Pravda.ru

CPLP » Brasil

Heliópolis emociona crítica em Locarno

16.08.2015
 
Heliópolis emociona crítica em Locarno. 22752.jpeg

Filme emocionante mostrado hoje para a crítica, Heliópolis vai encerrar o Festival Internacional de Cinema neste sábado com projeção no telão de 300 m² da Piazza Grande, diante de oito mil pessoas.

Dirigido por Sérgio Machado, produzido por Fabiano Gullane, mostra o processo romanceado da formação da Orquestra de música clássica de Heliópolis com jovens da favela desse nome, perto do bairro paulistano do Sacomã.

A Orquestra Sinfônica de Heliópolis começou a ser formada há vinte anos e hoje se apresenta com regularidade na Sala São Paulo, ao lado da Estação da Luz, na capital paulista, com tournés pelo Brasil e Exterior. Os jovens favelados com talento musical revelaram-se dedicados no aprendizado de seus instrumentos, porém inicialmente não sabiam ler o pentagrama, claves e notas das partituras musicais.


legenda fotos O aator Lázaro Ramos vive o maestro Silvio Baccarelli, ensinando música clássica para jovens da favela de Heliópolis

Tudo começou quando, em 1996, o maestro Silvio Baccarelli viu pela televisão um incêndio na favela Heliópolis e decidiu dar cursos grátis de formação musical e instrumentos musicais aos filhos dos favelados. O primeiro grupo formado tinha 36 alunos, atualmente a Orquestra Sinfônica contra com mais de noventa músicos e é regida regularmente por Isaac Karabtchevsky e tem como patrono o maestro Zubin Mehta.

O filme incorpora situações vividas no época da preparação dos primeiros músicos, quando podiam brigar no meio dos ensaios, não sabiam se sentar e nem como segurar corretamente os instrumentos que tocavam. Quando a orquestra começou a fazer nome na favela, o chefe dos traficantes da região pediu para a orquestra tocar uma valsa no aniversário de quinze anos de sua filha. Um depoimento retomado no filme é o de uma aluna dizendo ter sido apanhada na rua e que só se sentia ela mesma nos ensaios da orquestra tocando seu instrumento.

Todos os jovens da orquestra e todos os jovens participantes do filme, com exceção do ator principal Lázaro Ramos, são da favela de Heliópolis, exigência mantida para se garantir a veracidade e autenticidade do filme.

Sérgio Machado e seu produtor esperam ter o filme no Festival do Rio e na Mostra de São Paulo. "O filme basicamente não é um filme sobre música mas sobre a chance de mudar de vida. Dez mil jovens da favela já passaram por essa escola, pertencente ao que se transformou no Instituto Baccarelli e quatro orquestras já foram formadas, uma delas tendo tocada para o Papa na sua visita ao Brasil. Não basta mostrar nossas favelas, é preciso dar aos jovens favelados uma oportunidade, ora a formação musical lhes dá essa oportunidade", diz Sérgio Machado, cineasta baiano vivendo em São Paulo.

"Uma das primeiras apresentações no Brasil, será na favela de Heliópolis, com o filme, a orquestra e um debate, num local com capacidade para vinte mil pessoas. Houve um grande aumento do consumo dentro da camada pobre da população, não há mais fome no Brasil, o que é importante. Na casa desses jovens há a televisão e computadores mas infelizmente a formação do povo em termos de cultura não andou nessa mesma velocidade", diz o realizador do filme.

"Não existe mais fome e miséria no Brasil, prossegue o diretor Machado, mas isso criou um paradoxo: quando aumentou o consumo das pessoas das camadas mais pobres da população, elas não se sentiram mais bichos e passaram também a querer consumir cultura e ter o que outros tinham. Isso acabou por criar ainda mais choques com a população das classes superiores que decidiram aumentar a altura dos seus muros de separação, como essa classe alta que vive em São Paulo nos condomínios fechados, com a tendência de se isolarem cada vez mais".

"Porém, ao contrário de filmes como Tropa de Elite e Cidade de Deus que falam de desesperança, eu acho e muitas pessoas em diversos lugares parecem também achar haver esperança, devendo-se construir pontes em lugar de muros, diz Sérgio Machado".

Uma cena marcante no filme é quando o professor de música Laerte, bronqueia os alunos por não terem uma postura adequada ao aprendizado do seu instrumento, um relaxamento excessivo, e passa a exigir que se sentem, falem e toquem corretamente. "Eu acho essa cena importante, porque o professor vê seus alunos como pessoas", diz Machado.

"Outra coisa importante: quando se dá a esses jovens uma oportunidade, uma chance, eles agarram com toda força e fazem tudo para merecer. Basta pouco para se obter muito".

"Vamos ver se no dia do lançamento do filme, que deverá ser em novembro, a Orquestra Heliópolis tocará junto com a Orquestra Sinfônica de São Paulo, essa será mais uma ponte criada".

legenda foto -O cineasta Sérgio Machado criou a surpresa entre os críticos com seu filme Heliópolis

Sérgio Machado, diretor do filme que fez mesmo críticos chorarem com o filme considerado a surpresa final do Festival, fez sua formação na Bahia e trabalhou durante quinze anos, como assistente de direção do realizador Walter Salles.

Seu primeiro curta-metragem foi Troca de Cabeças, em 1993. Seguiu-se Onde a terra Acaba, em 2001, exibido no Festival de Havana e do Rio. Seu primeiro longa, foi  Cidade Baixa, em 2005, e depois Quincas Berro d´Água, em 2009, adaptado de um romance de Jorge Amado.

Rui Martins está em Locarno convidado pelo Festival Internacional de Cinema.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular