Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Novas perspectivas de leitura

22.06.2010
 
Pages: 12

Nesse ensaio, lembra que o modernismo romântico de Murilo Mendes libera uma carga efetiva de emoção-em-criação abrigada nesses dois polos em que a poesia se instala: escritor e leitor. “Nesse sentido,as emoções representadas por sua visão literária não são, em relação a esses dois pólos, iguais às experimentadas na vida cotidiana, marcada por necessidades imediatistas. São emoções diluídas em um tipo de tranqüila recordação que são liberadas pela leitura/recepção atenta em análises produtivas. Na verdade, são percepções sentimentais de emoções”, observa.

IV

À luz da estética da recepção, Tinoco faz ainda uma excepcional análise do conto “O Espelho: esboço de uma nova teoria da alma humana”, de Machado de Assis, no ensaio “Leitura e recepção dos heterônimos (possíveis) em Machado de Assis: a modernidade nos personagens machadianos”, em que defende a idéia de que existem “muitos Machados”, mortos-vivos e eternos, assumindo sua forma e espaço nas ruas, nas alcovas, nas repartições, nos templos, nas festas, nos manicômios, como observou Luís Viana Filho em A vida de Machado de Assis (Porto, Lello & Irmão, 1984).

Como se sabe, em “O Espelho”, encontramos uma síntese perfeita da visão de mundo machadiana, conto em que o alferes Jacobina expõe a um grupo de cavalheiros a sua concepção sobre a natureza da alma, defendendo que a alma interior seria formada por emoções e sentimentos mais íntimos que não ousamos dizer a ninguém, enquanto a alma exterior representaria o modo como interiorizamos a imagem que os outros fazem de nós.

A partir daí, Tinoco analisa Machado de Assis em três de suas manifestações, ainda que haja outras que podem ser consideradas e redescobertas, como diz: o homem, o autor e o narrador. Essas três manifestações, no entender do ensaísta, podem ser vistas também como “heterônimos” do senhor Joaquim Maria Machado de Assis, assim como Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos são de Fernando Pessoa (1888-1935). Mas, ao contrário de Pessoa, que conferiu local, data de nascimento e vida própria aos seus heterônimos, os de Machado de Assis “tiveram vida dependente um do ouro, com a particularidade de representar, cada um deles, um outro olhar para lugares diferentes de onde os outros olhavam”.

Na verdade, Quincas Borba, Brás Cubas e dom Casmurro podem ser vistos mais como “semi-heterônimos”, assim como o Bernardo Soares, do Livro do Desassossego, é considerado um “semi-heterônimo” pessoano, tal como o definiu Jorge de Sena (1919-1978) em Fernando Pessoa & Cia.Heterónima: estudos coligidos 1940-1978 (Lisboa, Edições 70, 1984). Ou seja: um personagem que assume todas as características, principalmente a idiossincrasias, de seu criador.

Seja como for, para concordar com as conclusões de Tinoco – ou abrir polêmica com elas –, o leitor-receptor terá de ler (e reler) este livro com atenção. Sairá dessa leitura – ou “travessia” – bem diferente, engrandecido e apto a entender como a estética da recepção pode oferecer visões interpretativas que abrem novas perspectivas de leitura. É essa a função de todo bom crítico. Como Tinoco mostra muito bem neste livro.

V

Robson Coelho Tinoco, nascido em Guaratinguetá-SP, em 1960, é mestre em Língua Portuguesa (PUC-SP) e doutor em Literatura Brasileira pela UnB, onde é professor desde 1996 no Departamento de Teoria Literária. Em 2009, iniciou seu pós-doutoramento em Língua Portuguesa, pesquisando práticas e metodologias de leitura literária no ensino médio de São Paulo e do Distrito Federal.

______________________________

LEITOR REAL E TEORIA DA RECEPÇÃO: TRAVESSIAS CONTEMPORÂNEAS , de Robson Coelho Tinoco. Vinhedo-SP: Editora Horizonte, 184 págs., 2010, R$ 34,00. E-mail: contato@editorahorizonte.com.br Site: www.editorahorizonte.com.br

____________________________________

(*) Adelto Gonçalves é doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002) e Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003). E-mail: marilizadelto@uol.com.br

Pages: 12