Pravda.ru

Federação Russa

Aliança Sino-Russa chega à maioridade (1/3)

27.09.2020
 
Aliança Sino-Russa chega à maioridade (1/3). 34056.jpeg

Aliança Sino-Russa chega à maioridade (1/3)
14/9/2020, M.K.Bhadrakumar, Indian Punchline

Legenda: Foto icônica de Yevgeny Khaldei, de soldados do Exército Vermelho hasteando a bandeira soviética no topo do prédio do Reichstag em Berlin, Maio de 1945.
Declarações conjuntas de dois países são geralmente voltadas para um evento particular, mas em circunstâncias extraordinárias envolvendo grandes potências, podem assumir caráter de época e podem ser vistas como comunicação diplomática que reflete o que os alemães chamam de zeitgeist - o espírito do tempo, espírito ou humor que define uma época, um período particular da história - e enquadrar relações geopolíticas de poder.

Isso é ainda mais verdadeiro no caso de grandes potências que tenham longa tradição na diplomacia e deixaram marcas profundas na marcha da história.

Com certeza, a declaração conjunta emitida após a visita do Conselheiro de Estado Chinês e Ministro das Relações Exteriores Wang Yi a Moscou em 10-11 de setembro de 2020 enquadra-se nesta segunda categoria.

A visita de Wang a Moscou ocorreu em conexão com a reunião de ministros das Relações Exteriores da Organização de Cooperação de Xangai. Sua "bilateral" com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, ocorreu em 11 de setembro no final da visita, mas do ponto de vista da segurança internacional e da ordem mundial, já é evento importante, como ponto de virada na evolução da entente sino-russa.

O documento que saiu da visita de Wang chama a atenção para as áreas centrais da parceria sino-russa para que se analisem os discursos, os interesses mútuos de duas potências e o contexto geopolítico global em constante evolução na situação mundial contemporânea.

A declaração conjunta tem mais a natureza de uma declaração sino-russa sobre a atual situação internacional e os principais problemas, especialmente a estabilidade política global e a recuperação econômica global. É o tipo de declaração que geralmente se atribui a aliados próximos e significa que uma etapa qualitativamente nova está se aproximando na parceria abrangente e cooperação estratégica sino-russa, que já levou as relações bilaterais ao seu nível historicamente mais alto.

Claramente, a declaração conjunta Rússia-China de 11 de setembro é documento negociado e público de uma relação bilateral que reflete não apenas as ideologias políticas dos dois países, mas também sua "visão comum" e suas recomendações para encontrar soluções em conjunto para seus problemas comuns. Refere-se a um mundo que "vive um estágio de profunda transformação. A turbulência está ficando mais forte (...) A epidemia de coronavírus se tornou o desafio global mais sério em tempos de paz."

As doze principais áreas de parceria delineadas na declaração conjunta refletem também os objetivos de política externa dos dois países. Essas doze áreas incluem, em primeiro lugar, a campanha invejosa iniciada pela Grã-Bretanha e pelos Estados Unidos, que foi colhida por um punhado de outros países (incluindo um coro dentro da Índia). Por essa campanha, a culpa pela pandemia de coronavírus - chamado "vírus Wuhan" - seria diretamente da China, onde teria começado, pelo alegado fracasso dos chineses em cumprir sua obrigação internacional de compartilhar detalhes com a comunidade mundial.

A "politização" da pandemia acabou por não prosperar na comunidade internacional - sequer nos EUA mesmo dentro da América. Mas o estado norte-americano - e aliados anglo-saxões - serviram-se da ideia, para difamar a China, para se intrometerem nos assuntos internos da China e para montar rapidamente ataques injustificados ao próprio sistema político chinês.

O documento de 11 de setembro ressalta que Moscou apoia firmemente Pequim, ao instar outros governos e estados, organizações públicas, mídia e círculos de negócios a promover a cooperação e resistir conjuntamente a informações falsas, a parar de politizar a pandemia e, em vez disso, unir esforços para superar a infecção por coronavírus e responder em conjunto a vários desafios e ameaças.

Sem dúvida, será motivo de grande satisfação e conforto para Pequim neste momento, que assim como Moscou destaca a alta qualidade da entente sino-russa, ofereça também a decidida solidariedade do Kremlin à liderança chinesa, nesta questão tão sensível.

Os dois países sublinharam que insistem no papel coordenador da OMS nos esforços internacionais para conter as epidemias, aprofundar a cooperação internacional nesta área e supervisionar o desenvolvimento acelerado de medicamentos e vacinas.

"Verdade histórica" sobre a 2ª Guerra Mundial

Um segundo vetor da declaração conjunta da semana passada diz respeito à "verdade histórica" sobre a Segunda Guerra Mundial. Pode parecer assunto esotérico, mas absolutamente nada tem de esotérico.

Em anos recentes, cresceu uma campanha de propaganda ocidental aparentemente inócua, dedicada a minimizar e diminuir os sacrifícios heroicos da ex-União Soviética na guerra para derrotar a Alemanha nazista. Moscou rapidamente percebeu as intenções traiçoeiras, sórdidas, daquela campanha.

Dito em termos simples, a União Soviética foi a nação que suportou o fardo de resistir aos agressores nazistas, mas os fatos da história estão sendo sistematicamente falsificados, por exemplo, na Polônia e nos Estados Bálticos, frequentemente com o incentivo sutil dos EUA. A campanha alimenta sentimentos antirrussos, mas, ainda mais perigosamente, incentiva o irredentismo e o militarismo.

A declaração conjunta promete que a Rússia e a China "não permitirão que ninguém modifique os resultados da Segunda Guerra Mundial, que estão fixados na Carta da ONU e em outros documentos internacionais".

A postura comum russo-chinesa diz respeito à transição gradual que ocorreu na Alemanha e no Japão nos últimos anos para mudar do pacifismo para ideologias militaristas. E isso exige explicação.

A Rússia tem observado com crescente inquietação que a Alemanha está em outra transição histórica, que mantém paralelo perturbador com a transição de Bismarck no cenário europeu pré-1ª Guerra Mundial e, subsequentemente, da República de Weimar para a Alemanha Nazista, que levou a duas guerras mundiais e causou terrível destruição à toda a humanidade.

Para ilustrar a mudança que está varrendo a ideologia alemã, em uma entrevista ao semanário Die Zeit em julho, a ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer (que também é presidente em exercício do partido governante União Democrata Cristã), enfatizou que é "mais que hora para discutir" o modo como a Alemanha deve posicionar-se no mundo no futuro ".

Karrenbauer disse que "se espera que a Alemanha mostre liderança, não só como potência econômica", mas também em relação à "defesa coletiva; trata-se de missões internacionais, trata-se de expor uma visão estratégica do mundo, e em última instância trata-se de saber se queremos moldar ativamente a ordem global."

Simplificando: a voz alemã não é mais a voz do pacifismo.

LEGENDA: Soldados das Forças Armadas alemãs (Bundeswehr) sentam-se em um tanque Bueffel ("búfalo") blindado recuperado em Grafenwoehr, Alemanha, antes de ser alocado na Lituânia, fronteira com a Rússia, dia 31/1/2017 (foto de arquivo)

Kramp-Karrenbauer disse que "a reivindicação da atual liderança russa" de defender seus interesses "muito agressivamente" deve ser "confrontada com uma posição clara: estamos bem fortificados e, em caso de dúvida, prontos para nos defender. Vemos o que a Rússia está fazendo e não vamos deixar a liderança russa escapar impune ... Se você olhar quem na Europa está ao alcance dos mísseis russos, somos só os Estados da Europa Central e Oriental e nós."

E Kramp-Karrenbauer prometeu "trabalhar em uma análise conjunta de ameaças" com aliados europeus, para desenvolver "sistemas de defesa", que envolveriam cada vez mais "drones, enxames de drones controlados por IA ou armas hipersônicas".

O que se vê claramente é que, 75 anos após o fim da 2ª Guerra Mundial, o imperialismo alemão novamente se agita - e mais uma vez, contra a Rússia. Está de volta à agenda alemã a militarização abrangente da sociedade. Como no passado, nada deterá as elites alemãs, no ímpeto para promover os interesses do capital alemão, em casa e no exterior.

Três características devem ser observadas aqui. Como na Alemanha de Weimar, as redes extremistas de direita na Bundeswehr (Forças Armadas) e os serviços de segurança da Alemanha começaram mais uma vez suas operações sem ser impedidos pela elite governante alemã.

Uma militarização abrangente da sociedade está, mais uma vez, em andamento. Kramp-Karrenbauer, como disse, está satisfeita "por termos sido capazes de tornar as Bundeswehr um pouco mais visíveis na sociedade, com as tropas fazendo numa aparição pública diante do Parlamento Federal (Bundestag) alemão, no aniversário da Bundeswehr e com passagens gratuitas nos trens para pessoal militar uniformizado".

Em resposta ao alerta do Die Zeit de que "camaradagem, guerra, morrer pelo próprio país, matar alguém" eram "praticamente inexistentes na autorrepresentação pública das Forças Armadas", Kramp-Karrenbauer prontamente respondeu que exatamente isso é que precisava mudar. "Somos um exército. Estamos armados. Na dúvida, o soldado também deve matar" - disse ela. Ao contrário do passado, "hoje são frequentes as missões estrangeiras perigosas. Quem se aproxima dos militares alemães sabem disso. E isso também faz parte do que entendo por democracia bem fortificada e Europa forte."

As tensões germano-americanas e a recém-anunciada retirada das tropas americanas da Alemanha estão na realidade funcionando como pretexto para acelerar os planos de rearmamento da Alemanha. A Alemanha recentemente aumentou maciçamente seus gastos militares e está construindo projetos de armamentos no valor de vários dígitos de bilhões, embora o orçamento ainda seja de apenas 1,38% do PIB. Na realidade, a Alemanha vai-se tornando militarmente independente dos EUA.1 Neue Zürcher Zeitung, jornal suíço de alta qualidade conhecido pela objetividade e pelo relato detalhado de assuntos internacionais, escreveu com grande presciência recentemente:

"À primeira vista, Trump pode ter punido o país. Mas, na verdade, a retirada das tropas abre uma oportunidade: todos aqueles Realpolitikers, que durante anos manifestaram-se contra a opinião majoritária em parte pacifista e em parte antiamericana na Alemanha, agora estão em vantagem a favor de uma mudança".

"Quer manter o sentimento reconfortante de ser uma 'nação de paz'? Até agora, isso significava que outros garantiam a paz. Ou o país sairá da sombra que se espalha de seu passado e garantirá a paz para si e para seus parceiros europeus?"

O público alemão milita contra a guerra e o militarismo. Os horrores das guerras mundiais e os crimes perpetrados pela Alemanha nazista contra a humanidade ainda estão presentes na memória coletiva.

O que está ocorrendo é que o retorno do militarismo alemão vem exclusivamente das elites governantes com forte apoio dos conglomerados industriais, com história sangrenta como fabricantes de armas e histórico vergonhoso de lucro na guerra. Dito de outro modo, diante de profunda crise do capitalismo e das crescentes tensões internacionais, as elites dominantes alemãs estão voltando aos meios do militarismo e da guerra para garantir a própria riqueza e próprio poder.

A volta do militarismo

No leste, vemos, da mesma forma, a onda crescente de militarismo japonês. Após a desastrosa derrota na 2ª Guerra Mundial, Tóquio renunciou a anos de guerra em favor de uma visão pacifista, prometendo usar a força apenas para proteger a pátria japonesa em caso de ataque - nunca travar guerra contra inimigo não provocado. Mas em anos recentes, os líderes políticos do Japão, especialmente o primeiro-ministro Shinzo Abe, tentaram tirar o país da concha do pós-guerra.

A ascensão da China forneceu álibi para que Abe buscasse modos de reforçar as forças de seu país com um mínimo de revide doméstico. Abe aprovou legislação que permite ao Japão defender aliados, aprovou novo potente plano de defesa e fez campanha para emendar a Constituição japonesa de renúncia à guerra, para formalizar a ressuscitação das forças armadas do país. E então foi forçado a deixar o cargo, há duas semanas.

O Japão agora pode defender com mais eficácia seu continente e centenas de ilhas, revidar se for desafiado, patrulhar rotas marítimas globais e enfrentar adversários onde e quando considerar apropriado.

Esta mudança evolutiva de império militarista para nação pacifista e de volta para uma cultura política pró-militar dá aos EUA um aliado muito mais forte para lutar ao seu lado. Mas por outro lado, tem o potencial de aumentar seriamente as tensões regionais e as perspectivas de guerra com a China e a Rússia.

A Rússia foi por duas vezes vítima da Alemanha militarista, na história moderna. E tanto a Rússia quanto a China pagaram historicamente pesado tributo à ideologia militarista japonesa. Em 1904, o Japão entrou em guerra contra a Rússia, com um ataque surpresa. Depois de anos de luta e pseudo-governo, o Japão anexou oficialmente a Península Coreana em 1910.

E em 1932, o Japão criou seu próprio estado fantoche na China.

É fato histórico inegável que o Japão foi invulgarmente violento, implacavelmente ambicioso e impiedosamente brutal com a China. Durante o massacre de seis semanas na China, agora conhecido como "Estupro de Nanquim", em menos de dois meses, os soldados japoneses mataram cerca de 300 mil chineses e estupraram mais de 80 mil mulheres.

Nos dois casos da Alemanha e do Japão, há sinais incipientes de que a história repete-se. O Japão é, em muitos aspectos, cópia carbono do que está ocorrendo na Alemanha. A agenda de Abe, por sua vez, era impulsionar a economia turbulenta do Japão, enquanto, por outro lado, buscava política externa vigorosa com foco especial no combate à China.

Poucos meses depois de assumir o cargo de primeiro-ministro, Abe disse em entrevista ao Wall Street Journal: "Percebi que se espera que o Japão exerça liderança não apenas na frente econômica, mas também no campo da segurança na Ásia-Pacífico."

Em dezembro de 2018, Abe lançou um novo plano de defesa de 10 anos, que dentre outras coisas, promovia a conversão do porta-helicópteros Izumo em porta-aviões, dando à nação seu primeiro navio desse tipo desde a Segunda Guerra Mundial; provisão para gastar cerca de US$240 bilhões nas Forças de Autodefesa (exército) nos cinco anos seguintes; deu continuidade ao aumento constante dos gastos com defesa do país; e à compra de novos caças para substituir os antigos. Claramente, todo esse equipamento não tem por objetivo proteger o continente, mas aumentar a capacidade do Japão para projetar poder sobre o exterior.

Em contraste com a Alemanha, entretanto, a opinião pública japonesa sob Abe dividiu-se profundamente, e tornou-se talvez um tanto ambivalente quanto à iniciativa pró-militarização, que definiu o seu legado. O partido de Abe divide o poder com Komeito, para permanecer no comando, e a base de Komeito é amplamente pacifista.

A ambivalência de Komeito acabou sendo um grande obstáculo para as ambições de Abe de mudar a Constituição do Japão e fazer do país uma potência regional com visão global.

Para ser justo, o Japão sob Abe também sente que está em perigo, cercado pela ameaça iminente da RPDC e por desafiante de longo prazo, a China. Os militares japoneses são a instituição mais respeitada no Japão e a sociedade japonesa deixou de ser antimilitar, embora continue a ser antiguerra.

Mas a questão é que, mesmo após a saída iminente de Abe, algum outro líder que deseje exército mais tradicional para o Japão terá clima político propício para pressionar por mudanças.

"Verdadeira camaradagem forjada nos campos de batalha"

Berlim desempenha papel importante na ofensiva ocidental contra a Rússia e lidera o grupo de combate da OTAN na Lituânia. Alemanha e Estados Unidos também estão trabalhando juntos nos movimentos da OTAN contra a Rússia.

A Alemanha é a área de teste mais importante para unidades da OTAN posicionadas na fronteira do Leste Europeu com a Rússia. E a mídia alemã está inundada de opiniões exigindo que o compromisso da OTAN seja agora finalmente cumprido, e que os gastos militares aumentem para 2% do produto interno bruto. (Atualmente estão em 1,38% do PIB, embora recentemente tenham aumentado maciçamente os gastos militares e estejam considerando projetos de armamento de vários dígitos de bilhões.)

Abe, por sua vez, na Ásia-Pacífico, não escondeu que seu objetivo principal é contrariar as crescentes proezas econômicas e militares de Pequim, que poderiam permitir que os chineses remodelassem a região e o mundo à sua imagem. O Japão também tem disputas territoriais acirradas com a Rússia e a China.

Os críticos de Abe argumentaram que seu militarismo daria às forças japonesas um caminho para a guerra contra outros países, e alguns críticos japoneses até chamaram as mudanças na lei que Abe comandou, de "legislação de guerra" e o descreveram como um Adolf Hitler.

De fato, contra um pano de fundo tão pungente, não é surpresa que a declaração conjunta emitida em Moscou em 11 de setembro reserve sua passagem mais vigorosa quanto à razão de ser da aliança russo-chinesa, para a emergente situação internacional, lembrando sua luta histórica contra o nazismo e o imperialismo japonês:
"União Soviética e China receberam o golpe principal do fascismo e do militarismo, suportaram o peso da resistência aos agressores, detiveram, derrotaram e destruíram os invasores à custa de enormes perdas humanas, ao mesmo tempo que mostravam dedicação e patriotismo sem paralelo.

As novas gerações estão em dívida com aqueles que caíram em nome da defesa da liberdade e da independência, para o triunfo do bem, da justiça e do humanismo.

Uma moderna relação russo-chinesa, relação de parceria inclusiva e engajamento estratégico, quando o mundo embarca numa nova era, é marcada pela carga poderosa e positiva de verdadeira camaradagem forjada nos campos de batalha da Segunda Guerra Mundial.

Preservar a verdade histórica sobre esta guerra é dever sagrado de toda a humanidade.

Preservar a verdade histórica sobre esta guerra é dever sagrado de toda a humanidade.

Rússia e a China se oporão conjuntamente às tentativas de falsificar a história, de converter em heróis os nazistas, os militaristas e seus cúmplices e de inculpar os vencedores. Nossos países não permitirão qualquer 'revisão' dos resultados da Segunda Guerra Mundial consagrados na Carta das Nações Unidas e em outros documentos internacionais.
Na verdade, a analogia histórica carrega ecos profundos na situação atual na Europa e na Ásia-Pacífico. O governo alemão acusa abertamente o estado russo de ter envenenado envenenar o político da oposição Alexei Navalny; e ameaça a Rússia com sanções. A linguagem da Alemanha em relação à Rússia mudou dramaticamente. Não é mais contida por qualquer sentimento de culpa pelo sangue de 25 milhões de cidadãos soviéticos. A Alemanha fala como se já planejasse a próxima campanha militar contra Moscou.

Acima de tudo, como já aconteceu uma vez, na década de 1930, outras potências ocidentais, em sua obsessão com conter Rússia e China, não só estão fechando os olhos para o crescente militarismo na Alemanha e no Japão, mas, até, o encorajam secretamente.
___________________________________
1.    O assunto é matéria também no Worls Socialist Website, em https://www.wsws.org/en/articles/2020/08/04/mili-a04.html [NTs].
Foto: https://en.wikipedia.org/wiki/Sino-Russian_relations_since_1991#/media/File:%D0%9F%D0%B0%D1%80%D0%B0%D0%B4_%D0%B2_%D1%87%D0%B5%D1%81%D1%82%D1%8C_70-%D0%BB%D0%B5%D1%82%D0%B8%D1%8F_%D0%92%D0%B5%D0%BB%D0%B8%D0%BA%D0%BE%D0%B9_%D0%9F%D0%BE%D0%B1%D0%B5%D0%B4%D1%8B_-_15.jpg


Fotos popular