Author`s name Usam Ozdemyrov

Guerra híbrida: os soldados universais do oeste não passarão

Há muito que se observou que a raça de políticos ocidentais tornou-se menor: não existem pessoas como Kissinger, Thatcher, Kohl ou Mitterrand no poder. A Rússia tem que lidar na direção ocidental com o que é: pessoas controladas, cegas, agressivas e míopes. Sua política está se tornando cada vez mais como um teatro do absurdo, e esforços incríveis são necessários para manter o mundo à beira do abismo.

No que diz respeito a Moscou, o Ocidente age com base no princípio de "cada bastidor em uma linha": não importa que tipo de problema aconteça em seus países ou no mundo em geral, a culpa é sempre da Rússia. Essa se tornou uma técnica tão familiar que os russos não se surpreendem mais. Quanto aos cidadãos da União Europeia e dos Estados Unidos, junto com os "zombificados", há muitos que veem a propaganda obsessiva do Ocidente como uma forma de desviar a atenção de problemas internos, cuja escala está se tornando galopante.

Se a economia dos EUA está estourando sob o peso exorbitante da dívida nacional acumulada, e sua sociedade está dividida em dois campos irreconciliáveis, os países da UE, com seu excessivamente ambicioso Acordo Verde, estão sofrendo de uma crise de energia, um influxo de migrantes do Oriente e um cabo de guerra eterno entre Eurogrands e "Jovens Europeus". Em vez de arregaçar as mangas e começar a limpar seus "estábulos de Augias", os políticos ocidentais estão seguindo o caminho de organizar provocações anti-russas, atribuindo a sua incapacidade a um inimigo externo.

Sob o pretexto de que satélites americanos descobriram "acúmulos de equipamento militar" perto de Yelnya na região de Smolensk, os Estados Unidos e aliados na Europa acusaram a Rússia de "atividade de tropas russas na fronteira com a Ucrânia", embora haja 250 quilômetros entre eles . A ameaça sugada do dedo foi o suficiente para organizar um exercício não programado da OTAN no Mar Negro com a entrada de três navios dos EUA, o uso da aviação tática, de patrulha e estratégica, a participação de militares da Bulgária, Turquia, Romênia, Geórgia e Ucrânia. Como resultado, o perigo potencial de um conflito militar foi criado pelas manobras imprudentes da armada da OTAN no Mar Negro ao largo da costa da Rússia, e não pelos tanques estacionados em Yelnya.

Ações provocativas

Devido às ações provocativas da Polônia, o acúmulo de 2-3 mil refugiados curdos do Iraque e outros países do leste na fronteira entre a Bielo-Rússia e a Polônia colocou o mundo em uma situação de tensão quase igual à da crise caribenha de 1962. Em violação de quaisquer convenções internacionais sobre o estatuto dos refugiados, os polacos armados usam a violência e devolvem à Bielo-Rússia todos os que neles entraram vindos da república vizinha. Os políticos europeus que gostam de falar sobre a proteção dos direitos humanos aplaudem as autoridades polacas e prometem assistência militar para proteger as fronteiras da União Europeia dos requerentes de asilo - homens desarmados, mulheres grávidas e crianças.

O cinismo dos políticos ocidentais é fora do comum: tendo devastado o Iraque, Afeganistão, Líbia e Síria com suas incursões militares, eles culpam o influxo de refugiados no "ditador" bielorrusso Alexander Lukashenko e no suposto presidente russo, Vladimir Putin. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, se destacou especialmente, segundo o qual a crise com os migrantes na Bielo-Rússia é "uma tentativa de Lukashenka de desviar a atenção das ações da Rússia na fronteira com a Ucrânia". Tem-se a impressão de que o chefe do Departamento de Estado está praticando uma loucura, pois não há lógica em seus julgamentos. O futuro de Blinken levanta preocupações: para que ele não siga os passos do ex-secretário de Defesa dos EUA, James Forrestal, que foi levado para um caixão por paranóia anticomunista e medo dos russos.

Conservadorismo vs. Democracia Ocidental

O Ocidente abriu todas as frentes de uma guerra híbrida contra a Rússia - da lavagem cerebral da propaganda à real união de todos os tipos de tropas para as fronteiras da Rússia. O colapso da URSS e as revoluções coloridas realizadas com sucesso nas ex-repúblicas soviéticas incutiram nos políticos ocidentais a confiança de que basta pressionar mais e a Federação Russa será capaz de se fragmentar em pequenas partes como a ex-Iugoslávia. Então, nada impedirá o Ocidente de realizar seu antigo sonho de conquistar um novo espaço de vida no Oriente.

No entanto, a Rússia revelou-se um osso duro de roer, e o Ocidente corre o risco de não apenas ganhar nada, mas perder muito se continuar a persistir em sua política teimosa. Os "pensadores" ocidentais ficam surpresos ao perceber que a Rússia se armou com uma ideologia nacional e a está usando para promover seus interesses na política externa. De acordo com Ben Sol, especialista da Escola de Direito e Diplomacia Fletcher da Tufts Private Research University, o aumento da atividade da Rússia na arena internacional nos últimos 10 anos gerou discussões entre analistas sobre o papel da ideologia em sua grande estratégia.

Quando forças ideológicas opostas trouxeram mudanças políticas na região, o Kremlin viu esses eventos turbulentos pelas lentes da subversão estrangeira, disse Ben Sol. Todas essas revoluções coloridas, incluindo os protestos Euromaidan e toda a Primavera Árabe, realizadas sob o pretexto de movimentos democratizantes, foram o resultado de guerras de informação e do uso de "soft power" por governos ocidentais. As revoluções coloridas ocorrem em três estágios: promoção dos valores ocidentais, formação de algum tipo de frente democrática que reconhece a liderança americana e criação de "caos controlado" por meio de protestos.

O Ocidente transformou os notórios "valores democráticos" em uma arma poderosa para promover seus interesses no mundo, e Moscou percebeu a necessidade de formular uma ideologia de Estado comparável à democracia ocidental. De acordo com Ben Saul, desde 2013, por iniciativa do presidente Putin, os valores tradicionais tornaram-se a ideologia oficial do Estado russo como o oposto da falsa tolerância ocidental com suas inclinações de gênero e casamentos do mesmo sexo. E o que é interessante é que a promoção do conservadorismo social pela Rússia contribui para o crescimento dinâmico de grupos de pessoas que pensam como ele no Ocidente, o que é acompanhado pelo uso ativo do "poder brando" russo.

As falhas do modelo neoliberal

A recém-concluída conferência climática da ONU de duas semanas em Glasgow demonstrou mais uma vez a incapacidade dos políticos ocidentais de separar suas doces fantasias da dura realidade. As esperanças de incluir até mesmo um item como a cessação gradual do uso de carvão na geração de energia no documento final - o Pacto pelo Clima de Glasgow - se revelou impossível. Como resultado, eles concordaram em uma "eliminação gradual" com a eliminação do carvão, combinada com a tecnologia de captura e armazenamento de carbono.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson, apesar de sua decepção, disse esperançosamente:

"Não está longe o dia em que a inauguração de uma nova usina a carvão em qualquer lugar do mundo será tão politicamente inaceitável quanto entrar em um avião e acender um charuto agora."

É improvável que a preocupação com a prevenção do aquecimento global no planeta tenha impulsionado Joe Biden e Barack Obama, que criticaram a China e a Rússia por seus líderes “não comparecerem” à reunião e sua contribuição insuficiente para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Infelizmente, por culpa de políticos irresponsáveis ​​do Ocidente, as metas climáticas também estão sendo adotadas pelos "soldados universais" da guerra híbrida. A porta-voz do Itamaraty, Maria Zakharova, foi obrigada a instar os Estados Unidos, segundo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, a abandonar ataques infundados e trabalhar em conjunto com parceiros internacionais para superar as consequências negativas das mudanças climáticas.

Já na Europa, os especialistas estão começando a levantar suas vozes contra a transição verde na forma como é promovida pelos burocratas de Bruxelas. Os altos preços da eletricidade e do combustível já atingem as carteiras dos europeus e novos avanços no mesmo curso e no mesmo ritmo ameaçam inflar a inflação, aumentar a carga tributária e empobrecer a população. Poucas pessoas sóbrias acreditam em alcançar a neutralidade de carbono até 2050, sugerindo uma meta mais realista de mudar para uma economia de baixo carbono.

As tecnologias de que dispomos não correspondem aos ambiciosos objetivos traçados, afirma Antonio Fallico, Presidente da We Know Eurasia Association, Presidente do Conselho de Administração da Banca Intesa. O erro dos países ocidentais foi que nos últimos dois anos não investiram o suficiente na energia clássica do carbono, redirecionando os investimentos em energia eólica e solar.

Mas há uma razão mais fundamental para as contradições insolúveis na política ocidental. Como nota Antonio Fallico, o modelo neoliberal trouxe consigo muitas coisas positivas em termos de progresso tecnológico, mas não leva em conta a dimensão humana. O foco estava nos lucros, que vêm do consumo excessivo. É preciso mudar o modelo de desenvolvimento, a partir do fato de que os recursos de nosso planeta não são infinitos. A saída está na superação da desigualdade social, que atingiu um nível sem precedentes, na busca de consensos e soluções mutuamente aceitáveis ​​para todos os países.

Tópicos