Pravda.ru

Notícias » Mundo


Dinheiro paralisado por governo Bolsonaro no Fundo Amazônia chega a quase R$ 3 bilhões

28.10.2020 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Dinheiro paralisado por governo Bolsonaro no Fundo Amazônia chega a quase R$ 3 bilhões. 34249.jpeg

Dinheiro paralisado por governo Bolsonaro no Fundo Amazônia chega a quase R$ 3 bilhões

Ação no STF acusa administração federal de omissão e de ser responsável por suspensão de operações. Audiência debate caso nesta sexta e segunda

 

Reportagem e edição: Oswaldo Braga de Souza
Texto atualizado às 11:14 de 24/10/2020

Enquanto o governo Bolsonaro alega não ter dinheiro para combater a explosão do desmatamento e das queimadas, mantém parados cerca de R$ 3 bilhões num mecanismo de financiamento destinado a esse objetivo, entre outros. A informação está na página 30 do relatório de atividades do Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"O total de recursos para aplicação em projetos (97% do total de doações recebidas + rendimentos gerados ao longo dos anos) é de R$ 4.754 milhões, tendo sido alocado a projetos em execução ou concluídos o montante de R$ 1.860 milhões, dos quais R$ 1.173 milhões já desembolsados", diz o documento de dezembro de 2019.

Subtraindo-se do total disponível (R$ 4,7 bilhões) o dinheiro já alocado (R$ 1,8 bilhão) chega-se a R$ 2,894 bilhões. Se forem acrescentados o saldo das aplicações financeiras do fundo (renda fixa em títulos públicos) e variações cambiais ao longo dos dez últimos meses, o valor pode alcançar cerca de R$ 3 bilhões.

Relatório de Atividades Fundo Amazônia, BNDES, p. 27

O número é maior que os cerca de R$ 2,6 bilhões aprovados pelo Congresso, em 2019, para o orçamento de 2020 do Ministério de Meio Ambiente (MMA) e todos os órgãos vinculados, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

Fundo criado em 2008

O Fundo Amazônia foi criado, em 2008, com doações da Noruega e da Alemanha para financiar projetos de governos, organizações da sociedade civil e instituições de pesquisa de combate ao desmatamento, conservação ambiental e fomento a atividades econômicas sustentáveis. As doações norueguesas chegam a R$ 3,2 bilhões e as alemãs, R$ 200 milhões. A Petrobrás também fez pequenos aportes.

Parte da verba vinha sendo usada inclusive para custear operações do Ibama e de governos estaduais. Os investimentos foram responsáveis, em parte, pela contenção do desmatamento até 2018.

Logo no início de 2019, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tentou mudar as regras de funcionamento e extinguiu os comitês técnico e orientador do fundo sem avisar noruegueses e alemães. Também alegou que havia irregularidades em projetos já aprovados, em especial para organizações não governamentais, sem apresentar evidências. Chegou a anunciar a suspensão unilateral de todos os repasses para essas instituições, mas voltou atrás porque as regras contratuais não o permitiam. Os projetos aprovados até o fim de 2018 seguem sendo monitorados, avaliados e recebendo recursos.

A série de medidas desencontradas, desinformações e reviravoltas, no entanto, gerou uma crise diplomática. Os dois governos estrangeiros não aceitaram propostas feitas por Salles, por exemplo, de excluir a sociedade civil do comitê orientador e usar o dinheiro para pagar proprietários com terras em reservas ambientais. Diante do impasse, o MMA determinou a suspensão da análise de 40 projetos, no valor de R$ 1,4 bilhão, em abril de 2019. O BNDES aprovou até hoje 103 iniciativas.

Relatório de Atividades Fundo Amazônia, BNDES, p. 28

Falta de recursos

Enquanto isso, o governo insiste que não tem dinheiro para conter a disparada do desmatamento e das queimadas. Na quarta (21), justificando falta de verbas, o Ibama orientou os brigadistas que lutam contra os incêndios florestais a retornar às suas bases. Segundo o presidente do órgão, Eduardo Bim, as dívidas da instituição chegariam a quase R$ 20 milhões.

Em agosto, Salles chegou a ordenar a suspensão de todas as operações de combate ao desmatamento e às queimadas alegando o mesmo motivo. Em seguida, foi desmentido pelo vice-presidente da República e presidente do Conselho da Amazônia, Hamilton Mourão.

A alegação da falta de recursos é ainda menos factível porque o governo não gasta tudo que poderia do orçamento aprovado pelo Congresso e tem usado o dinheiro da fiscalização ambiental para outros fins. Até esta semana, quase 15% do orçamento do Ibama destinado a combater o fogo descontrolado não havia sido usado. Além disso, a revista Piauí denunciou, no início do mês, que o Exército usou verbas destinadas à fiscalização ambiental na Amazônia para reformar instalações fora da região, em Estados como o Mato Grosso do Sul.

Pesquisadores, servidores e sociedade civil têm criticado a medida tomada por Bolsonaro de retirar o Ibama do planejamento e coordenação da Operação Verde Brasil 2, substituindo-o pelo Ministério da Defesa. Para os críticos, embora seja recomendável contar com o apoio dos militares nas operações de fiscalização ambiental, eles não têm conhecimento e experiência para liderar a iniciativa. Além do desperdício de dinheiro, as operações têm sido ineficazes.


Relatório de Atividades Fundo Amazônia, BNDES, p. 30

"A justificativa e a forma como foi paralisado o Fundo Amazônia só corrobora a intenção do governo de não permitir que qualquer atividade voltada à conservação e ao uso sustentável da Amazônia se desenvolvam enquanto o governo protege e estimula quem atua ilegalmente promovendo desmatamento e degradação", afirma a associada ao ISA Adriana Ramos.

"O BNDES acumulou uma rica trajetória de experiência e inovação na gestão do Fundo Amazônia, inclusive do funcionamento do comitê orientador. A necessária retomada deveria ser feita a partir desta trajetória e o banco deveria ter autonomia para fazer esta gestão de forma mais autônoma e independente do governo", defende Alessandra Cardoso, assessora do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc). "Um programa central que o BNDES deveria assumir com recursos do Fundo Amazônia é o Bolsa Verde, que foi paralisado ainda no governo Temer e que se mostrou um programa importante de pagamento por serviços ambientais", completa.

O secretário de Meio Ambiente do Amazonas, Eduardo Taveira, espera que todas as atividades do Fundo Amazônia sejam retomadas o mais rápido possível. "São recursos que não podem ficar parados a título de não conseguirmos agir de forma rápida e desejada para combatermos essas ilegalidades [ambientais] na região", comenta. "Seria muito importante, da parte do governo federal, que essas estratégias de implementação e melhorias fossem logo definidas, porque efetivamente é um recurso que faz muita falta, considerando todos os momentos que passamos, ainda mais agora de pandemia", acrescenta.

Ele informa que o dinheiro é fundamental para o fortalecimento dos órgãos estaduais de combate e prevenção ao desmatamento e às queimadas e a aquisição de equipamentos, por exemplo. O secretário defende que a participação de representantes dos governos estaduais no comitê orientador do fundo também é essencial para a retomada dos financiamentos.

Recordes de desmatamento

Após o início do governo Bolsonaro, o país registrou os maiores índices de desmatamento e queimadas em pelo menos uma década, apesar da crise econômica - a expansão econômica costuma estimular o ritmo de destruição da floresta.

Entre agosto de 2019 e julho deste ano, o sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) do Inpe, identificou uma alta de 34%. A taxa oficial de destruição da floresta para o período, produzida por outro sistema do Inpe, o Prodes, deve ficar ao redor disso. O dado deve ser divulgado até o fim do ano e promete aumentar as críticas ao governo dentro e fora do país.

Neste ano, as queimadas no Pantanal bateram o recorde em mais de 20 anos e calcula-se que em torno de 25% do bioma tenha sido destruído, uma área quase do tamanho do Estado do Rio de Janeiro. Já na Amazônia, o Inpe registrou 32 mil focos de incêndio em setembro, um aumento de 61% em comparação com o mesmo mês do ano anterior (19,9 mil). Em relação aos primeiros nove meses de 2019, as queimadas na região tiveram um aumento de 14%, saltando de 66,7 mil focos para 76 mil.

A assessoria do MMA não respondeu aos pedidos de informações e esclarecimentos até o fechamento desta reportagem.

Audiência no STF

Uma audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) vai discutir a responsabilidade do governo Bolsonaro na paralisação dos novos financiamentos do Fundo Amazônia. O evento ocorre nesta sexta e na segunda (23 e 26), de 14h às 19h, por teleconferência, e poderá ser acompanhado pelo canal do tribunal no Youtube.

Está prevista a participação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, do ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Galvão, e da especialista em políticas públicas do Observatório do Clima (OC) e ex-presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Suely Araújo. Também foram convidados representantes do próprio Ibama, do Inpe e de secretarias estaduais de Meio Ambiente dos Estados amazônicos, entre outros.

A audiência foi convocada pela ministra Rosa Weber para reunir informações para o julgamento de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO), de número 59, apresentada pela Rede, PT, PSol e PSB, em junho. Os partidos acusam a administração federal de omissão e de ser responsável pela suspensão da análise de novos projetos do Fundo Amazônia. Weber é a relatora do processo.

As legendas argumentam que o governo fere o Artigo 225 da Constituição, que estabelece que o Poder Público tem o dever de proteger e preservar o meio ambiente. Elas pedem que o STF determine à União que avalie os projetos em fase de consulta ou análise no prazo de 90 dias e que se abstenha de paralisar o funcionamento do fundo ou de utilizar seus recursos para outros fins.

Em resposta ao pedido de informações da ministra Rosa Weber, o BNDES chegou a reconhecer que as mudanças na gestão realizadas de forma unilateral pelo Brasil podem ser consideradas descumprimento do contrato e, portanto, poderiam levar à suspensão do repasse dos recursos e à devolução de valores já gastos, informa o jornal O Estado de São Paulo.

Fundo Clima

Não é apenas a verba do Fundo Amazônia que está parada. Uma outra ação no STF, apresentada pelos mesmos partidos em junho, questiona a suspensão do Fundo Clima, que é subordinado ao MMA. A instituição também estava paralisada desde o início de 2019. Neste ano, sob pressão da ação, Ricardo Salles tomou medidas para reativar o órgão. Uma audiência pública foi realizada, em setembro, pelo relator do processo, ministro Luís Roberto Barroso. No evento, ele sugeriu que as duas ações poderiam ser julgadas em conjunto.

Fundo Amazônia

BNDES

Desmatamento

Queimadas

Governo Bolsonaro

ISA

 

https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/dinheiro-paralisado-por-governo-bolsonaro-no-fundo-amazonia-chega-a-quase-r-3-bilhoes

 

 
14153

Fotos popular