Pravda.ru

Negόcios

A guerra secreta contra a Bolívia

30.06.2010
 
Pages: 12
A guerra secreta contra a Bolívia

No princípio do mês, o presidente Evo Morales voltou a denunciar a Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID) e a acusá-la de infiltrar-se nos movimentos sociais, com a finalidade de provocar conflitos ao governo e desestabilizá-lo. Além disso, o presidente advertiu que aqueles que persistirem nessas atividades, serão expulsos do país.

Fortunato Esquivel

ALAI AMLATINA, 16/06/2010.- No princípio do mês, o presidente Evo Morales voltou a denunciar a Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID) e a acusá-la de infiltrar-se nos movimentos sociais, com a finalidade de provocar conflitos ao governo e desestabilizá-lo. Além disso, o presidente advertiu que aqueles que persistirem nessas atividades, serão expulsos do país.

Tarefa impossível para Morales. A USAID jamais será moderada. Ela é uma entidade que faz parte do plano de domínio de exercício do imperialismo norte-americano na América Latina, África e Ásia. É parte da engrenagem de uma elaborada estratégia do capital monopólico destinado a cooperar no incremento dos interesses do império.

Esta maquinaria foi montada depois da segunda guerra mundial e está constituída pela USAID, Aliança para o Progresso (CIAP), substituída logo pela Fundação Interamericana (IAF), pelo Banco de Importações e Exportações (Eximbank), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Internacional de Reconstrução e Fomento ou Banco Mundial (BM), Organização para o Fomento de Inversões na América Latina (Adela) e seus outros braços financeiros.

A USAID iniciou suas atividades sob o governo de Harry S. Truman, em 1946, e desde então, distribuiu mais de 200 mil milhões de dólares em “ajudas” militares e econômicas aos países onde exerce seu domínio, protegendo seus interesses. Quanto a Bolívia deve a este órgão? Este é um dado que devemos conhecer.

A USAID utiliza, pelos menos, quatro tipos de programas. São eles: Empréstimos para o Desenvolvimento, Programas de Ajuda Técnica, Fundos para Emergências e o Programa de Apoio Militar-Político. Este último é parte de um vasto aparato de espionagem e intervenção norte-americana.

O Programa de Apoio Militar-Político é a razão de sua existência, pois está destinado a frear e destruir os movimentos revolucionários na América Latina. Para ele, foi elaborado um manual repressivo confidencial, revelado na Bolívia pelo desaparecido jornal “Hoy”, em sua edição de 23 de novembro de 1978.

A USAID atua de maneira direta entre a agência e o governo do país onde atua e, de maneira indireta, através das empresas monopólicas, seguindo objetivos econômico-políticos prefixados. Este órgão disponibiliza dinheiro para os investidores ianques. Investe diretamente para alcançar influência.

O pedido de moderação feito pelo presidente Morales, não será cumprido nunca, pois a USAID foi organizada para isso: para conspirar e derrubar governos revolucionários. Agora terá mais ajuda, pois o Presidente Barack Obama acaba de aprovar novos programas de “guerra secreta” e “operações especiais” a nível mundial. Bolívia e Venezuela se encontram na mira.

Obama é pior que Bush

Uma investigação publicada pelo periódico Washington Post, assinala que Barack Obama acaba de autorizar a expansão da guerra secreta contra grupos radicais, aumentando o orçamento necessário.

De acordo com o Post, as operações especiais se realizam em 75 países, com a assistência de 13 mil efetivos militares e civis, especialistas em operações de inteligência, guerra psicológica, assassinato seletivo, missões de treinamento, ações clandestinas e outros.

A jornalista venezuelana-norte-americana, Eva Golinger, aponta em um dos recentes artigos, que o investigador Jeremy Scahill descobriu que a administração de Barack Obama enviou equipes-elite de forças especiais, sob o Comando de Operações Especiais Conjuntas, ao Irã, à Geórgia, à Ucrânia e, também, à Bolívia, Paraguai, Equador e Peru.

O chanceler Choquehuanca negocia a reabertura das relações diplomáticas com os Estados Unidos. No entanto, como se pode comprovar, nem o governo de Obama e nem a USAID modificarão suas políticas. Nessas condições, não seria melhor adiar a criação de uma embaixada dos Estados Unidos na Bolívia?

Os planos norte-americanos para desestabilizar governos existem em vários lugares. Já estão prontos. Washington só espera o momento para ativá-los. O artigo de Golinger faz referência a um alto militar do Pentágono, que afirmou que Obama está permitindo muitas das ações, estratégias e operações que não foram autorizadas durante George W. Bush.

Mais dinheiro para desestabilizar

Haverá dinheiro de sobra para conspirar e financiar os órgãos, tais como “La Torre”, em nosso país. Há dois anos, quase derrubaram Morales com um levante, na época denominado de “golpe cívico-provincial”, coordenado pelo então embaixador Philip Goldberg, oportunamente expulso.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular