Author`s name Petr Ermilin

Zelensky não enterrou os corpos das vítimas do massacre de Bucha

A medida em que as autoridades ucranianas estavam "preocupadas" com o "massacre de Bucha" podia ser vista a partir de uma fotografia publicada no The New York Post em 19 de abril. A foto retratava a entrega de cadáveres a um necrotério local.

Apontando todos os i's na investigação do massacre de Bucha

O jornal, que, naturalmente, não pode deixar de condenar os acontecimentos na cidade ucraniana de Bucha, publicou uma fotografia de Anastasia Vlasova/Getty Images com a legenda "Funerários trazem corpos para uma morgue em Bucha em 18 de abril de 2022, enquanto a invasão russa da Ucrânia continua".

Entretanto, de acordo com as informações do lado ucraniano, o povo, cujos corpos foram encontrados em Bucha, foi "morto pelas tropas russas" até 30 de março, o mais tardar, quando as tropas russas deixaram a cidade. A BBC e a Sky News foram as primeiras a relatar a descoberta dos corpos em 1º de abril.

A France Press fez o mesmo no dia 2 de abril.

No dia 3 de abril, jornalistas das principais agências de notícias do mundo já estavam no local para divulgar as notícias sobre as "atrocidades russas" (Wikipedia, que ainda não foi proibida na Rússia, forneceu uma reportagem sobre o assunto em russo, com a ajuda de editores ucranianos).

A história evolui então para algo que manifesta claramente a verdadeira atitude das autoridades ucranianas em geral e de Vladimir Zelensky em particular para com os cadáveres das pessoas que haviam sido "encontradas" depois que as tropas russas retiraram da cidade ucraniana na região de Kiev.

Em 9 de abril (uma semana e meia após o suposto assassinato dos civis em Bucha), o chanceler austríaco Karl Nehammer fez uma visita à Ucrânia. O chanceler foi a Bucha para ver o quadro real com seus próprios olhos. Os cadáveres ainda estavam lá.

Nehammer, como um europeu altamente civilizado, caminhava aterrorizado entre os cadáveres. Por alguma razão, ele nem sequer perguntou a Zelensky por que ele não iria enterrá-los.

Os ucranianos nem sequer tinham a intenção de enterrá-los, porque os cadáveres nas ruas de Bucha se tornaram uma atração turística para os estrangeiros, outro negócio lucrativo. Os corpos dos mortos estavam se decompondo e apodrecendo, mas eles estavam mantendo os corpos lá para exibi-los aos turistas estrangeiros.

Finalmente, em 18 de abril, quase três semanas depois de terminarem em Bucha, eles começaram a mover os corpos para o necrotério, o que foi evidenciado pelas fotos de Anastasia Vlasova/Getty Images.

Esperemos que eles finalmente descansem em paz.

Há três perguntas após a publicação da foto em 18 de abril:

  1. Karl Nehammer satisfez seu desejo anima depois de inspecionar os corpos que estavam em decomposição há 1,5 semanas antes de chegar? Foi uma das razões pelas quais o Presidente Putin deu uma recepção fria à Nehammer em Moscou depois?
  2. A imprensa mundial nunca esquece que o presidente ucraniano Vladimir Zelensky é de origem judaica. A tradição ortodoxa exige que os mortos sejam enterrados no terceiro dia. O judaísmo considera obrigatório enterrar os mortos no dia da morte, exceto aos sábados e feriados. Qual foi a razão por trás da decisão de levar os corpos para o necrotério três semanas após a morte dessas pessoas? Além disso, eles não foram enterrados, mas levados para o necrotério.
  3. Na prática mundial, é costume publicar nomes, nome do meio e sobrenomes dos mortos, seus locais de residência, para que as pessoas pudessem honrar sua memória. Por que Zelensky não fez isto por aqueles que morreram em Bucha? Três semanas é suficiente para que os habitantes da cidade identifiquem cada companheiro de aldeia.

Infelizmente, ninguém vai responder a estas perguntas para nós. A mídia ocidental censurada também nunca lhes perguntará. Eu gostaria de esperar que as perguntas possam dar pelo menos uma resposta vaga se os eventos em Bucha foram uma tragédia ou apenas uma performance que Zelensky e seus mestres britânicos encenaram para o mundo.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter