Pravda.ru

CPLP » Brasil

Sem golpes

15.11.2014
 
Sem golpes. 21149.jpeg

A política brasileira é marcada por uma sucessiva ação de golpes.

É a razão principal da boataria que correu com força principalmente nas redes sociais, mas se abrandou no momento.  Por ter sido mínima a diferença de votos na eleição presidencial, colunistas de direita comprometida e várias pessoas sem a menor formação política, articulavam um pedido de impeachment da presidente da República.

A medida é legal e constitucional, mas para ser aplicada sempre que for cometido ilícito grave por dirigente do poder executivo.  É processo não cabe ao judiciário, mas ao legislativo, nas suas duas casas quando se trata da presidência da República.  Não se tem prova, até o presente momento, que a reeleita Dilma Rousseff tenha cometido infração que justifique a instauração do processo.

A República vai muito mal. O Brasil é recordista de homicídios no mundo, a criminalidade campeia, a economia nunca esteve tão fraca, inflação sem o menor controle, estradas, saúde e educação não atendendo às necessidades do povo.  Mas isso é mau governo, não crime. 

Enquanto a esquerda mais ativa procura soluções radicais, a direita reacionária quer soluções incabíveis, como a entrega do poder aos militares.  O fato é tão sem cabimento que nenhum movimento fardado está se ocupando de política, nem deseja o poder.  As Forças Armadas cumprem rigorosamente o seu dever, como a "guarda da pátria".

O que está havendo é o desenrolar do processo que envolve a Petrobras, e aí sim, pode surgir prova ou nome realmente comprometido. Se não surgirem provas, é bom que os afoitos se aquietem e deixem o assunto nas mãos dos deputados e senadores, salvo surgindo fatos sérios que fiquem ao descaso.  Justificam as passeatas de protesto, como nos tempos do governo Collor.  O Congresso tirou-o do poder, é verdade, mas pressionado pelo povo que não deu tréguas.

Um fato porém é de ser ressaltado.  Existe o crime de responsabilidade fiscal, inicialmente cogitado para punir prefeitos que gastavam mais do que arrecadavam.  A lei está em vigor, e até o presente momento as contas de despesa e receita do governo federal não fecham.  Ora, tal fato colocaria a presidente como autora de crime, criando uma confusão nunca vista no país.

O ano fiscal não terminou, e acertos sempre foram feitos tanto aqui como em muitos outros países.

A questão não é essa. O sério, difícil e muito trabalhoso vai ser a administração do país em 2015, quando a "herança maldita", fato tão comentado pelos dirigentes, vai ter que ser gerida por quem deu origem a mesma. 

Jorge Cortás Sader Filho é escritor

 


Loading. Please wait...

Fotos popular