Pravda.ru

Mundo

Medo e ódio no Hotel Babilônia

07.07.2014
 
Medo e ódio no Hotel Babilônia. 20533.jpeg

Pois agora um vasto Sunitastão linha-duríssima estende-se direto dos subúrbios de Aleppo a Tikrit, e de Mosul à fronteira Jordânia/Iraque - o mesmo que se desmanchou em 2003, quando "Choque e Pavor" virou "Missão (não)Cumprida". 


Num fantasmagórico eco das pegadas do exército de Dick Cheney reverberando pelas areias da província de Anbar, o Estado Islâmico do Iraque e al-Sham (ISIS) e a coalizão de vontades lá-deles (jihadistas, islamistas, ba'athistas e xeiques tribais) posa agora de "libertadores" dos sunitas iraquianos, para livrá-los das garras de um governo da maioria xiita (do "mal") em Bagdá.

Além disso, o ISIS também controla as guerras de Relações Públicas. Em "Elijah J. Magnier entrevista Abu Baqr-al-Janabi, comandante do ISIS",[1] um jihadista detalha como qualquer tipo de possível envolvimento "cinético" de Washington será interpretado como aliança nada-santa entre o Império e o primeiro-ministro Nouri al-Maliki, contra os azarões.

De um ponto de vista sunita, basta de lei contraterrorismo no Iraque; basta de des-Ba'athificação (com ascensão do neo-Ba'athista Jaysh Rijal al-Tariqa al-Naqshbandia, JRTN, liderado pelo ex-chefete saddamista Izzat Ibrahim al-Douri); basta de o Ministério do Interior em Bagdá perseguir políticos sunitas; basta de violência contra manifestantes e protestos.

Ao mesmo tempo, é o retorno dos Sahwa (Filhos do Iraque) - que combateram furiosamente contra a al-Qaeda no Iraque em 2007. Sahwa é a mãe do ISIS - e o retorno de sortimento variado de milícias xiitas (Muqtada al-Sadr não apenas repeliu a nova onda de "conselheiros militares" dos EUA - foi assim que tudo começou no Vietnã - mas também alertou que seus próprios Homens-de-Preto-Perigosíssimos farão "a terra tremer" na luta contra o ISIS.) Os meados dos anos 2000 são a nova normalidade: vai ser aquele inferno de milícias, tudo outra vez.

Mesopotâmia, estamos com um problema. Os neo-Ba'athistas nada querem além de um Irã secular governado por sunitas, estilo Saddam (em vez de Ahmad Chalabi, ex-queridinho dos neoconservadores). O ISIS quer um califato que se estenda por todo o Levante, sob a lei da Xaria. Algo terá de ceder.

O que vai ceder é a própria nação iraquiana - a consequência balcanizada, reduzida (como era objetivo) da invasão e ocupação de 2003, finalmente reciclada como Central Jihad.

É a hora do revide

A "estratégia" do governo Obama (lembram-se da estratégia de "Não façam nenhuma merda estúpida", dos EUA para a Ucrânia?[2]) é impor mudação-de-regime a al-Maliki; afinal, ele cometeu a deselegância de recusar-se a permitir que os EUA continuassem a ocupar o Iraque mesmo depois de esgotado o prazo em 2012; e, para piorar, seu governo é próximo de Teerã.

Assim sendo, aí está a resposta à já lendária pergunta sobre como a rede de satélites dos EUA conseguiram não ver aquela longa coluna de Homens-de-Preto do ISIS em seus flamantes  Toyota "Land Cruisers" branquinhos novinhos em folha, atravessando o deserto Síria-Iraque. Podem chamar de Fracasso-mãe-de-todos-os-fracassos-de-Inteligência (lembram-se de Saddam, que falava da batalha Mãe-de-Todas-as-Batalhas?)

Temos aqui a 'vingança' do Império do Caos contra Bagdá, Teerã e - por que não? - Moscou (afinal, o presidente Vladimir Putin da Rússia já ofereceu total apoio a al-Maliki, na luta contra os jihadistas.) O Iraque mistura-se devidamente com a Ucrânia. E quanto ao revide-redux, está (quase) tudo explicado no Telegraph de 22/6.[3]

Quanto ao super-repisado mito do Departamento de Estado dos EUA - outra vez?! - dos "bons terroristas" e "maus terroristas", essa semana a Frente al-Nusra na Síria jurou fidelidade ao ISIS. Implica dizer que o ISIS agora controla virtualmente os dois lados da fronteira, em Albu Kamal na Síria e Al-Qaim no Iraque. Como bônus, o ISIS e xeiques tribais sunitas seus aliados também cercaram o Camp Anaconda que os EUA controlam no Iraque e estão preparados para jogo de morteiro de longo-longo prazo. Os 'analistas' da Av. Beltway[4] nunca aprendem?!

Aquela pequena ficção conhecida como Jordânia - onde reina o Reizinho de PlayStation, codinome Abdullah - estará prontinha para ser invadida, logo que os salafistas linha-duríssima de Zarqa (cidade natal de Zarqawi) alinhem-se totalmente com o ISIS. Acrescentem esse bom pedaço de propriedade ao Califato Levantino ainda em embrião, e o negócio todo já engrossará consideravelmente - refinarias de petróleo e coisa-e-tal incluídas.

"Não façam nenhuma merda estúpida", aplicada à Síria e ao Iraque, significa que o governo Obama já não tem limite que o contenha ou modere, na política de "Assad tem de sair" (e, por falar dele, é governo Ba'athista; implica dizer que Washington é aliada do ISIS na Síria, ao mesmo tempo em que é inimiga do ISIS no Iraque. O 'pecado' de Assad é que ele é, ao mesmo tempo, aliado de Teerã (como al-Maliki) e, principalmente (de um ponto de vista dos EUA), do Hezbollah. É onde entra a mais recente "Merda Estúpida" do governo Obama: estão armando rebeldes "devidamente avaliados", na Síria.

Pairando sobre esse cenário em que nada faz sentido que preste, toda a Av. Beltway, Casa Branca incluída, vende a ilusão de que estaria deliberando cuidadosa e atentamente para identificar se os Homens-de-Preto realmente perigosos são os do ISIS - e o que fazer sobre eles.

Simultaneamente, com algum tipo de cooperação Washington-Teerã contra o ISIS já se tornando autoevidente, surge aí um grande problema para a turma do perene "Bombardeie-o-Irã" na Av. Beltway, tanto quanto para os linha-dura em Teerã; afinal, o ISIS ergueu massiva barreira geoestratégica entre o Irã e a Síria, ao ameaçar a conexão Teerã-Hezbollah.

Em Israel, os Likudniks farão de tudo para impedir qualquer cooperação. Mas nunca seriam mais que um detalhe. Bagdá pode obter toda a ajuda de que precisa, de forças especiais iranianas e de milícias como a de Muqtada. O ISIS não tem capacidade humana ou expertise para sitiar Bagdá; só o povo de Sadr City bastaria para fazê-lo em pedaços. Para nem falar de atacar Najaf e Karbala, cidades santas dos xiitas, já protegidas por brigadas populares pesadamente armadas.

Será que a OTAN cruzará com o Jihadistão?

Kirkuk já está sob virtual controle dos curdos. A 'devolução' da cidade a Bagdá será muitíssimo problemática - e 'problema' é eufemismo. Kirkuk produz cerca de 670 mil barris de petróleo por dia. Cerca de 300 mil são exportados pelo oleoduto para Ceyhan, na Turquia. Mas nas últimas semanas só passaram pelo oleoduto, saídos dali, quando muito, uns 120 mil barris/dia.

A produção total do Iraque é de 3,3 milhões de barris/dia - a maior quantidade saída do sul, dos arredores de Basra. Não há nenhum sinal realista de que o ISIS consiga, algum dia, capturar Basra.

Assim sendo, o problema continua a ser algumas refinarias no norte, como Baiji. E, com isso, as forças iraquianas de elite dos batalhões contraterroristas podem lidar. Se o ISIS por qualquer razão conseguir pôr a mão em algum petróleo e gás - e trata-se de um grande "se" - será festival garantido para, sobretudo, os especuladores de mercados. E num instante aparecerão milhares de forças especiais dos EUA para "proteger" campos de petróleo iraquianos e a Zona Verde em Bagdá.

O Exército Árabe Sírio de Assad pode - e é o que já está fazendo - contribuir na luta contra o ISIS. No final, em termos bem realistas, pode-se dizer que o ISIS pode ser repelido pelo Exército Sírio, forças de elite do Irã, brigadas xiitas e, sim - uma revoada já iminente daqueles jatos de combate da Rússia e Bielorrússia, de segunda mão.[5]

O ISIS não tomará Bagdá. Mas, feito um mutante doido, num Sunitastão LD [Linha Duríssima] à moda Hollywood, eles podem pirar ainda mais pirados e tentar tomar Amã, Doha e, até, Riad.

O Império do Caos continuará apostando em - e o que poderia ser?! - mais caos. E está bracejando nessa direção - da real possibilidade de um empurrão final rumo a um Grande Curdistão (na Síria, Iraque, Turquia e até Irã) a um inferno de milícias sectárias por todo o Iraque, Síria, Líbano, Turquia e Iêmen. Para nem falar das possíveis ramificações no Norte da África, Ásia Central e Norte do Cáucaso.

O que fará Hillary Clinton, a Hilariêitor?! Nesse caso, será preciso esperar pelo começo de 2017. Ela sempre poderá dar uma de "Viemos, vimos, ele morreu" e encenar triunfantemente a Segunda Vinda no Levante, feito uma Atena dronada cantando "Acenda o meu fogaréu" [orig. Light My Fire.[6]

No fim, a OTAN não cruzará com o Jihadistão. Nenhuma "responsabilidade de proteger" (R2P) árabes que estejam sendo mortos por árabes. A OTAN deixar-se-á ficar - alegremente - de lado, só "observando". Porque do Norte da África e por todo o Oriente Médio ao Cáucaso e até também o oeste da China, o nome do jogo (em brasa) é manter os "Bálcãs Eurasianos" do Dr. Zbig Brzezinski sempre fervendo numa pira funeral. *****

 


[1] http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/06/elijah-j-magnier-entrevista-um.html

[2] 7/6/2014, Pepe Escobar: "A doutrina Obama para a Europa é estúpida demais", RT, trad. em http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2014/06/pepe-escobar-doutrina-obama-para-europa.html

[3] "How US and Britain were warned of Isis advance in Iraq but 'turned a deaf ear'" [Como EUA e Grã-Bretanha foram avisados do avanço do ISIS no Iraque, mas 'fizeram-se de surdos'"] http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/iraq/10918607/How-US-and-Britain-were-warned-of-Isis-advance-in-Iraq-but-turned-a-deaf-ear.html

[4] As expressões "Av. Beltway" e "Beltway" [literalmente 'cinturão'] fazem referência à avenida perimetral (estrada interestadual 495] que circula Washington, D.C., desde 1964. A expressão "a [av.] Beltway" refere-se, por metonímia, ao governo dos EUA (mais em http://en.wikipedia.org/wiki/Inside_the_Beltway) [NTs].

[5] http://www.bbc.com/news/world-middle-east-28042302

[6] Ouve-se em http://www.vagalume.com.br/the-doors/light-my-fire.html

 

27/6/2014, Pepe Escobar, Asia Times Online
http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/MID-02-270614.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular