Author`s name Acácio Banja

Esta semana mais de 1 milhão de crianças africanas protegidas pela primeira vacina contra a malária

O Dia Mundial da Malária foi em 25 de abril. Mais de 1 milhão de crianças em Gana, Quênia e Malawi receberam uma ou mais doses da primeira vacina contra a malária do mundo, graças a um programa piloto coordenado pela OMS. Os pilotos da vacina contra a malária, lançados pela primeira vez pelo governo do Malawi em abril de 2019, mostraram que a vacina RTS,S/AS01 (RTS,S) é segura e viável de ser aplicada e que reduz substancialmente a malária grave mortal.

Essas descobertas abriram caminho para a recomendação histórica da OMS de outubro de 2021 para o uso expandido de RTS,S entre crianças que vivem em ambientes com transmissão moderada a alta da malária. Se amplamente implantada, a OMS estima que a vacina poderia salvar a vida de mais 40.000 a 80.000 crianças africanas a cada ano.

Mais de US$ 155 milhões foram garantidos pela Gavi, a Vaccine Alliance, para apoiar a introdução, aquisição e distribuição da vacina contra a malária para os países elegíveis da Gavi na África Subsaariana. A orientação da OMS está disponível para os países que consideram se e como adotar o RTS,S como uma ferramenta adicional para reduzir doenças infantis e mortes por malária.

“Como pesquisador da malária no início de minha carreira, sonhava com o dia em que teríamos uma vacina eficaz contra essa doença devastadora”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Esta vacina não é apenas um avanço científico, é uma mudança de vida para famílias em toda a África. Demonstra o poder da ciência e inovação para a saúde. Mesmo assim, há uma necessidade urgente de desenvolver mais e melhores ferramentas para salvar vidas e impulsionar o progresso em direção a um mundo livre da malária”.

Perspectivas para novas intervenções

A RTS,S é uma vacina de primeira geração que poderá ser complementada no futuro por outras vacinas com eficácia semelhante ou superior. A OMS congratula-se com o progresso no desenvolvimento de R21/Matrix-M e outras vacinas candidatas contra a malária no início do desenvolvimento clínico. A conclusão bem-sucedida dos ensaios clínicos dessas vacinas será importante para avaliar seus perfis de segurança e eficácia. A OMS também congratula-se com a notícia da BioNTech, fabricante da vacina Pfizer-BioNTech COVID-19, que pretende desenvolver uma vacina contra a malária usando a tecnologia de mRNA.

No campo do controle de vetores, uma série de novas ferramentas e tecnologias foram submetidas à avaliação da OMS. Caso demonstrem eficácia no controle da doença, a OMS formulará novas recomendações ou alterará as existentes para apoiar sua implantação. Estes incluem, por exemplo, novos tipos de redes tratadas com inseticida, repelentes espaciais de mosquitos, abordagens genéticas e iscas de açúcar projetadas para atrair e matar mosquitos Anopheles.

Há também novos medicamentos em andamento. A OMS congratula-se com a recente aprovação pela Australian Therapeutic Goods Administration de comprimidos dispersíveis de tafenoquina de dose única para a prevenção da malária por P. vivax em crianças. A tafenoquina também foi aprovada para uso em adultos pela US Federal Drug Administration e por órgãos reguladores de medicamentos em outros países, incluindo Brasil, Peru e Tailândia. Como dose única, espera-se que a tafenoquina apoie a adesão do paciente ao tratamento. O padrão atual de atendimento requer um curso de medicação de 7 ou 14 dias.

Vários outros medicamentos antimaláricos com novos modos de ação estão sendo desenvolvidos para o tratamento da malária não complicada e grave. Ganaplacide-Lumefantrine, atualmente em um ensaio clínico de Fase II, é a primeira terapia combinada sem artemisinina e pode ser um trunfo na luta contra a malária resistente a medicamentos emergentes na África.

Além da resistência aos medicamentos, a OMS relatou outras ameaças urgentes na luta contra a malária, como a resistência do mosquito a inseticidas, um vetor invasor da malária que prospera em áreas urbanas e rurais e o surgimento e disseminação de parasitas P. falciparum mutantes que são prejudicando a eficácia dos testes de diagnóstico rápido. A inovação em ferramentas e estratégias será fundamental para conter essas ameaças, juntamente com um uso mais estratégico das ferramentas que estão disponíveis hoje.

Mais investimento necessário

De acordo com o Relatório Mundial da Malária de 2021, o progresso global na redução de casos e mortes por malária diminuiu ou estagnou nos últimos anos, principalmente nos países mais atingidos pela doença. O relatório observa a necessidade de inovação contínua na pesquisa e desenvolvimento de novas ferramentas para que o mundo alcance as metas de 2030 da estratégia da OMS contra a malária.

O financiamento para pesquisa e desenvolvimento relacionados à malária atingiu pouco mais de US$ 619 milhões em 2020. Um investimento médio anual em P&D de US$ 851 milhões será necessário no período 2021-2030.

Fazendo melhor uso das ferramentas que temos agora

Alcançar as metas globais de malária também exigirá inovações na maneira como as ferramentas atualmente disponíveis são implantadas. Por meio da abordagem “Alta carga para alto impacto”, lançada pela OMS e pela Parceria RBM para Acabar com a Malária em 2018, os países mais atingidos pela malária vêm coletando e analisando dados sobre a malária para entender melhor a disseminação geográfica da doença.

Em vez de aplicar a mesma abordagem ao controle da malária em todos os lugares, eles estão considerando o impacto potencial de pacotes personalizados de intervenções informados por dados locais e o cenário local da doença. Essas análises permitirão que os países usem os fundos disponíveis de maneira mais eficaz, eficiente e equitativa.

Mais sobre a vacina RTS,S contra a malária e o programa piloto

A orientação da OMS está agora disponível para os países que consideram se e como adotar a vacina RTS,S em suas estratégias nacionais de controle da malária. A recomendação da OMS para a vacina foi recentemente adicionada às diretrizes consolidadas da OMS para a malária, e a OMS também publicou um documento de posição atualizado sobre a vacina.

Até o momento, em uso rotineiro, a vacina foi bem aceita pelas comunidades africanas. Espera-se que a demanda pela vacina supere a oferta no curto e médio prazo; A capacidade atual de produção de vacinas é de no máximo 15 milhões de doses por ano, enquanto a demanda é estimada em mais de 80 milhões de doses por ano.

A OMS está trabalhando com parceiros para aumentar a oferta por meio do aumento da capacidade de fabricação de RTS,S e facilitando o desenvolvimento de outras vacinas contra a malária de primeira e de próxima geração. Para orientar onde as doses iniciais da vacina serão implantadas, a OMS está coordenando o desenvolvimento de uma estrutura para a alocação do suprimento limitado de vacinas contra a malária; o objetivo é priorizar as áreas de maior necessidade e maior carga de malária até que a oferta atenda à demanda.

O programa piloto RTS,S é possível graças a uma colaboração sem precedentes entre parceiros nacionais e internacionais, incluindo os Ministérios da Saúde do Gana, Quénia e Malawi; parceiros de avaliação no país; PATH, GSK, UNICEF e outros; e os órgãos de financiamento da Gavi, do Fundo Global e da Unitaid.

A vacina contra a malária RTS,S é o resultado de 30 anos de investigação e desenvolvimento pela GSK e através de uma parceria com a PATH, com o apoio de uma rede de centros de investigação africanos.

Fonte: ONU

Tradução Acácio Banja

Pravda.Ru Angola

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter