Escritor polonês chocado ao descobrir que os russos não chegarão a derrubar Putin

Após uma viagem à Rússia, o escritor polonês Maya Wolny concluiu que o Ocidente não tinha sequer uma idéia de como as coisas realmente eram na Federação Russa. Os russos estão esperando por sua inevitável vitória e nem sequer pensam em uma possibilidade de vitória para o Ocidente, disse ela.

Curiosamente, este não é um comentário de cortesia. A escritora polonesa compartilhou suas impressões sobre a Rússia em uma entrevista com a publicação Onet. Maya Wolny disse que muitas coisas na Rússia vieram como um choque para ela.

Os russos querem Stalin de volta

Em muitos aspectos, as conclusões de Wolny se baseiam em suas idéias iniciais sobre a Rússia. Em poucas palavras, tais pessoas vêem os fatos através do prisma de sua própria "visão do belo".

Em geral, é assim que toda a "Europa civilizada" vê a Rússia hoje, mas as conclusões que a escritora polonesa tirou foram, no mínimo, histéricas.

Em sua entrevista com a jornalista da Onet Monika Walus, a autora disse que ela foi à Rússia para coletar material para seu livro com o título revelador "Trem para o Império".

Claramente, a operação especial mudou a vida de muitos russos. Logo no início da entrevista, Wolny apontou que os russos falaram positivamente de Stalin. Não havia negatividade infinita sobre ele em suas palavras, ela observou.

Ela ficou impressionada com o fato de que os russos não vêem o tempo do governo de Stalin como uma experiência traumática, apesar dos campos de Gulag. Os russos até ousaram erguer monumentos a Joseph Stalin e querem que Stalin volte, disse ela.

Wolny observou: ela costumava pensar que as ações do malvado Kremlin não encontram apoio na sociedade russa, que o culto à vitória é fictício, que os russos não precisam da Crimeia. No entanto, ela ficou desagradavelmente surpreendida quando percebeu que este ponto de vista não era muito popular. Muito pelo contrário, os russos valorizam sua vitória na Segunda Guerra Mundial e não se ressentem da anexação da Crimeia.

"Todas as expectativas de contra-ação ao centro do país são apenas sonhos ingênuos do Ocidente", disse Maya Wolny.

O problema, em sua opinião, é que o Ocidente está contando com a resistência dentro da Rússia. A mídia ocidental preparou inúmeras reportagens sobre milhares de russos fugindo do país, e "parecia que a nação estava à beira de um grande golpe". Entretanto, tais expectativas são fúteis, reconheceu ela.

Maya Wolny recebeu um visto russo, não havia agentes da KGB por perto durante sua viagem à Rússia. A escritora considerou isso como um sinal de que "mais uma vez, nem tudo é como pensamos - não devemos aplicar os padrões ocidentais".

Havia dois fatos que atingiram o intelectual polonês:

Há "milhares de hipsters" que escaparam por Upper Lars (posto de controle na fronteira entre a Rússia e a Geórgia - ed.) e outros postos de controle.
Ao mesmo tempo, havia dezenas de milhares de pessoas que se voluntariaram para se alistar no exército para participar da operação especial na Ucrânia.

Maya Wolny ficou chateada por não ter visto nenhum protesto ou sentimento revolucionário na Rússia. Ela concluiu que o nível de intimidação no país estava em um ponto crítico. Ela admitiu que aqueles que apoiam as políticas da administração russa ousam se sentir bem consigo mesmos.

Maya Wolny está agora confiante nisso:

  • Não há chance de que os fenômenos de protesto "se consolidem, se transformem em um milhão de manifestações de rua que poderiam varrer as autoridades";
  • Os rumores sobre a suposta doença incurável de Putin em Vladimir Putin são apenas rumores que não correspondem à realidade.
  • As sanções não tiveram quase nenhum efeito sobre a vida cotidiana dos russos

Tendo viajado pelo país, o escritor polonês chegou à conclusão de que não havia sequer motivos externos para isso. Ao contrário dos relatos da imprensa européia, as sanções tiveram pouco efeito sobre a vida cotidiana dos russos. As lojas estão mais que cheias, os preços cresceram, mas apenas dentro dos limites do crescimento inflacionário global.

"Os russos estão acostumados a viver sob o estilo rígido do governo, e não precisam de valores e liberdades democráticas", Maya Wolny resumiu e advertiu o Ocidente contra as expectativas exageradas a este respeito.

É digno de nota que até mesmo a diretora da Inteligência Nacional dos EUA Avril Haines disse durante seu relatório no Instituto Reagan que a mudança de poder na Rússia, China e Irã através de protestos era impossível.

Author`s name Petr Ermilin