao golpe. E será ainda mais engrandecida quando todos os olhos se voltarem ao Brasil pelas Olimpíadas. Previsivelmente, o que já impactou a opinião internacional continuará crescendo quanto mais o governo Temer for atendendo à voracidade de sua quadrilha. Claro que culpará o governo Dilma por medidas impopulares, como a CPMF, contra a qual se opunham. Claro que os idiotizados e boçais da classe média vão entrar em mais esta conversa a ser manipulada pelos canalhas. Mas até quando? Até quando vai demorar para cair a ficha dos arregimentados pelas mobilizações de coxinhas?

Na verdade, isso não importa muito, mas acabará acontecendo e quando acontecer engrossará a indisposição dos decepcionados que se somarão aos indignados pela suspensão das investigações dos corruptos, todos alcovitados no "novo governo".

Ridiculamente a OAB está pedindo a destituição do Romero Jucá e do Henrique Alves por envolvimento na Lava Jato. Mas... e os outros? E o próprio Temer figurando na planilha da Camargo Correa, apreendida durante a Operação Castelo de Areia, em que, em seu nome, constava a importância de US$ 345 mil? Na prisão dos diretores da mesma empresa pela Lava Jato, além de vários nomes de tucanos, também há o pmedebista Michel Temer como beneficiário de US$ 58 milhões. 58 milhões de dólares!

No depoimento de Júlio Camargo, Fernando Baiano representava os interesses em propinas de Renan Calheiros, Eduardo Cunha e Michel Temer.

O próprio Rodrigo Janot revelou que Temer recebeu no mínimo R$ 5 milhões da OAS. E no celular do José Aldemário Pinheiro se encontrou a gravação da voz do Eduardo Cunha reclamando com Aldemário por haver pago esses 5 milhões a Temer de uma só vez e ter parcelado a parte dele, Cunha. A do Renan também foi parcelada, mas entre golpistas cada qual que cuide do seu, pois só são parceiros na aplicação do golpe e não para cuidar do que não é do exclusivo interesse próprio, pessoal e intransferível. Mas, se o parceiro não defende o caído, que se cuide, pois a deduragem é a vingança. E nunca foi do caráter de gangster algum perdoar aqueles que abandonam o parceiro ferido.  

Delcídio Amaral envolveu Temer em compra ilícita de etanol. Jorge Zelada e João Augusto Henriques, considerado o real coordenador do esquema de corrupção na Petrobrás, alcançaram cargos de diretoria na empresa por apadrinhamento de Temer. Mas nada disso é tão significativo quanto o que sem dúvida Eduardo Cunha tem de informações. Como ele disse: "Acabo com o governo que ainda nem começou". Agora já começou, mas como dizia o samba do Billy Blanco: "Quanto maior o coqueiro, maior é o tombo do coco".

Daí bastante compreensível a suspenção da Lava Jato pelo Sérgio Moro, mas Moro não é homem do Temer. Moro e esposa são do PSDB, são da quadrilha do FHC. Até quando Temer e PMDB dançarão a música da orquestra de FHC, Serra e PSDB? Quando o maestro FHC ordenará o acorde para rodopiar seu par e enconchá-lo pelas costas?

Fico na dúvida: será enconchar, de dar o formato de concha, mas também ensimesmar e isolar; ou será encouchar de agachar, abaixar, mas também deprimir e humilhar? No segundo caso, talvez a palavra provenha decoucher que no francês é colocar na horizontal, o que denota a inevitabilidade de um estupro.

Mas por enquanto a única estuprada é a pátria, pois entre eles o ato continua consentido. No entanto bem logo a dança se tornará um cabo de guerra com PSDB puxando de um lado pelo Moro e o PMDB do outro com os segredos de Cunha sobre a Telerj, entre outros compartilhados pela união de interesses de ambas as gangues.

Nada se sabe do que o Cunha tenha a respeito da Telerj, mas dá para avaliar o tamanho da coisa pelo silêncio do FHC, sempre tão presto aos palpites próprios do seu proverbial e professoral megaego. Se pode calcular pela publicação da cartilha do golpe em 2011, quando toda a mídia impressa exaltou sua obra prima "O Papel da Oposição!". Imaginem a dor do silêncio de um megalomaníaco que se promove até através de estratégia de golpe!

Parecia tão absurdo que cometemos a enorme burrice de não levar a burrice a sério. Aí está o resultado: tucanos têm o Judiciário, e o PMDB tem o Legislativo. Enquanto disputam o Executivo que em verdade está vazio, porque numa única cadeira não cabem as duas bundas, o que temos nós, agora que deram o golpe e nós tiraram o poder que tínhamos?

Apenas as ruas. Mas atenção! Os verdadeiros donos do golpe sabem do valor e peso do poder das ruas e presumivelmente já têm algum Lincoln Gordon em ação junto às Forças Armadas, pois não é difícil se prever que as ruas serão ocupadas não apenas por contrários ao golpe, mas também por decepcionados e arrependidos, os mesmos usados desde 2013 para a consecução do golpe, e esses, sentindo-se traídos, virão com indignação redobrada. Imaginem a quantidade de Lobões reclamando por os terem tirado para otários?

E parte deles será usada para assoprar a frágil cabana do PMDB de Temer. O partido é grande, mas são grandezas regionais e nenhuma nacional. O PMDB nunca venceu uma eleição nacional! Além do Roberto Requião, quem mais o PMDB tem para segurar o vendaval armado pelo pretenso aliado? E quando tudo começar a voar, para onde voarão os porquinhos?

É aí que mora o perigo e as esperanças do PSDB de olhos, narizes, bocas e portas bem abertas para acolher os porquinhos que não hesitarão em deixar Chapeuzinho Temer tão abandonado na floresta quanto Cunha teme que lhe façam o mesmo.

Por enquanto, as fichas sujas dos dois partidos os unem pelo mesmo interesse de escapar das investigações de corrupção e assim vão melando o outro poder, o Judiciário. Entretanto, além de previsíveis divergências por interesses convergentes, mesmo que safos do Judiciário, a proximidade acabará melando uns aos outros perante o juiz maior: o povo nas ruas. E nem Legislativo, nem Judiciário, muito menos um Executivo espúrio e ilegal, será capaz de governar o povo nas ruas.

Povo nas ruas é totalmente ingovernável e sem alguém duvida disso que vá perguntar aos remanescentes da ditadura finda com o movimento das Diretas Já, apesar das Forças Armadas ter controlado o povo nas ruas por 21 anos.

Ainda assim, o poder das Forças Armadas é o único que pode conter o poder do povo nas ruas e os verdadeiros donos do golpe sabem disso. No entanto a qual ou a quem das Forças Armadas o PMDB atrai? Alguma vez atraiu?

Difícil imaginar que alguém do PMDB possa ser o Lincoln Gordon do momento.

E o FHC? O grande articulador da mídia e do Judiciário? Do Civita ao Marinho, do Sérgio Moro ao Gilmar Mendes? E do Japa contrabandista e demais da PF também. Mas quem FHC tem no Exército?

O histórico das relações de FHC no meio militar nunca foi das melhores. Lembre-se de que apesar do que contam Frances Saunders e Brigitte Leoni sobre a contratação de FHC pela CIA em 1969, em nenhum momento alguém das Forças Armadas lhe denotou qualquer apreço, seja durante a ditadura ou em seus 8 anos de governo.

Milicanalhas da ditadura ainda hoje o desprezam, mas mesmo entre os militares menos imbecis e sobretudo entre os realmente patriotas, a abjeção remonta a preservação da admiração por seu pai e o tio, ambos generais. No meio militar sempre correu a boca pequena a vergonha e desconfiança que sentiam pelo caráter do ovelha negra da família.

Compreensivelmente não propagavam a aversão ao filho e sobrinho, mas nunca o recomendaram e, quando necessário, tanto o General Leônidas quanto o General Felicíssimo, ambos não se furtaram a reconhecer o mau caráter de que ele é dotado, conforme relata Rômulo de Almeida, um dos idealizadores da Petrobras, que garante ter ouvido do General Leônidas: "Rômulo, estou preocupado. Esse meu filho não têm um bom caráter". E o portador de uma mensagem ao General Júlio Horta Barbosa conta que, ao consultar Felicíssimo sobre a possibilidade de enviá-la através do sobrinho, ouviu do tio: "Não faça isso. Não mande por ele. Meu sobrinho não é confiável".

Tanto Leônidas quanto Felicíssimo inscrevem-se com muito respeito na história do Exército brasileiro, sobretudo por ambos terem participado ativamente da campanha do O Petróleo é Nosso, sendo que Felicíssimo recebeu a alcunha de "General Petróleo". Em psicologia militar se entende que tão preservado respeito hierárquico advém do patriarcalismo familiar. Um filho que não respeita ao próprio pai é inadmissível e, mais que isso, um filho que trai o próprio pai, abominável.   

Por mais canalhas que tenham sido os militares que comandaram a ditadura e ainda que seu mentor, o General Golbery do Couto e Silva, fosse funcionário da Dow Chemical Company, todos sabiam que provocariam uma séria convulsão na própria instituição das 3 armas, sobretudo o exército, se pretendessem entregar a Petrobras como o querem FHC e José Serra, até porque, além do pai e do tio a quem FHC trai desavergonhadamente,  a campanha O Petróleo é Nosso surge como reação ao Estatuto do Petróleo, pelo qual o então presidente, General Eurico Gaspar Dutra, igualmente a FHC pretendia entregar ao capital estrangeiro alterando o previsto na Constituição de 1946.

Como reação promoveram uma série de palestras no Clube Militar em favor do monopólio estatal. O General Juarez Távora foi o representante isolado do entreguismo. No entanto, nem mesmo quando ministro no governo da ditadura militar, Juarez Távora ousou retornar ao assunto, pois a vitória do grupo nacionalista, lá em 1946, sob a liderança do General Horta Barbosa, foi inequívoca.

Há um equívoco muito comum que é a afirmação de que a campanha O Petróleo é Nosso foi criada pelo escritor Monteiro Lobato. Lobato foi, sim, um precursor do movimento durante a polêmica culminada com a famosa Carta à Getúlio, mas na década de 30 o assunto ainda era um segredo de estado, e a insistência de Lobato com os livros O Escândalo do Petróleo e Poço do Visconde comprometia a estratégia de escamotear o potencial brasileiro dos interesses estrangeiros. Até hoje isso ainda não foi totalmente compreendido, e muitos continuam se surpreendendo pelo fato de Lobato ter sido preso exatamente por Horta Barbosa, que sete anos depois lançou no Automóvel Club do Rio de Janeiro a Campanha do Petróleo.

Depois o movimento assumiu como título a frase proferida por Getúlio Vargas em 1941 por ocasião da descoberta da reserva petrolífera de Candeias, no Recôncavo Bahiano: "O petróleo é nosso".

Mas resta saber com quantos petrodólares se financia um petrogolpe.

_________________________________________________

Ilustração: AIPC - Atrocious International Piracy of Cartoon

 


Loading. Please wait...

Fotos popular