Pravda.ru

Negόcios

Em luta contra ataques à previdência, França à beira do colapso

22.10.2010
 
Em luta contra ataques à previdência, França à beira do colapso

França responde à sua tradição reivindicativa e são já nove as convocações de greve que enfrentou o Governo do presidente Sarkozy neste ano, como resposta a seus planos de ajuste e seu endurecimento do regulamento trabalhista.

A última, em andamento desde o passado 12 de outubro, contou com a adesão de multidão de setores e renova-se desde então a cada 24 horas sem data de caducidade estabelecida. Os estudantes também ocupam as ruas, e a cada vez se ouvem mais comentários que aventuram um novo Maio do 68. A falta de combustível em bombas de gasolina está contribuindo para a parálise do país. Estas são as chaves para entender uma greve complexa e maciça.

Desde quando está em marcha esta greve?

Desde o passado dia 12 de outubro, em que os sindicatos realizaram a sétima greve contra o Governo de Sarkozy neste ano. Nesse dia decorreu a manifestação mais multitudinária deste ano em França: 1.230.000 assistentes, segundo a polícia, mais de três milhões segundo os organizadores.

Até quando vai durar?

Dada seu peculiaridade de ser renovável a cada 24 horas, é difícil determinar isso. Por enquanto, é previsível que, no mínimo, as paralisações continuem até 19, data em que os sindicatos convocaram mobilizações que suporão a nona jornada de desempregos neste ano (e a quinta do outono).

Que reivindica a greve?

A retirada de um projeto de lei do Governo de Nicolas Sarkozy, que se debate atualmente no Senado e que pretende atrasar a idade legal de aposentação de 60 a 62 anos e a idade à qual deve se aposentar um trabalhador que não tenha pago o tempo necessário para cobrar a pensão inteira, de 65 a 67 anos.

A que setores afeta?

Por enquanto ao de transportes, às refinarias (setor de maior pressão), educação (os estudantes de secundário aderiram na semana passada) e caminhoneiros. A diferença das greves anteriores, esta é por setores e regiões, e renovável indefinidamente.

Em luta contra ataques à previdência, França à beira do colapso
Que margem tem França até chegar a uma situação de desabasteciminto pelo desemprego das refinarias?

Segundo os sindicatos, as 12 refinarias do país estão em greve e têm problemas de fornecimento de crude. Dez delas planejam parar totalmente a produção. Há mais de mil bombas, das 13.000 com que conta em país, sem combustível, segundo anunciaram esta manhã as grandes distribuidoras de petróleo. O Governo deu luz verde às petroleiras para que usem as reservas que têm obrigação de manter por lei, que supõem entre 10 e 12 dias mais de abastecimento. Este período pode variar em função do consumo, que aumentou 50% na semana passada: muitos franceses, previsores, açambarcaram combustível. As reservas governamentais de petróleo, capazes de abastecer a França durante 90 dias, ainda não se esgotaram.

O premiê francês, François Fillon, advertiu de em nenhum caso vai se produzir desabastecimento de combustível.

Qual foi a incidência da mobilização estudiantil?

Segundo o Ministério de Educação de França, na quinta-feira tinha 340 institutos afetados pelo desemprego e as mobilizações; os sindicatos de estudantes afirmaram que a incidência foi de 500. Ao todo, há em torno de 3.400 centros de ensino em França.

Por que preocupa ao Governo de Nicolas Sarkozy a adesão dos estudantes à greve?

O Governo teme que as mobilizações se radicalizem pela participação estudiantil. As mobilizações de adolescentes causaram na quinta-feira vários incidentes e feridos em numerosas cidades de França. Sarkozy não esquece, além disso, os protestos estudiantis de 2006, que obrigaram o Governo de Dominique Villepin a retirar uma polêmica lei de contratação trabalhista. Precisamente, Villepin declarava na terça-feira passada na televisão francesa: "Há que sacar lições da experiência". As revoltas de Maio do 68 também permanecem na mente de todos.

Houve alguma reação clara de Sarkozy à greve?

Por enquanto, nenhuma. O Presidente francês declarou que seguirá "até o final" com a polêmica lei de pensões, que considera "de justiça social", e acrescentou: "Que passaria se não tivesse dinheiro para pagar as pensões dos aposentados mais humildes?". Sarkozy deixou claro que não fará "nenhuma concessão mais". Refere-se às modificações que introduziu no projeto de lei no passado dia 8 de outubro, que suavizavam alguns preceitos mas não tocavam o núcleo duro da redação: o alargamento da vida trabalhista para optar à pensão de aposentação.

Kaos en la Red - [Tradução do Diário Liberdade]

Fonte: http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=7785


Loading. Please wait...

Fotos popular