Pravda.ru

Mundo

Aborto e as pesquisas em embriões iguais a terrorismo

02.01.2007
 
Aborto e as pesquisas em embriões iguais a terrorismo

O aborto e as pesquisas em embriões foram ontem comparados ao terrorismo pelo Papa Bento XVI, que os considerou um “atentado à paz” durante a homilia do Dia Mundial da Paz.

“Junto com as vítimas dos conflitos armados, do terrorismo e das mais diversas formas de violência, temos as mortes silenciosas provocadas pela fome, pelo aborto, pelas pesquisas sobre os embriões e pela eutanásia”, afirmou Bento XVI na sua mensagem.

O Papa considerou que todas estas são “terríveis violações” do direito à vida e um “atentado à Paz”. Concretamente sobre o aborto e a investigação em embriões, o Papa classificou-os como “a negação directa da atitude de acolhimento do outro, que é indispensável para se estabelecerem relações de paz estáveis”.

Na sua homilia, dedicada à “pessoa humana, coração da paz”, a liberdade religiosa foi outro dos temas abordados, sobretudo no que respeita às dificuldades sentidas por alguns povos em manifestar livremente a própria fé, sendo muitas vezes perseguidos e vítimas de “atroz violência”, um “sintoma preocupante de ausência de paz no mundo”.

As desigualdades no acesso a bens essenciais, como a comida, a água, a casa, a saúde e também “as contínuas desigualdades entre homem e mulher no exercício dos direitos humanos fundamentais” foram igualmente consideradas por Bento XVI a origem de várias tensões que ameaçam a paz.

O Papa manifestou ainda preocupações ambientais, apelando à humanidade para que “tome consciência cada vez mais das ligações existentes entre a ecologia natural, ou seja, o respeito pela natureza, e a ecologia humana”.

“A experiência demonstra que toda a atitude de desprezo pelo ambiente provoca danos à convivência humana, e vice-versa”, afirmou.
O Papa sublinhou ainda o antagonismo existente entre o crescente aumento das necessidades energéticas de alguns países, que conduzem a uma “corrida sem precedentes aos recursos disponíveis”, e a escassez de reabastecimento energético em países pouco desenvolvidos, ditada pelo aumento dos preços da energia.

Relativamente às guerras religiosas, Bento XVI considerou “inaceitáveis concepções de Deus que estimulem a intolerância para com os próprios semelhante s e o recurso à violência contra eles”, e insistiu que “uma guerra em nome de Deus jamais é aceitável”.

A violação do direito internacional humanitário foi também focada na homilia, a propósito de algumas recentes situações de guerra, como aquela que teve por cenário há alguns meses o sul do Líbano, onde “a obrigação de proteger e ajudar as vítimas inocentes e de não envolver a população civil foi em grande parte desatendida”.

Jornal de Madeira 


Loading. Please wait...

Fotos popular