Pravda.ru

Ciência

Médicos cubanos recebem apoio do Grupo de Puebla por atuação no Brasil

05.10.2020
 
Médicos cubanos recebem apoio do Grupo de Puebla por atuação no Brasil. 34103.jpeg

Médicos cubanos recebem apoio do Grupo de Puebla por atuação no Brasil

Medicos cubanos - MIGUEL MEDINA/AFP

Entidade defende prêmio aos médicos e denuncia perseguição política promovida por Trump e Bolsonaro

Redação

Brasil de Fato 

Grupo de Puebla, organização formada por lideranças políticas latino-americanas e ibéricas de esquerda, divulgou uma carta de apoio à atuação dos médicos cubanos no Brasil.

Na nota, o grupo aplaude o esforço humanitário cubano em fornecer serviços de saúde para "populações desassistidas em dezenas de países", especialmente durante a pandemia. Eles apoiam também a campanha internacional para agraciar os integrantes da Brigada com o Prêmio Nobel da Paz. Além disso, o documento denuncia a perseguição política promovida pelos governos de Donald Trump (EUA) e jair Bolsonaro contra a iniciativa.

Entre os 32 integrantes do Grupo de Puebla, estão os ex-presidentes  Lula e Dilma Rousseff (Brasil), José Luis Rodríguez Zapatero (Espanha), Ernesto Samper (Colômbia), Rafael Correa (Equador), Fernando Lugo (Paraguai) e Leonel Fernández (República Dominicana).

 

Leia a carta na íntegra:

 

CONSIDERANDO que, antes da criação do programa Mais Médicos, o Brasil tinha um déficit de dezenas de milhares de médicos;

CONSIDERANDO, ademais, que o Brasil, na época, tinha somente 1,8 médico por mil habitantes, número bem abaixo de países da América Latina como México (2,8), Colômbia (2,2), Uruguai (3,7) e Argentina (3,1) ou de países como Espanha (4,0) e Itália (4,0);

CONSIDERANDO que tal índice, nas regiões mais pobres do país (Norte e Nordeste), e até nas periferias das grandes cidades, era ainda menor, de apenas um médico para mil habitantes, o que demonstrava a péssima distribuição desses profissionais da saúde no território nacional;

CONSIDERANDO que, dos mais de 5 mil municípios brasileiros, apenas 823 tinham um ou mais médicos por mil habitantes;

CONSIDERANDO que o programa Mais Médicos, composto por três eixos - estruturação de longo prazo da rede de assistência; formação profissional, com objetivo de suprir a falta de profissionais brasileiros; e, por fim, a mobilização de profissionais estrangeiros diante da existência de grandes áreas não cobertas por médicos brasileiros - teve nesse último quesito a importante participação da Organização Pan-americana da Saúde (OPAS), mediante acordo com o governo brasileiro;

CONSIDERANDO que o programa Mais Médicos, com ampla participação de médicos cubanos, levou assistência básica em saúde a cerca de 63 milhões de brasileiros, que estavam excluídos dos imprescindíveis serviços de saúde pública;

CONDIDERANDO que, em pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais, 95% dos usuários do programa o avaliaram como muito positivo, destacando o profissionalismo e o caráter humanitário dos médicos cubanos;

CONSIDERANDO que o programa MAIS Médicos foi aprovado pelo Congresso Nacional do Brasil na sua criação em 2013; na sua prorrogação em 2016, já após o golpe ao governo Dilma; e não foi alterado quando tramitado em 2019, já no governo Bolsonaro;

CONSIDERANDO que o programa Mais Médicos foi extensamente analisado por órgão de controle e fiscalização (Tribunal de Contas da União do Brasil) e foi considerado constitucional pela Suprema Corte brasileira em 2017;

CONSIDERANDO que o contrato estabelecido com a Organização Pan-americana da Saúde (OPAS), que objetivou o apoio na implementação do programa Mais Médicos, e não apenas a mobilização de serviços médicos cubanos, seguiu todas as normas legais da Organização Mundial da Saúde (OMS) e Sistema ONU, estando nos moldes de outras parcerias do Sistema de Saúde Brasileiro com esta organização;

CONSIDERANDO que a oferta de serviços médicos internacionais está em conformidade com o Acordo Geral de Comércio de Serviços da Organização Mundial do Comércio (OMC) e segue as diretrizes e regulamentos da Organização Mundial da Saúde (OMS);

CONSIDERANDO que a exclusão de médicos cubanos desse imprescindível programa para a saúde do Brasil, motivada pelas agressões do governo Bolsonaro aos médicos cubanos e à Cuba, deixou cerca de 30 milhões de brasileiros sem assistência médica, fragilizando a população e o Sistema Público de Saúde Brasileiro diante do cenário da pandemia de COVID-19;

CONSIDERANDO que os médicos cubanos já realizaram milhares de missões em todo o mundo, com destaque para o controle da epidemia de Ebola no oeste da África; o enfrentamento à cegueira na América Latina e no Caribe e à cólera no Haiti; e no combate à pandemia de coronavirus em 39 países e territórios, entre os quais Itália, Espanha, Nicarágua, Haiti, Suriname e Venezuela, entre outros;

CONSIDERANDO que, em razão desses grandes serviços humanitários prestados pelos médicos cubanos, há expressiva campanha internacional para que tais profissionais sejam agraciados com o prêmio Nobel da Paz;

CONSIDERANDO que o histórico das parcerias bilaterais e de cooperação regional entre Cuba e os países das Américas, incluindo a oferta de serviços médicos e desenvolvimento de tecnologias em saúde, com a participação da OPAS, tem contribuído, ao longo dos anos, para o aprimoramento dos Sistemas Públicos de Saúde da região e o alcance das metas de saúde das Américas, Objetivos do Milênio e Objetivos do desenvolvimento Sustentável (ODS);

CONSIDERANDO que a investigação, no âmbito da OPAS, sobre o Programa Mais Médicos, exigida pelo governo Trump, foi iniciada imediatamente após o pagamento de US$ 60 milhões da dívida dos Estados Unidos;

CONSIDERANDO o fato da investigação sobre o programa Mais Médicos ter sido iniciada pela OPAS sem o conhecimento do governo Cubano;

CONSIDERANDO que a investigação é movida por interesses incompatíveis aos que deveriam orientar a OPAS, criando grave precedente que pode impedir, no futuro, a atuação desta Organização, em programas de cooperação internacional fundamentais à atenção de saúde da população latino-americana;

e

CONSIDERANDO que a investigação do programa Mais Médicos pela OPAS promovida pelo governo Trump e pelo governo Bolsonaro tem nítida motivação política, objetivando atingir os governos brasileiros do Partido dos Trabalhadores e o governo de Cuba, beneficiar o candidato do partido republicano e interferir nas eleições municipais brasileiras, ao mesmo tempo que prejudica todos os países da região ao bloquear a ação da OPAS;

O GRUPO DE PUEBLA:

  1. Aplaude o esforço humanitário de Cuba em prover serviços de saúde a populações desassistidas em dezenas de países do mundo, de especial relevo na atual conjuntura da pandemia de COVID-19.

 

  1. Apoia a campanha internacional para que esses dedicados profissionais sejam agraciados com o Prêmio Nobel da Paz.

 

  1. Denuncia a motivação político-eleitoral e o ataque às agências do sistema ONU na investigação em curso na OPAS, promovida pelo governo Trump e pelo governo Bolsonaro, contra Cuba e os governos do Partido dos Trabalhadores (PT).

http://www.patrialatina.com.br/medicos-cubanos-recebem-apoio-do-grupo-de-puebla-por-atuacao-no-brasil/

Foto: By Roel Coutinho - Roel Coutinho Guinea-Bissau and Senegal Photographs (1973 - 1974), CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=48649390

 


Fotos popular