Pravda.ru

CPLP » Brasil

Com Serra, a direita entreguista quer acabar com o Mercosul

13.05.2010
 
Pages: 12
Com Serra, a direita entreguista quer acabar com o Mercosul

O jornal “O Estado de São Paulo”, sisudo porta-voz das forças conservadoras, publica nesta 4ª feira (12) um editorial com críticas ao Mercosul para, no final, resgatar a ideia defendida pelo pré-candidato tucano à Presidência, José Serra, de rebaixar a condição do bloco de união aduaneira para um acordo de livre comércio.

As declarações do ex-governador de São Paulo sobre o tema pegaram mal, mereceram uma enxurrada de críticas e Serra, que considerou o Mercosul simplesmente “uma farsa”, tentou voltar atrás. Procurou amenizar as críticas e esconder o jogo. O editorial do “Estadão” reflete de forma mais clara o real pensamento das forças conservadoras, que constituem a base política e social da candidatura tucana, sobre o tema. O pano de fundo é a política externa progressista do governo Lula, as iniciativas para a integração dos países latino-americanos e a rejeição da ALCA.


Carregando na tinta

O diário paulista utiliza o pretexto de medidas que estariam sendo cogitadas pelo governo argentino para proteger sua agricultura, “contra a importação de alimentos com similares nacionais”, cujo alvo declarado é a União Europeia.


O impacto das possíveis restrições no Brasil, que tem uma balança superavitária com o vizinho e exporta principalmente produtos manufaturados, não seria grande, mas o editorialista carrega na tinta para justificar a conclusão de que “o Mercosul vem-se tornando um trambolho para o comércio exterior brasileiro”. Por esta razão, “o melhor seria abandonar a união aduaneira e reduzir o Mercosul à condição de área de livre comércio”, já que isto permitiria ao Brasil firmar acordos isolados de livre comércio com as potências capitalistas, nomeadamente EUA e União Europeia.


Balanço positivo

O balanço do Mercosul é amplamente favorável ao Brasil, conforme notou recentemente o jornal argentino Clarin, em editorial que critica as opiniões equívocas de José Serra sobre o bloco. O grosso das exportações industriais do país tem como destinatários países da América Latina. “Segundo estatísticas oficiais, 90% das vendas de produtos manufaturados do Brasil no mundo ocorrem no Mercosul e em mercados latinoamericanos”, argumenta o jornal.


Foi o Mercosul que transformou a Argentina na terceira maior parceira comercial do Brasil, atrás apenas da China (1ª) e dos EUA (2ª). O valor das trocas de mercadorias entre os dois vizinhos subiu a 9,1 bilhões de dólares de janeiro a abril deste ano, 49,4% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando o comércio sofreu forte contração em função da crise econômica mundial.


No período, as exportações brasileiras para a Argentina somaram US$ 4,85 bilhões, superando em 58,5% o resultado do mesmo período do ano anterior, de US$ 3,06 bilhões. A pauta foi composta por 88,2% de bens manufaturados, 2,6% de semimanufaturados e 5,8% de básicos. As compras brasileiras provenientes da Argentina atingiram US$ 4,3 bilhões no acumulado do primeiro quadrimestre contra US$ 3,04 bilhões em igual intervalo de 2009, implicando em um acréscimo de 40,4%. A pauta de importações no mesmo período foi representada por 79,7% de produtos manufaturados, 3,2% de semimanufaturados e 17,2% de básicos.


Regressão à ALCA

Conforme Renato Martins, doutor em Ciências Políticas pela USP, a idéia defendida por Serra “de flexibilizar o Mercosul por meio da regressão a uma área de livre comércio representa, na prática, uma maneira de reabrir a discussão sobre tratados de livre comércio e fomentar o retorno da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA). Com o ingresso da Venezuela o Mercosul passará a contar com uma população de 270 milhões de habitantes, PIB de US$ 2,3 trilhões e território de 12,7 milhões de quilômetros quadrados, da Patagônia ao Caribe.”


“Não há precedente de experiência integracionista mais exitosa da região, fruto do trabalho de sucessivos e diferentes governos democráticos nos últimos vinte anos”, sustenta o especialista. “A idéia de flexibilizar o Mercosul por meio da regressão a uma área de livre comércio representa, na prática, uma maneira de reabrir a discussão sobre tratados de livre comércio e fomentar o retorno da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA).”


Subserviência aos EUA

As “mudanças” pretendidas pelas forças conservadoras, que fizeram de tudo para impedir o ingresso da Venezuela no Mercosul (por pura intolerância ideológica), não se resumem ao Mercosul. Associada aos interesses do imperialismo norte-americano, que ainda mantém fortes laços de influência com setores das classes dominantes brasileiras (lembremos as Organizações Globo, que chegaram ao ponto de defender os EUA na disputa comercial com o Brasil em torno do algodão), a direita brasileira não se conforma com o sucesso da política externa soberana praticada hoje pelo Itamaraty, substancialmente distinta da diplomacia dos pés descalços do governo FHC.


A política externa reduziu nossa dependência do mercado norte-americano e contribuiu para amortecer os impactos da crise, o que não ocorreu com países que atrelaram seu destino comercial ao do Tio Sam, como o México, que amargou uma severa recessão em 2009.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular