Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Três italianos homenageiam o surrealismo de Santiago Ribeiro

17.03.2021
 
Três italianos homenageiam o surrealismo de Santiago Ribeiro. 35068.jpeg

Três italianos homenageiam o surrealismo de Santiago Ribeiro com um vídeo com implicações antropológicas

A arte não para nas redes sociais.
Podemos olhar para a pandemia, o mundo em mudança, o bloqueio, as restrições de uma maneira diferente? Quantas vezes pensamos em libertar nossos impulsos? O artista português Ribeiro mostra-nos o nosso inconsciente num vídeo feito entre três italianos para homenagear o seu “Novo Surrealismo” que pode nos dizer muito sobre nós próprios em relação ao tempo que vivemos.
    

Voz persuasiva e misteriosa do ator italiano Maurizio Bianucci que participou de importantes e bem-sucedidas séries como Suburra, em inúmeras peças teatrais e ficções da RAI que declama o poema na versão italiana intitulada "Profluvi" do poeta siciliano Vincenzo Cali ', enquanto o inglês intitulado "Flows" é declamado pela jornalista Annalina Grasso, que enquadra as obras do artista internacional, fundador do movimento "Surrealism Now", com palavras inquietas e alienantes, Santiago Ribeiro mostra-nos como provavelmente faríamos ser se liberássemos totalmente nosso inconsciente e nossas pulsões: nus e cegos, não realmente livres, mas perdidos, eufóricos, não felizes.

A arte de Santiago foi, é e ainda pode ser uma visão da mente de cada um de nós, principalmente neste momento histórico, feita de "lockdown", ensino a distância, distanciamentos físicos que nos geram ansiedade e stress, medo pelo futuro, angústia. O que poderia estar dentro de nossas mentes exauridas pelas restrições e ao mesmo tempo pelo medo do contágio? Desejo de se livrar das roupas de cidadão, de homem civil, cristão, racional, esnobando o livre arbítrio e seguir apenas o próprio instinto, o lado negro de si mesmo; confiar. Viver em uma sociedade como o Marquês de Sade imaginou e desejou, onde não pode haver punições ou julgamentos por más ações, enquanto o homem segue o que a Natureza cria e destrói.

No entanto, o vídeo concretiza o que se denomina heterogênese de fins, ou seja, por meio da “visão do que poderia ser se”, nos leva a aspirar a outra coisa e a nos conscientizar cada vez mais da contradição entre necessidade e bem e, descobrindo a dignidade e o valor de nós, seres humanos, para não ser cegos nem nus e vaguear na incerteza perene, mas apelando ao impessoal que está presente em cada pessoa para superar a superação das nossas angústias e medos. A arte com o apoio da tecnologia nos ajuda a fazer isso, mesmo à distância, nos mostrando o quão semelhantes podemos ser neste momento.


Vincenzo Cali, Annalina Grasso, Maurizio Bianucci.

Pinturas de Santiago Ribeiro