Pravda.ru

CPLP » Brasil

O Senado na terra do salve-se quem puder

20.10.2017
 
O Senado na terra do salve-se quem puder. 27517.jpeg

O Senado na terra do salve-se quem puder

A sabedoria popular ensina que em casa onde falta pão todo mundo briga e ninguém tem razão. No Brasil de 2017, o desemprego em alta e o salário em baixa explicam a falta de pão à mesa de muitos brasileiros.

Mas não é a única carência essencial. Também falta o pão da política civilizada, que são princípios e valores democráticos.

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Um ano e seis meses depois do golpe que afastou Dilma Rousseff, as sucessivas operações de guerra para construir uma ordem econômica e política em desacordo aberto da vontade da maioria da população transformaram a Constituição num farrapo sem valor real, que cada parte procura utilizar de acordo com a própria conveniência, o que pode variar de acordo com o momento e o personagem envolvido.

Assim, o mesmo Senado que em novembro de 2015 submeteu-se ao STF e manteve o senador Delcídio do Amaral na prisão, sem nenhuma base que justificasse medida tão drástica, na noite de ontem assegurou os 44 votos que permitiram o retorno de Aécio Neves às suas funções.

Por um lado foi a recusa ao absolutismo judicial.

De outro, foi um escárnio.

Pode-se medir a gravidade da crise de um país quando não há alternativas aceitáveis para se resolver as questões que importam. Compreende-se, por isso, o voto do Partido dos Trabalhadores, ontem. Os senadores votaram em bloco mas foi um voto estilhaçado do ponto de vista político.

Embora o confronto com o Judiciário seja a prioridade absoluta no período - a começar pela defesa da candidatura Lula -, quando a presunção da inocência será uma questão em todos os debates, o partido não podia deixar de votar contra Aécio, o execrável rosto visível do golpe.

A partir da queda de Dilma, sem crime de responsabilidade, desastre realimentado por um rolo compressor de medidas anti-nacionais e anti-sociais que vieram a seguir, entramos no ambiente do salve-se quem puder.

O vale-tudo é sempre um risco para os mais fracos.

Ninguém deixará de recordar que, dias depois da aparição inaceitável do vulto de uma intervenção militar, em linha direta com o ideário de 64, ganhou corpo em outros círculos a visão de uma intervenção militar supostamente de esquerda, nacionalista - numa reencarnação do imaginário "esquema militar" de Jango que iria proteger o país contra uma conspiração civil-militar de verdade, em curso nos quartéis e gabinetes de empresários.

A noção de que os fins justificam os meios é uma tese complicada do ponto de vista histórico e já pregou muitas peças na maioria de seus defensores.

Isso porque não é uma opção ao alcance de todos, mas apenas de quem dispõe dos meios para alcançar os fins desejados e é capaz de entrar numa luta com outros códigos, sem garantia de tratamento civilizado aos sobreviventes.

Aos demais, cabe a opção de respeitar os caminhos da democracia e a articulação de forças capazes de dar voz e poder as maiorias, pois esta é sua chance única. O risco é estimular atitudes e reações que, cedo ou tarde, se voltarão contra eles próprios.

Fonte

 


Loading. Please wait...

Fotos popular